Aplicação do herbicida 2,4-D em pós-emergência na cultura de soja e seu reflexo na produtividade de grãos

2901

O objetivo deste trabalho foi avaliar o efeito da aplicação do herbicida 2,4-D em baixas doses na fase de floração e formação de vagens na produtividade de grãos soja

Autores: HORVATICH, P.1; SHAVARSKI, G.T. 1

Introdução

O herbicida 2,4-D é comumente aplicado no cultivo de soja sob plantio direto por ocasião da dessecação antecipada ao plantio, sempre objetivando melhor controle de invasoras latifoliadas. Ocorre que é comum ocorrer contaminação no tanque de pulverizador com o herbicida 2,4 D em aplicação em soja já emergida e esta contaminação sugere ser prejudicial à soja. Em inúmeros casos, observamos elevadas produções em lavouras de soja submetidas à deriva ou contaminação de calda com o 2,4 D.

No cultivo de abóbora Kabotiá, é necessário um polinizador, devido às flores macho-estéreis. Assim, uma estratégia é o cultivo intercalar com outra abóbora que fornecerá os grãos de pólen; outra é a aplicação do 2,4-D agindo como hormônio, que promove o desenvolvimento do fruto.

Assim, surgem questionamentos acerca de efeitos deletérios das derivas ou contaminação acidental de pulverizadores com o 2,4-D em pós-emergência da soja, havendo até relatos de agricultores que aplicam este insumo em soja em floração visando ganhos de produtividade.

O objetivo deste trabalho foi avaliar o efeito da aplicação do herbicida 2,4-D em baixas doses na fase de floração e formação de vagens na produtividade de grãos soja, considerando os conhecimentos de seu uso na olericultura, nos acidentes já ocorridos e em relatos de produtores.

Material e Métodos

O experimento foi conduzido na Fazenda Santa Maria, no município de Santo Antônio  do Leste-MT, na safra 2016/2017. A semeadura realizada em 15/11/2016, com a cultivar de soja P98Y30, no espaçamento entre linhas de 0,5 metros, a população de plantas final foi de 260 mil plantas por hectare. A colheita ocorreu em 11/03/2017.

O delineamento experimental foi em blocos ao acaso, com dezesseis tratamentos e quatro repetições. Os tratamentos consistiram na aplicação do herbicida 2,4 D em pulverização do produto comercial DMA 806 BR (670 g e.a. L-1) em duas fases fenológicas da soja : final R1 em 30/12/2016) e R2 em 06/01/2017 (Tabela 1). A dimensão das parcelas variou em função do arranjo local, com a largura de 9 a 15,5 metros por 379 metros de comprimento, com área de 3.411 m² a 5.874,5 m².

As condições climáticas reinantes nesta safra foram propícias à alta produtividade da cultura da soja, não havendo registros de falta ou excesso de umidade e as temperaturas não alcançaram os extremos.

A aplicação do herbicida DMA 806 BR foi com pulverizador autopropelido, na direção de 90 graus do sentido do plantio, com pressão constante de 40 libras pol-1 e vazão de 70 L ha-1 de calda do herbicida.

Todas as variáveis dependentes foram submetidas à análise de variância (Teste F) para a avaliação da significância dos efeitos de tratamentos. A comparação de médias foi realizada utilizando o teste de Tukey, a 5% de probabilidade, com o pacote estatístico Sisvar (Statistical Analysis Software).

Resultados e Discussão

Após a aplicação do herbicida, a partir da dose de 12 ml ha-1, as plantas apresentaram o sintoma de epinastia, sendo mais intenso com o aumento da dose. Na dose de 100 ml ha-1 ocorreu ligeira redução de porte da cultura.

A produtividade de grãos de soja não apresentou diferença estatística significativa entre os tratamentos, tanto na ausência e nas doses que variaram de 2 ml ha-1 a 100 ml ha-1 do herbicida DMA 806 BR, até mesmo em relação a fase fenológica da soja na ocasião da aplicação (Tabela 2). A classificação dos grãos não demonstrou qualquer diferença entre os tratamentos.

Os resultados obtidos demostram, que neste caso, não houve ganhos nem tampouco perdas com a aplicação do insumo. Sinalizam também que pequenas doses, geralmente ocasionada por pulverizadores contaminados, não causam efeitos deletérios à cultura. Contudo, para plena confiança nos resultados ora obtidos, há necessidade de condução de outros ensaios, inclusive com outras variedades, uma vez que na dose de 100 ml ha-1 observamos sintomas mais visíveis de fitotoxicidade do herbicida 2,4-D, bem como redução de porte da cultura.

Tabela 1. Descrição detalhada dos tratamentos.

Tabela 2. Produtividade de soja submetida a aplicação de DMA 806 BR em R1 e R2.

Informações do autores:     

1Pratec Assessoria Agroflorestal Ltda, Barra do Garças – MT.

Disponível em: Anais da XXXVI Reunião de Pesquisa de Soja. LONDRINA – PR, Brasil.

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA