O trabalho teve objetivo de avaliar o fungicida Procimidone, na formulação SC, no controle de S. sclerotiorum, em comparação à formulação WP e ao fungicida Fluazinam.

Autores: ITO, M.F.1; KAJIHARA, L.H.2; RECO, P.C.3; YUKI, V.A.1; GUARNIERI, C.C.O.2; PAES JUNIOR, R.2

Trabalho publicado nos Anais do evento e divulgado com a autorização dos autores.

O cenário das doenças na cultura da soja no Brasil vem se alterando a cada ano, com o aumento da severidade de algumas doenças, tanto da parte aérea, como as causadas por fungos habitantes do solo, e uma das doenças que se destaca é o mofo branco, causado por Sclerotinia sclerotiorum.

O fungo S. sclerotiorum é polífago e pode causar danos em muitas culturas. JACCOUD FILHO et al. (2017) citam autores que descrevem a ocorrência mundial em mais de 500 espécies de plantas hospedeiras.

Esse patógeno encontra-se disseminado no Brasil. MEYER et al. (2016) relatam que 7,7 milhões de ha de área de produção de soja, aproximadamente, encontram-se contaminados por S. sclerotiorum.

O controle de S. sclerotiorum nas culturas é dificultado pela falta de cultivares com resistência genética e a alta produção de estruturas de resistência do fungo nas plantas. Em situações favoráveis ao desenvolvimento da doença mofo branco, tem-se recorrido ao controle químico e biológico, normalmente.

O trabalho teve objetivo de avaliar o fungicida Procimidone, na formulação SC, no controle de S. sclerotiorum, em comparação à formulação WP e ao fungicida Fluazinam.

O trabalho foi realizado em casa-de-vegetação, laboratório e sala climatizada do Centro de Pesquisa de Fitossanidade/IAC/APTA/SAA, em Campinas, SP.

O experimento constou de 14 tratamentos preventivos e 14 tratamentos curativos, em delineamento experimental inteiramente ao acaso e quatro repetições. Cada repetição foi constituída de um vaso com substrato esterilizado e três plantas de soja cultivar NA 5909 RG, que foram desenvolvidas em casa-de-vegetação, até o estádio V3V4, quando foram transferidas à sala climatizada, com temperatura de 20 °C (± 2 °C). Os tratamentos encontram-se na Tabela 1.

Tabela 1. Nome comercial, concentração, formulação, grupo químico e dose em L ou Kg dos fungicidas, avaliados quanto ao controle do fungo Sclerotinia sclerotiorum em soja. IAC, Campinas, SP, 2018.

Para a inoculação, foi repicado um disco de 6 mm de diâmetro do fungo S. sclerotiorum, desenvolvido em meio de cultura BDA (Batata, Dextrose, Agar), em cada placa de Petri, contendo o meio de cultura BDA e cultivado em estufa incubadora, durante quatro dias,à temperatura de 20 °C (± 1 °C ). A inoculação foi segundo GARCIA et al. (2015), utilizando-se o método da ponteira de plástico, no pecíolo cortado da terceira folha trifoliada (Figura 1). A avaliação foi realizada tomando-se as medidas do comprimento das lesões nas hastes, aos sete dias após inoculação.

Figura 1. Inoculação de Sclerotinia sclerotiorum em soja cultivar NA 5909 RG, no pecíolo cortado da terceira folha trifoliada, pelo método da ponteira de plástico, segundo Garcia et al. (2015).

Os dados foram submetidos à análise de variância e teste F (p<0,05) e as médias foram comparadas pelo teste de Scott-Knott. Para análise, os dados foram transformados em  x + K.

Na Tabela 2 encontram-se as medidas das lesões causadas por S. sclerotiorum nas hastes das plantas, em todos os tratamentos e na Figura 2 encontram-se os sintomas observados nos tratamentos.

Tabela 2. Comprimento em cm da lesão causada em plantas de soja cultivar NA 5909 RG, por Sclerotinia sclerotiorum, nos tratamentos com os fungicidas Procimidone, em formulações SC e WP e Fluazinam SC, avaliados de forma preventiva e curativa, de 24 horas.

Figura 2. Sintomas de mofo branco em soja, cultivar NA 5909 RG, causados por Sclerotinia sclerotiorum, nos tratamentos com os fungicidas Procimidone, na formulação SC (A) e WP (B) e Fluazinam SC (C).

Na avaliação preventiva, o melhor controle foi proporcionado por todos os tratamentos com Procimidone, nas duas formulações e pelo Fluazinam na dose de 1 L.ha-1, dos produtos comerciais, e todos diferiram da testemunha. As outras doses de Fluazinam foram intermediárias.


Confira nossa galeria de cursos TOTALMENTE ONLINE! Agregue conhecimento, faça já


Na avaliação curativa, todos os tratamentos com Procimidone nas duas formulações e os tratamentos com Fluazinam nas doses de 0,8 L.ha-1 e 1 L.ha-1, do produto comercial, apresentaram melhor controle, diferindo da testemunha. Os tratamentos com Fluazinam nas doses de 0,7 L.ha-1 e 0,9 L.ha-1, do produto comercial, foram iguais ao tratamento testemunha. No trabalho de MEYER et al. (2017) os fungicidas Procimidone e Fluazinam destacaram-se no controle do mofo branco em soja, em condições de campo.

Concluiu-se que a formulação SC do fungicida procimidone (Rotaxil 500 SC) é semelhante à formulação WP (Sialex 500 WP) e proporciona bom controle do mofo branco em soja e que o fungicida Fluazinam (Frowncide 500 SC), na dose recomendada de 1 L.ha-1, também apresenta bom controle do mofo branco em soja.

Referências

JACCOUD FILHO, D.S.; NASSER, L.C.B.; HENNEBERG, L.; GRABICOSKI, E.M.G.; JULIATTI, F.C. Mofo-branco: introdução, histórico, situação atual e perspectivas. Cap. 1. In: Mofo branco. JACCOUD FILHO, D.S.; HENNEBERG, L.; GRABICOSKI, E.M.G. (Eds.). p. 29-73, 2017.

GARCIA, R.A.; MEYER, M.C.; ÁVILA, K.A.G.B.; CUNHA, M.G. Métodos de inoculação de Sclerotinia sclerotiorum para triagem de cultivares de soja resistentes ao mofo branco. Pesq. Agropec. Bras., Brasília, v.50, n.8, p.726-729, ago, 2015.

MEYER, M.C.; CAMPOS, H.D.; GODOY, C.V.; UTIAMADA, C.M.; PIMENTA, C.B.; JACCOUD FILHO, D.S.; BORGES, E.P.; JULIATTI, F.C.; NUNES JUNIOR, J.; CARNEIRO, L.C.; SILVA, L.H.C.P. da; SATO, L.N.; MADALOSSO, M.; GOUSSAIN, M.; MARTINS, M.C.; DEBORTOLI, M.P.; BALARDIN, R.S.; VENANCIO, W.S. Eficiência de fungicidas para controle de mofo-branco (Sclerotinia sclerotiorum) em soja, na safra 2015/2016: resultados sumarizados dos ensaios cooperativos. Londrina: Embrapa Soja, 2016. 5 p. (Embrapa Soja. Circular Técnica, 122).

MEYER, M.C; CAMPOS, H.D.; GODOY, C.V.; UTIAMADA, C.M.; PIMENTA, C.B.; JACCOUD FILHO, D.S.; BORGES, E.P.; JULIATTI, F.C.; NUNES JUNIOR, J.; CARNEIRO, L.C.; SILVA, L.H.C.P.; SATO, L.N.; GOUSSAIN, M.; MARTINS, M.C.; TORMEN, N.R.; BALARDIN, R.S.; VENANCIO, W.S. Eficiência de fungicidas para controle de mofo-branco (Sclerotinia sclerotiorum) em soja, na safra 2016/17: resultados sumarizados dos ensaios cooperativos. Londrina: Embrapa Soja, 2017. 6 p. (Embrapa Soja. Circular Técnica, 133).

Informações dos autores:  

Centro de Pesquisa de Fitossanidade – IAC/APTA/SAA, Campinas, SP;

Rotam do Brasil Ltda;

Centro de Pesquisa de Horticultura – IAC/APTA/SAA, Campinas,SP.

Disponível em: Anais do VIII Congresso Brasileiro de Soja. Goiânia – GO, Brasil.

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.