Preocupação no estado é com o forte intercâmbio do agronegócio com países fronteiriços com estados vizinhos

O ministro interino, Eumar Novacki, recebeu hoje, (19), na sede do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), o governador de Santa Catarina, Eduardo Pinho Moreira, que pediu que o ministério dê especial atenção às necessidades aduaneiras e de cuidados sanitários no estado sulista.

Pinho demandou que o MAPA dê celeridade aos despachos aduaneiros em Santa Catarina, no trecho em que o estado faz fronteira com a Argentina, para escoar as compras de milho daquele país e principalmente do Paraguai. E que Santa Catarina não corra o risco de perder o status de Zona Livre de Febre Aftosa sem vacinação, que o estado conquistou em 2007, em função de eventuais problemas com a doença com estados vizinhos.


Informação de qualidade e de fácil acesso? A resposta é uma só: Mais Soja Cursos!


Novacki disse que uma força tarefa será montada na zona aduaneira de Santa Catarina, próxima a Argentina e ao Paraguai, dentro da estratégia do ministério de atender casos emergenciais para dar agilidade à fiscalização. Novacki assegurou, também, que Santa Catarina não corre risco de perder a certificação de Zona Livre de Febre Aftosa sem vacinação.

O diretor do Departamento de Saúde Animal da Secretaria de Defesa Agropecuária do MAPA, Guilherme Marques, lembrou ao governador e comitiva que os estados do Rio Grande do Sul, Paraná, Mato Grosso do Sul e Mato Grosso, deverão retirar a vacina contra a febre aftosa até 2021. E que o certificado de Santa Catarina, como estado livre da aftosa sem vacinação, está depositado na OIE (Organização Internacional de Saúde Animal) desde 2007. “Por isso, mesmo que, eventualmente, ocorra um foco da doença em estado vizinho, Santa Catarina estaria protegida pelo fato de já deter tal certificação”.

O Paraguai tem um excedente de produção de 3 milhões de toneladas de milho e Santa Catarina é grande comprador desse insumo, que serve como alimento para frangos e suínos, cujas carnes são processadas nos frigoríficos catarinenses. Cerca de 2 mil caminhões por dia carregados com milho chegarão ao estado, a partir de agosto, com carregamento vindos da Argentina e, principalmente, do Paraguai.

O agronegócio responde por cerca de 30% do Produto Interno Bruto (PIB) catarinense, daí a importância das medidas anunciadas pelo MAPA para a economia do estado.

Fonte: Mapa

Texto originalmente publicado em:
Mapa
Autor: Mapa

Nenhum comentário

Deixar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.