Eficiência e praticabilidade agronômica de fungicidas no controle de Phakopsora pachyrhizi na cultura da soja

3271

Objetivou-se neste trabalho avaliar a eficácia de fungicidas no controle da ferrugem na cultura da soja.

Autores:     M.A. OLIVEIRA FILHO1,2; A.B.O. BARBOZA1,2; B.F. SOUSA1,2; H.S. RAMOS1,2; L. dos S. NASCIMENTO1,2; M.M. ARAÚJO1,2; N.R.S. ZACARIAS1,2; R.F. DOMINGUES1,2; T.P. MORAIS1,3; F.C. JULIATTI1,4.

Trabalho disponível nos Anais do Evento e publicado com o consentimento dos autores.

Resumo

Cerca de 40 doenças limitam a produtividade da soja no Brasil. Dentre elas, destaca-se a ferrugem asiática, causada pelo fungo Phakopsora pachyrhizi. Objetivou-se neste trabalho avaliar a eficácia de fungicidas no controle da ferrugem na cultura da soja.

O experimento foi conduzido a campo nas coordenadas 18º57’34’’S e 48º12’3’’W na safra 2015/2016. O delineamento experimental foi de blocos ao acaso, com 11 tratamentos e quatro repetições. Os tratamentos consistiram de três aplicações de combinações de produtos com diferentes ingredientes ativos. Os produtos foram à base de trifloxistrobina + protioconazol, ciproconazol + trifloxistrobina, azoxistrobina + benzovindiflupyr e propinebe, pulverizados isolados ou em combinação.

Avaliou-se a severidade da doença, o nível de fitotoxicidade dos fungicidas e a produtividade de grãos. Após análise de variância os dados foram comparados pelo teste de Scott-Knott a 5% de probabilidade. Observou-se que a testemunha (sem pulverização) atingiu severidade próxima a 100%, enquanto os tratamentos com fungicidas apresentaram eficácia superior a 80% no controle da ferrugem, independente do produto ou da sequência de aplicação. Nenhum produto estudado causou toxicidade à cultura da soja a ponto de influenciar negativamente na produtividade de grãos.

Concluiu-se que o manejo químico da ferrugem asiática é uma estratégia efetiva e que o melhor posicionamento do fungicida protetor propinebe (2kg ha-1) é no estádio R3 da cultura da soja aplicado conjuntamente com trifloxistrobina + protioconazol (0,4L ha-1).

Palavras-chave: Ferrugem asiática; Glycine max; Controle químico.

Informações dos autores:

1Laboratório de Micologia e Proteção de Plantas da Universidade Federal de Uberlândia (UFU);

2Estudante de Graduação, Agronomia, UFU;

3Pós-doutoranda, PNPD/CAPES;

4Professor Titular, UFU.

Disponível em: Anais do 50º Congresso Brasileiro de Fitopatologia, Uberlândia – MG, Brasil.

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA