Potencial fisiológico de sementes de soja em resposta à redução da densidade de semeadura

304

O objetivo foi avaliar se a redução da densidade de semeadura altera o potencial fisiológico das sementes produzidas, em duas cultivares de soja de crescimento indeterminado

Autores: FERREIRA, A. S.; ZUCARELI, C.; BALBINOT JUNIOR, A. A.; WERNER, F.

Trabalho disponível nos Anais do Evento e publicado com o consentimento dos autores.

RESUMO: Em culturas com alta plasticidade como a soja, a redução da densidade de semeadura pode ser uma alternativa para mitigar os impactos do elevado custo de sementes e seu tratamento químico no custo de produção da soja, obtendo-se altas produtividades, com densidades de semeadura abaixo das faixas recomendadas. No entanto, as modificações morfofisiológicas provocadas pela redução da densidade podem afetar o potencial fisiológico das sementes produzidas.

O objetivo foi avaliar se a redução da densidade de semeadura altera o potencial fisiológico das sementes produzidas, em duas cultivares de soja de crescimento indeterminado. As cultivares foram semeadas em parcelas de 50 m2, sob delineamento de blocos casualizados, em esquema fatorial 2 x 5, com cinco repetições, sendo duas cultivares (BRS 1010 IPRO e NS 5959 IPRO) e cinco densidades de semeadura (100, 80, 60, 40 e 20% da densidade recomendada para a cultivar).

As plantas foram colhidas e trilhadas manualmente. Foram realizados os seguintes testes: germinação, primeira contagem da germinação, comprimento e massa seca de plântulas, condutividade elétrica e envelhecimento acelerado. Os dados foram submetidos à análise de variância e as médias das cultivares foram comparadas pelo teste F. Para as densidades de semeadura realizou-se análise de regressão.

A porcentagem e a velocidade de germinação foram pouco influenciadas pela densidade de semeadura. A redução da densidade também apresentou pouca influência sobre o comprimento sem alterar a massa seca de plântulas. A redução da densidade proporcionou aumento da condutividade elétrica.

A deterioração pelo envelhecimento acelerado foi mais acentuada nas sementes de 20% e 100% da densidade recomendada.

Tais resultados demonstram que a redução da densidade de semeadura para até 40% da faixa recomendada, não proporciona alterações significativas no potencial fisiológico das sementes produzidas.

Palavras-chave: Glycine max (L.) Merril, vigor, população de plantas, arranjo de plantas

Informações dos autores:

Universidade Estadual de Londrina.

Disponível em: Anais do  XX Congresso Brasileiro de Sementes, Foz do Iguaçu, PR, Brasil, 2017.

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.