Controle químico com uso de glyfosato do Capim-navalha

286

Este trabalho foi conduzido com o objetivo de avaliar a susceptibilidade de capim-navalha a cinco doses de glifosato.

Autores:  Luciana Sônia da Silva1, Márlon Péterson Emerick Franco2, Fábio Régis de Souza3

Trabalho disponível nos Anais do Evento e publicado com o consentimento dos autores.

RESUMO

Dentre as gramíneas de pastagens, as plantas daninhas são as espécies mais desafiadoras para os pecuaristas, pois possuem a capacidade de interferir negativamente no desenvolvimento e na produtividade das culturas agrícolas, competindo diretamente por água, luz, nutrientes e espaço.

O capim-navalha (Paspalum virgatum) é considerado uma planta daninha altamente nociva, capaz de se propagar tanto por sementes quanto por estruturas vegetativas, por meio do fracionamento das touceiras, tornando difícil seu controle. Este trabalho foi conduzido com o objetivo de avaliar a susceptibilidade de capim-navalha a cinco doses de glifosato (0, 1, 2, 3 e 4 L ha-1) com quatro repetições. O delineamento experimental utilizado foi inteiramente casualizado, onde semeou-se, em média, 100 sementes por vaso numa profundidade de 3 cm.

O experimento foi conduzido em vasos de 3,8 L, mantidos em casa de vegetação. O solo utilizado foi escolhido de área sem ocorrência do capim-navalha, sendo o mesmo oriundo da camada de 0-20 cm de um Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico e peneirado em malha de 2,0 mm de diâmetro.

A semeadura ocorreu no dia 23 de fevereiro de 2016, sendo o desbaste realizado aos 27 dias após a mesma, deixando-se de 3 a 4 plantas vigorosas por vaso. As aplicações de glifosato ocorreram aos 54 dias após semeadura, quando as plantas apresentava, em média, 6 folhas completamente expandidas. Utilizou-se um pulverizador costal aplicando-se o volume de calda indicado pelo fabricante para as seguintes doses: 0 L ha-1 (testemunha), 1 L ha-1; 2 L ha-1; 3 L ha-1 e 4 L ha-1.

Os dados obtidos foram avaliados de forma descritiva aos 20 dias após aplicação, sendo utilizado como parâmetro o percentual de controle da planta daninha. Observou-se que todas as doses avaliadas apresentaram controle do capim-navalha. Na aplicação de 2 L ha-1, observou-se 100% de eficiência, caracterizando a senescência de todas as plantas daninhas.

Com a aplicação de 1 (50% a menos), 3 (50% a mais) e 4 (100% a mais) L ha-1, também apresentaram 100% de eficiência de controle, portanto, não há razão para a aplicação de tal concentração, visto que uma dose menor também apresentou a mesma proporção de eficiência que a dose recomendada (2 L ha-1).

Desta forma, conclui-se que a dose de 1 L ha-1 é a mais adequada para o controle de capim-navalha em áreas de pastagens.

Palavras-chave: Paspalum virgatum, Pastagem, Herbicida.

Informações do autores:     

1 Graduanda em Agronomia – UNR, Campus Rolim de Moura – RO;

2 Engenheiro Agrônomo pela Universidade Federal de Rondônia – UNR, Campus Rolim de Moura – RO;

3 Professor Adjunto da Universidade Federal de Rondônia – UNIR, Campus Rolim de Moura, RO.

Disponível em: Anais do II Simpósio Nacional sobre Plantas Daninhas em Sistemas de Produção Tropical, Alta Floresta – MT , Brasil.

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.