Número de produtores orgânicos no País cresce 51%

227

A adesão dos agricultores brasileiros à produção orgânica de alimentos cresceu 51% entre janeiro de 2014 e janeiro de 2015. A quantidade de produtores que optaram por esse caminho no período saltou de 6.719 para 10.194. As regiões onde há maior concentração são o Nordeste, com pouco mais de 4 mil, seguido de Sul (2.865) e Sudeste (2.333). As informações são do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa). As unidades de produção também tiveram aumento significativo. Passaram de 10.064 em janeiro de 2014 para 13.323 em janeiro deste ano, ou seja, um acréscimo de 32%. É importante ressaltar que cada produtor orgânico pode ter mais de uma unidade Número de produtores orgânicos no País cresce 51% de produção.

Por região, o Nordeste é o líder, com 5.228 unidades de produ- ção, seguido do Sul (3.378) e do Sudeste (2.228). No Norte, foram contabilizadas 1.337 unidades e no Centro-Oeste, 592. A área total de produção orgânica no Brasil já chega a quase 750 mil hectares. O Sudeste é a região com maior área produtiva, chegando a 333 mil hectares. Em seguida, estão as regiões Norte (158 mil hectares), Nordeste (118,4 mil hectares), Centro-Oeste (101,8 mil hectares) e Sul, com 37,6 mil hectares. Rogério Dias, coordenador de agroecologia da Secretaria de Desenvolvimento Agropecuário e Cooperativismo do Mapa, explica que esses sistemas buscam viabilizar a produção de alimentos e outros produtos de forma mais saudável e harmônica com a natureza. “A produção orgânica amplia a capacidade dos espaços produtivos de cumprirem suas funções ecossistêmicas, tão importantes para todos os habitantes do planeta, o que contribui para o enfrentamento de problemas cada vez mais visíveis por todos, como o aquecimento global e a escassez de água”, aponta.

Fonte: Agropecuária Catarinense, Florianópolis, v.28, n.2, ago.2015/dez.2015

экологически читыеnorth miami house for rentсмотреть видео укладка ламинатапаркета укладкаapartments for sale in hallandale beach fl

Texto originalmente publicado em:
Revista Agropecuária Catarinense
Autor: Equipe Editorial

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA