Erosão Hídrica e manipulação do sentido de semeadura em soja

98

Autores: LÓPEZ MORILLO BARROS C.S.1; SPERANZA F.C.1
1. INTA EECT Yuto. lopezmorillo.carlos@inta.gob.ar

Introdução:

As mudanças de uso da terra através de cultivos extensivos de sequeiro,como soja causou mudanças na hidrologia superficial dos solos (Brown, 2007).

A semeadura direta permite amortecer o impacto da chuva, mas sem o uso de técnicas complementares, como a utilização de curvas de níveis para  escoamento , os lotes de soja na província do Chaco, Argentina, estão expostos a processos de erosão hídrica.

Uma das alternativas para a diminuição da erosão superficial é a adaptação do sentido das linhas de semeadura, o que foi avaliado no presente trabalho.

Materiais e métodos:

Se instalaram parcelas com escorrimento de chuva natural (15m x 4m) em uma área de soja durante a safra 16/17, localizada em Las Sierras de San Antonio, Gral, localidade Ballivian, departamento de San Martín – Salta.

As parcelas tiveram dois tratamentos e três repetições. Os tratamentos foram semeadura direta da soja em favor do declive e  semeadura direta de soja cortando a inclinação. Após cada evento de chuva, 1% do volume de escoamento era coletado. No laboratório, os sedimentos extraídos foram pesado por meio de balança analítica.

Resultados:

O gerenciamento em linhas de contorno diminuiu em mais de 50% as perdas de solo. Esta técnica também aumentou em 8% o rendimento e em 10% o peso variável de sementes representando diferenças significativas para a qualidade do grão.

 

 

 

 

 

 

 

Conclusão:

Enfatizamos a importância de implementar a gestão que nos permitir o controle de processos de degradação irreversível do solo, como erosão hídrica, e alcançar melhorias na produção e  na rentabilidade.

Fonte: Adaptado de INTA Argentina

Tradução: Equipe Mais Soja

Texto originalmente publicado em:
INTA Argentina
Autor: Inta

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.