Plantio direto do milho safrinha sobre resíduos culturais de diferentes misturas de plantas de cobertura

O objetivo deste estudo foi avaliar a produção de milho safrinha cultivado sobre misturas de plantas de cobertura numa área de plantio direto.

Autores :   Amanda Yamada TAMBURÚS(1); José Luiz Rodrigues TORRES(2); André Luís Benaventana LEAL JUNIOR(1); Ricardo de Oliveira PAROLINI(1); Rogério Luiz BARBIAN JUNIOR(1); Lucas Gabriel Bueno ALVES(1)

Trabalho publicado nos Anais do evento e divulgado com a autorização dos autores.

Introdução

A expansão do sistema de plantio direto (SPD) no cerrado brasileiro foi dificultada pela produção e manutenção da cobertura do solo ao longo do ano, devido principalmente as altas temperaturas e precipitações pluviométricas que ocorrem na região, que aceleram a decomposição da matéria orgânica.

Algumas plantas de cobertura vêm sendo utilizadas com mais frequência nas rotações de culturas no SPD, incorporando vantagens ao sistema, dentre elas, as braquiárias, crotalárias e milhetos tem se destacado, geralmente cultivadas de forma isolada, antecedendo ou em sucessão a cultura comercial, entretanto, as misturas destas plantas são pouco utilizadas, pois não se sabe ainda as vantagens que podem proporcionar ao sistema.

Neste contexto, o objetivo deste estudo foi avaliar a produção de milho safrinha cultivado sobre misturas de plantas de cobertura numa área de plantio direto. O estudo foi conduzido num Latossolo Vermelho distrófico, com textura média, em uma área há dois anos em SPD.

Material e Métodos

O delineamento utilizado foi de blocos ao acaso, onde os tratamentos foram avaliados quatro misturas de plantas: 1 – Milheto + Braquiária (M + B); 2 – Milheto + Crotalária (M + C); 3 – Crotalária + Braquiária (C + B); 4 – Milheto + Crotalária + Braquiária (M + C + B), em parcelas de 50 m2 (5 x 10 m), com 4 repetições.

Foi avaliada a biomassa verde (BV) e seca (BS) das coberturas em áreas de 2,0 m2 por parcela, o rendimento do milho, o peso de 100 grãos, peso do sabugo e palha foi avaliado nas quatro linhas centrais de cada parcela. Os resultados foram submetidos à análise de variância, aplicou-se o teste F para significância e as médias foram comparadas pelo teste Scott-Knott (p<0,05).

Resultados e Discussão  

A produção de BV e BS foi elevada para todas as misturas de plantas estudadas, que foram estatisticamente iguais, apresentando o valor de M + C + B (47,1 e 13,34 t ha-1), M + C (46,9 e 15,3 t ha-1), B + M (43,3 e 11,4 t ha-1) e B + C (40,8 e 11,1 t ha-1), respectivamente.

Com relação ao rendimento do milho, o comportamento foi diferente, pois as maiores produções ocorreram onde havia a presença de uma Fabácea na mistura, onde a produtividade foi estatisticamente igual nos tratamentos M + C + B (10,7 t ha-1), B + C (10,6 t ha-1) e M + C (10,2 t ha-1), que foram superiores (p<0,05) a mistura B + M (7,64 t ha-1), que comprova a importância da fixação biológica de nitrogênio e sua posterior disponibilização para a cultura do milho. Para os parâmetros morfológicos (peso sabugo, da palha e de 100 grãos), não houve diferenças entre os tratamentos.

Conclusões

A produtividade do milho é influenciada positivamente pela cultura antecessora, que é superior quando se tem uma Fabacea na mistura das plantas de cobertura.

Palavras-chave: semeadura direta, biomassa vegetal, rotação de culturas.

Apoio financeiro: FAPEMIG, CNPq, IFTM Campus Uberaba.

Informações dos autores: 

(1)Graduando em Agronomia pelo Instituto Federal do Triângulo Mineiro/IFTM; Uberaba, MG;

(2)Professor Titular Dr. do IFTM Campus Uberaba, MG.

Disponível em: Anais do  XXXVI Congresso Brasileiro de Ciência do Solo,  Belém – PA, Brasil,2017.

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.