Fotossíntese, transpiração e eficiência do uso da água de plantas de sojas submetidas à doses crescentes de magnésio

3173

Objetivou-se estudar o comportamento da fotossíntese, transpiração e eficiência do uso da água de plantas de soja em função à doses crescentes de magnésio.

Autores: Luiz Fernando Favacho MORAIS FILHO1; Mila Façanha GOMES2; Adrianne Braga da Fonseca3; Ana Renata Abreu de Moraes4; Maynara Santos GOMES5; Pedro Henrique Costa de Miranda 6

Trabalho publicado nos Anais do evento e divulgado com a autorização dos autores.

Introdução

A soja (Glycine max (L.) Merrill) vem apresentando grande importância na produção de grãos no estado do Pará, porém, muitos estudos ainda são necessários para incrementar sua produtividade e performance.

O magnésio é um macronutriente e desempenha várias funções na planta, seja estrutural ao compor a molécula de clorofila, ou enzimática, atuando como ativador enzimático. Apesar de sua importância, poucos estudos são realizados a fim de compreender melhor os efeitos do magnésio na planta de soja. Objetivou-se, então, estudar o comportamento da fotossíntese, transpiração e eficiência do uso da água de plantas de soja em função à doses crescentes de magnésio.

Material e Métodos

O experimento foi conduzido em casa de vegetação na UFRA – Belém. O solo foi analisado quimicamente afim de corrigi-lo e adequá-lo para a cultura da soja. Foram mantidas três plantas de soja por vaso. Toda a correção de solo foi feita utilizando reagentes. A irrigação foi monitorada e realizada com água destilada diariamente com o auxílio de uma balança digital.

O delineamento experimental adotado foi blocos ao acaso, assumindo o esquema 5×8, utilizando-se cinco doses de Mg (0kg ha-1; 30kg ha-1; 60kg ha-1; 90kg ha-1 e120kg ha-1), adotando oito repetições. P.A. Os parâmetros fisiológicos foram lidos através do equipamento IRGA LI-6400 XT onde, avaliou-se: fotossíntese líquida, transpiração e eficiência do uso da água, e, as leituras foram feitas aos 30 dias após a semeadura. Os valores obtidos nas leituras e nas mensurações foram submetidos a análises de regressão, e, sua significância verificada a partir do teste F.

Resultados e Discussão

A fotossíntese em função das doses de magnésio se ajustou melhor ao modelo quadrático, apresentando significância pelo teste F e R² = 0.690 e, percebe-se o incremento em fotossíntese ao longo das aplicações de magnésio. A transpiração, por sua vez, não foi significativa, ou seja, não sofreu influência das doses de magnésio, visto que os dados não se ajustaram à regressão, segundo o teste.

Os resultados para variável eficiência do uso da água se ajustaram melhor ao modelo quadrático crescente, apresentando significância e R² = 0.989, de modo que o aumento das doses de magnésio influenciaram positivamente seus valores.

Conclusões

As doses crescentes de magnésio agiram positivamente sobre a fotossíntese e eficiência do uso da água, e, não influenciou na transpiração.

Palavras-chave: Macronutriente, adubação, grãos

Apoio financeiro: CNPq, UFRA, Juparanã.

Informações dos autores:  

(1) Estudante de Mestrado; Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” – UNESP/FCAV; Jaboticabal, SP;

(2) Estudante de Mestrado, Universidade Federal Rural da Amazônia – UFRA; Belém, PA

(3) Estudante de Graduação; UFRA, Belém, PA;

(4) Estudante de Mestrado; UFRA; Belém, PA;

(5) Estudante de Mestrado; UFRA; Belém, PA.

(6) Estudante de Graduação; UFRA; Belém, PA.

Disponível em: Anais do XXXVI Congresso Brasileiro de Ciência do Solo, Belém – PA, Brasil,2017.

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.