Cobalto e Molibdênio no solo e na planta

6614

Por: Gabriel Asa Corrêa Gruberger

  • Cobalto

O Co é considerado como elemento benéfico às plantas, pela maioria dos autores e citado como essencial por Malavolta (2006). O Co ativa diversas enzimas, dentre as quais, a isomerase da metilmalonil CoA, a qual participa da biossíntese dos núcleos pirrólicos. Também faz parte da estrutura da coenzima cobalamina e da vitamina B12 e é responsável pela síntese da enzima leghemoglobina, que participa da atividade dos nódulos (FAQUIN, 2005).

Segundo Aubert e Pinta (1980), o Co é encontrado em todas as rochas da crosta terrestre e o teor varia com a origem das mesmas, o que pode influenciar diretamente o nível do elemento no solo. Os teores de Co no solo variam de 1 a 40 mg.kg-1 e valores superiores podem ocorrer em solos originários de rochas ricas em minerais ferromagnesianos (CAMPO; HUNGRIA, 2002). Na litosfera, os teores de Co oscilam entre 10 e 40 mg.kg-1 (GOLDSCHIMIDT, 1954, apud JACINTHO, 1975; HODGSON, 1963, apud JACINTHO, 1975; MASON, 1971, apud JACINTHO, 1975). Apenas uma fração do Co total – dependendo do material de origem, pH, teor de argila e outros fatores – é disponível para as plantas (TISDALE; NELSON; BEATON, 1985). O nível crítico para deficiências em leguminosas está na faixa de 0,02-0,3 mg.kg-1. A disponibilidade é menor em pH baixo, havendo maior solubilização e lixiviação (MALAVOLTA, 1994).


Leia mais:       Enriquecimento de sementes de soja com cobalto e molibdênio

Estádio fenológico de aplicação visando a produção de sementes enriquecidas com Co e Mo


O comportamento do Co no solo se assemelha ao de outros metais pesados e, como o Fe, manganês (Mn) e zinco (Zn), ele tem uma forte tendência a formar quelatos, além de influenciar na absorção e comportamento dos metais pesados. Por esse motivo, altas concentrações de Co resultam em sintomas similares aos de deficiência de Fe e Mn em plantas (TISDALE; NELSON; BEATON, 1985). Haja vista a importância na FBN, a deficiência do Co pode resultar na deficiência de N, causando clorose generalizada, seguida de necrose nas folhas mais velhas (SFREDO; OLIVEIRA, 2010).

A absorção do Co pela planta se dá por fluxo de massa, principalmente na forma de Co2+, e a sua translocação na planta ocorre após formação de quelatos com ácidos orgânicos. Dessa forma, o Co é considerado pouco móvel com mobilidade média no floema (GEORGE; MARSCHNER; JAKOBSEN, 1995). Wiersma e Goor (1979) verificaram que a translocação do Co no floema de mamona (Ricinus communis) se deu em um complexo orgânico com carga negativa. Tiffin (1967) verificou que o Co é transportado, principalmente, como cátion Co2+ via xilema. Handreck e Riceman (1969) aplicaram Co marcado via pulverização foliar em trevos (Trifolium Subterraneum) e alfafa (Medicago sativa), verificando sua mobilidade moderada a partir das folhas.

  • Molibdênio

O molibdênio ocorre no solo como ânion de molibdato (MoO4-2), que é adsorvido por sesquióxidos e argilas. A concentração de Mo nos solos se apresenta, normalmente, entre 0,5 a 5,0 mg.kg-1, ocorrendo nas seguintes fases: solúvel na solução do solo; adsorvido na fração coloidal; retido na rede cristalina dos minerais primários; e quelado à matéria orgânica (MELLO et al., 1983). A disponibilidade do Molibdato é maior em solos neutros do que em solos ácidos, devido ao fato de sua adsorção ser máxima em pH 4 (MENGEL; KIRKBY, 1987).

A adição direta de adubo contendo Mo ao solo é, muitas vezes, ineficaz, pois sua disponibilidade decresce em função de níveis de pH mais ácidos (pH<5,5), resultado de sua adsorção aos óxidos de Fe e Alumínio (Al) (KAISER et al., 2005).

O Mo é considerado elemento essencial às plantas, sendo um dos elementos minerais requeridos em menor quantidade. Suas principais funções referem-se à participação na atividade respiratória e à influência na viabilidade do grão de pólen, além de ser componente da enzima nitrogenase, a qual é diretamente atrelada à FBN (FAQUIN, 2005).

O Mo é absorvido principalmente como Molibdato, via fluxo de massa. Nessa forma, é transportado pelo xilema, sendo que a sua absorção pode ser reduzida por efeitos de competição com o sulfato (SO4-2) e, por outro lado, estimulada por íons fosfato (PO4-3) (MENGEL; KIRKBY, 1987; TISDALE; NELSON; BEATON, 1985). As plantas, normalmente, requerem Mo em quantidades muito baixas, com níveis críticos de deficiência, entre 0,1 e 0,5 mg.kg-1 na matéria seca. Entretanto, com relação aos outros micronutrientes, as plantas podem tolerar altas concentrações de Mo, podendo chegar até 1000 mg.kg-1 de matéria seca (GEORGE; MARSCHNER; JAKOBSEN, 1995).

Fique ligado! Teremos mais informações sobre esse assunto

Fonte: Parte da Dissertação apresentada ao Centro de Energia Nuclear na Agricultura da Universidade de São Paulo para obtenção do título de Mestre em Ciências.

Autor: GRUBERGER, G. A. C. Enriquecimento de sementes de soja com cobalto e molibdênio. 2016. 75 p. Dissertação (Mestrado) – Centro de Energia Nuclear na Agricultura, Universidade de São Paulo, Piracicaba, 2016.

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.