CBA – Agricultura Digital

575

Toda agricultura é uma revolução. E, como tal, muda a história. No  terceiro dia do 11° Congresso Brasileiro do Algodão (31/08), as inovações tecnológicas foram o centro de grande parte dos debates: desde as chamadas “tecnologias disruptivas”, cujo advento foi acelerado com a internet; até as transmissões via satélite e as descobertas nos campos genético e nanotecnológico, passando pela inteligência artificial. Mesmo práticas centenárias, como a rotação de cultura, que revolucionaram a agricultura e até hoje estão na base da sustentabilidade nas lavouras, foram revisitadas na programação. O 11°CBA é realizado pela Associação Brasileira dos Produtores de Algodão (Abrapa), e, nesta edição, reúne em torno de 1,2 mil pessoas na capital alagoana até a sexta-feira, 1° de setembro.

Para falar de agricultura digital, o Congresso colocou em plenária três das empresas mais emblemáticas quando o assunto é inovação. A John Deere, no evento representada pelo diretor de Inovação Tecnológica para a América Latina, Alex Foessel, a Monsanto/ The Climate Corporation, com a presença do líder da Climate para a América do Sul, Mateus Barros, e a brasileira Embrapa, com o chefe adjunto de Pesquisa e Desenvolvimento, Lúcio André de Castro Jorge. O painel foi mediado pela jornalista Maria Prata, apresentadora do programa Mundo S/A, da Globo News, que destacou a “nova revolução verde”, que tem entre as palavras-chave colaboraçãoconectividade e criatividade.

Um novo ambiente colaborativo entre as empresas desenvolvedoras de tecnologias em produtos e serviços tem permitido, segundo os participantes, entregar soluções cada vez mais precisas para os problemas da lavoura. Entre as novidades, tecnologias que se aprimoram, mas já vêm sendo largamente utilizadas na cultura do algodão, como máquinas que aplicam o insumo na quantidade certa para cada local – sem sobreposição do produto nas áreas já aplicadas –, variedades desenvolvidas em porte e tamanho ajustados aos equipamentos de colheita, integração entre máquinas entre si e destas com os escritórios, com informações e gerenciamento em dispositivos portáteis, como pads e telefones celulares.  O desafio, segundo os participantes, é customizar.

“O agricultor dos Estados Unidos, por exemplo, quer levar todas as informações do escritório para a máquina, enquanto o do Brasil quer que os escritórios tenham total acompanhamento das máquinas em operação. São perfis diferentes e o nosso desafio é atender a todas as demandas. Tecnologias são ferramentas, mas o que importa mesmo é o produto”, disse Foessel, que lembrou o impacto do georreferenciamento e do piloto automático nas inovações tecnológicas experimentadas atualmente no campo.

Só o começo

Monitoramento total das lavouras, com informações de clima, incidência de pragas, produtividade por talhão dentre outras, são serviços ofertados por empresas como a The Climate Corporation, startup adquirida pela Monsanto, para embasar as decisões do agricultor. “Todos os dados em um mesmo lugar, na palma da mão e disponíveis quando o produtor precisar; melhoria da gestão nas fazendas e produtividade sendo desvendada diariamente. Tudo isso é só o começo”, disse Mateus Barros.

“Tudo o que a gente faz em pesquisa e desenvolvimento é para um Brasil que avança, e que só é possível porque existe um ambiente de colaboração entre as empresas”, afirmou Lucio André, da Embrapa. Ele ressaltou que, se antes a falta de informação era um problema para o produtor rural, hoje o perigo é o excesso delas. “Diante disso, importa o processamento correto desses dados”, alertou.

A plenária contou com uma série de cases em vídeo, com startups do chamado “AgTech Valley”, em Piracicaba, fomentadas, principalmente, graças à produção científica e ao trabalho institucional da EsalqTec. O debate percorreu diversos assuntos, como big data, influência dos drones na agricultura atual e até ética, segurança dos dados e a responsabilidade, que cabe ao setor agrícola, de suprir a demanda mundial por alimentos e fibras para atender a uma população estimada em nove bilhões de pessoas em 2050, segundo a FAO.

Ao final, a mediadora Maria Prata revelou encantamento com o “admirável mundo novo” do agro. “Quando eu termino um programa Mundo S/A, e aprendo muito sobre um assunto, me dá vontade de fazer tudo de novo. Aqui foi a mesma coisa. Já quero saber mais e participar de outro debate assim. Esse é um Brasil que dá certo”, disse.

Fonte: ABRAPA

 

Texto originalmente publicado em:
ABRAPA
Autor: ABRAPA

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.