Monitoramento dos focos de ferrugem-asiática na cultura da soja na safra 2016-2017 no município de Jataí, GO

149

Foram recebidas 213 amostras, provenientes de 42 propriedades pertencentes a 20 agricultores.

Autores: L.C.CARNEIRO1; D.K.F.SANTOS1; J.D.Q.MORAES1; R.O.B.ARAÚJO1; A.R.VILELA2; C.G.O.MATTOS1; H.J.R.MOREIRA1; G.C.ALMEIDA1; V.H.A.HOFF BRAIT1; T.S.LEAL1.

Trabalho disponível nos Anais do Evento e publicado com o consentimento dos autores.

Resumo

O monitoramento dos focos de Ferrugem-asiática tem como objetivo a prevenção de um cenário de antecipação da doença. No município de Jataí o serviço de monitoramento funciona desde o ano de 2002, mas nos últimos anos quase não houve procura.

A razão é o escape da doença em função do Vazio Sanitário e da concentração da semeadura na primeira quinzena de outubro, garantindo a segunda safra de milho. Esse panorama tem levado os agricultores à falsa impressão de que a doença “perdeu” a importância. A UFG, em parceria com o Sindicato Rural de Jataí, passou a incentivar a participação dos agricultores no monitoramento, que foi iniciado no dia 11 de Novembro de 2016.

Amostras de folhas foram encaminhadas à sede do Sindicato Rural e, nesse mesmo local, numa sala adaptada com lupas, alunos do curso de Agronomia fizeram a observação de todas as folhas das amostras enviadas. Foram recebidas 213 amostras, provenientes de 42 propriedades pertencentes a 20 agricultores. O primeiro foco da doença foi observado no dia 10 de janeiro de 2017, numa área comercial próxima ao limite urbano.

Depois da divulgação do primeiro foco da doença, houve um aumento pequeno na procura pelo serviço e mais 5 focos foram detectados, mas já com as lavouras em fase final do ciclo. O número de amostras recebidas pelo programa foi considerado muito baixo em relação à extensa área cultivada no município e região. Não foi recebida nenhuma amostra de lavoura em fase inicial de desenvolvimento, de forma a cumprir com o objetivo que é detectar eventual antecipação do desenvolvimento do patógeno.

Todas as amostras recebidas foram provenientes de áreas onde pelo menos a primeira pulverização já havia sido realizada e a expectativa dos agricultores era saber se o fungicida empregado estava sendo eficiente, resposta essa que esse serviço não oferece.

Palavras-chave: Phakopsora pachyrhizi; Glycine max; Controle da Ferrugem-asiática.

Informações dos autores:

1Unidade Especial de Ciências Agrárias, Universidade Federal de Goiás;

2Sindicato Rural de Jataí.

Disponível em: Anais do  50º Congresso Brasileiro de Fitopatologia, Uberlândia – MG, Brasil.

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA