Influência da matocompetição na produtividade da cultura da soja

O trabalho teve como objetivo estudar a influência do período de competição das plantas daninhas sobre o parâmetro de produtividade na cultura da soja.

Autores: Emerson Oliveira Souza1, Fábio Lucas de Mattia2, Jhessicaline Leite Pinto2, Luciana Sônia da Silva2, Melissa da Silva Pereira2, Ramom Antônio de Souza2 e Fábio Régis de Souza3

Trabalho disponível nos Anais do Evento e publicado com o consentimento dos autores.

RESUMO

A cultura da soja vem tornando-se cada vez mais abrangente no contexto agrícola do estado de Rondônia, junto a isso as práticas culturais de controle de plantas daninhas são imprescindíveis para atingir bons resultados.

Com isso o trabalho teve como objetivo estudar a influência do período de competição das plantas daninhas sobre o parâmetro de produtividade na cultura da soja. O experimento foi instalado na Fazenda Experimental da Fundação Universidade Federal de Rondônia, Campus Rolim de Moura, sob coordenadas 11º 34’ 58,52’’ S e 61º 46’ 14,45’’ W, com 277 metros de altitude.

O clima local, segundo Köppen, é classificado como tropical quente e úmido. O solo é classificado como Latossolo Vermelho Amarelo distrófico, e foi preparado com uma gradagem pesada e outra niveladora.

Conduzido por delineamento em blocos ao acaso com quatro repetições, onde os tratamentos foram diferentes períodos de convivência da soja com plantas daninhas: competição contínua (CC), competição nos 20 primeiros dias (C20), competição nos primeiros 40 dias (C40), livre de competição até os 20 dias (L20), livre de competição até os 40 dias (L40) e livre de competição (LC). Analisado a produtividade da cultura. Os resultados foram submetidos a análise de variância e teste de skott knott à 5% de probabilidade.

Os períodos de convivência da soja com plantas daninhas apresentaram efeito significativo para o tratamento CC com produtividade média de 2150,43 kg ha-1, comparando com o tratamento LC (5415,65 kg ha-1) que não diferiu significativamente dos tratamentos C20, C40, L20 e L40, apresentou uma produtividade 152% maior que o tratamento com competição contínua.

Palavras-chave: Glycine max, Plantas Daninhas, Interferência.

Informações do autores :     

1Acadêmicos do curso de Agronomia pela Fundação Universidade Federal de Rondônia, Campus Rolim de Moura – RO;

2Graduando em Agronomia – UNIR, Rolim de Moura – RO;

3Professor Dr. da Fundação Universidade Federal de Rondônia, Campus Rolim de Moura – RO.

Disponível em: Anais do II Simpósio Nacional sobre Plantas Daninhas em Sistemas de Produção Tropical, Alta Floresta – MT , Brasil.

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.