O objetivo desse trabalho foi avaliar a eficiência do Rinskor no controle pós-emergente de Echinochloa crus-galli, Echinochloa colona e Urochloa plantaginea.

Autores: Angela Bundt1, Rogério Rubin1, Rodrigo Neves1, Felipe Daltro1, Nelson Carranza2

Trabalho publicado nos Anais do evento e divulgado com a autorização dos autores.

Introdução

As gramíneas são as plantas daninhas de mais difícil controle na cultura do arroz irrigado, pois possuem características morfofisiológicas muito similares as plantas de arroz. Dentre elas, destacam-se o gênero Echinochloa e a espécie Urochloa plantaginea por infestarem lavouras em praticamente todas regiões orizícola brasileiras. Além disso, foram identificados biótipos de Echinochloa crus-galli resistentes aos inibidores da ALS e herbicida quincloraque, diminuindo as opções para controle químico. Rinskor é um novo herbicida arilpicolinato pertencente ao mecanismo de ação das auxinas sintéticas que está sendo desenvolvido para uso global em arroz e outros cultivos.

RinskorTM active é um novo herbicida arilpicolinato pertencente ao mecanismo de ação das auxinas sintéticas que está sendo desenvolvido pela Corteva para uso global em arroz e outros cultivos. Tal herbicida é eficiente no controle de diversas gramíneas, ciperáceas e latifoliadas resistentes ou não, sendo seletivo ao arroz irrigado mostrando-se uma excelente alternativa para uso nessa cultura. Rinskor (25 g i.a./L) é uma formulação NeoEC que dispensa o uso de adjuvantes e que pode auxiliar no manejo de plantas daninhas, devido ao seu alternativo mecanismo de ação hoje pouco usado na cultura do arroz irrigado.

O objetivo desse trabalho foi avaliar a eficiência do Rinskor no controle pós-emergente de Echinochloa crus-galli (ECHCG), Echinochloa colona (ECHCO) e Urochloa plantaginea (BRAPL).

Material e métodos

Foram testadas doses de Rinskor (20, 25, 30, 35 e 40 g i.a./ha), comparadas com os herbicidas Penoxsulam e Cialofope-butílico nas doses 42 e 360 g i.a./ha, respectivamente. Realizou-se 10 experimentos à campo em diferentes regiões orizícola do RS.

A aplicação foi feita em pós emergência antes da entrada d’água, que foi estabelecida de 1 a 5 dias após a aplicação dos herbicida se as avaliações de seletividade da cultura e controle de plantas daninhas as 15,30 e 45 dias.

Resultados e discussão

Os resultados mostraram que Rinskor controlou eficientemente todas as espécies avaliadas, incluindo biótipos resistentes a ALS – representado pelo baixo controle proporcionado pelo Penoxsulam.

Tabela 1: Percentagem de controle das gramíneas avaliadas obtidos aos 30 DAA na média dos dez experimentos em resposta aos tratamentos herbicidas aplicados.Conclusão 

Os resultados mostraram que Rinskor controlou eficientemente todas as espécies avaliadas, incluindo biótipos resistentes a ALS – representado pelo baixo controle proporcionado pelo Penoxsulam. A dose 30 g i.a./ha foi suficiente para controle de E. crus-galli, E. colona e U. plantaginea, sendo estaticamente superior aos herbicidas Penoxsulam e Cialofope-butílico. Todas as doses avaliadas foram seletivas a cultura do arroz irrigado.

Informações dos autores:  

1Corteva AgriscienceTM, Divisão Agrícola da DowDupontTM, São Paulo/Brazil;

2Corteva AgriscienceTM, Bogotá, Colômbia.

Disponível em: Anais do XXXI Congresso Brasileiro da Ciência das Plantas Daninhas 2018. Rio de Janeiro- RJ.

Nenhum comentário

Deixar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.