Projeto Semente Forte visa avaliar, em laboratório, se as sementes apresentarão problemas durante a safra 2018/2019.

Os classificadores de grãos contratados pela Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso (Aprosoja) já estão em campo para coletar sementes de soja para a safra 2018/2019. A iniciativa faz parte do projeto da associação chamado Semente Forte.

No total, são seis profissionais homologados pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) que fazem a coleta em todas as regiões produtoras do Estado. Para ter validade e respaldo jurídico, caso necessário, as sementes devem ser recolhidas pelos profissionais no máximo em 10 dias, contados da chegada na fazenda, e seguir os parâmetros estabelecidos na legislação para acondicionamento de sementes, na fazenda.

Após a coleta, que deve seguir o padrão do Mapa, o material é remetido para o laboratório. A Aprosoja espera obter 500 amostras de sementes.

O objetivo do projeto é verificar, por meio de análise laboratorial, não apenas a qualidade intrínseca da semente, mas principalmente como as mesmas têm chegado até às propriedades rurais. “Nossa meta é entender se existem perdas durante o transporte da sementeira até o armazém do produtor ou em qual momento estas sementes podem estar perdendo qualidade”, explica o gerente de Defesa Agrícola da Aprosoja, Daniel Pasculli.


Confira a programação desse evento organizado pelo Mais Soja em parceria com o Programa de Educação Tutorial (PET) Agronomia da UFSM!


Com a pesquisa finalizada e de posse dos resultados, a ideia é elaborar material de orientação aos produtores rurais. “Outro objetivo é: orientar sobre armazenamento de semente na fazenda e como fazer para que sejam minimizadas as perdas, que refletem em produtividade e em economia”, completa Pasculli.

Mais informações – Os produtores rurais que tenha interesse em ter as sementes avaliadas devem entrar em contato com o setor de Defesa Agrícola da Aprosoja, por meio do telefone 65 3642-4215 ou e-mail defesa.agricola@aprosoja.com.br.

Fonte: Ascom Aprosoja

Texto originalmente publicado em:
Aprosoja/MT
Autor: Ascom Aprosoja

Nenhum comentário

Deixar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.