Potencial fisiológico de sementes de soja em resposta à redução da densidade de semeadura

124

O objetivo foi avaliar se a redução da densidade de semeadura altera o potencial fisiológico das sementes produzidas, em duas cultivares de soja de crescimento indeterminado

Autores: FERREIRA, A. S.; ZUCARELI, C.; BALBINOT JUNIOR, A. A.; WERNER, F.

Trabalho disponível nos Anais do Evento e publicado com o consentimento dos autores.

RESUMO: Em culturas com alta plasticidade como a soja, a redução da densidade de semeadura pode ser uma alternativa para mitigar os impactos do elevado custo de sementes e seu tratamento químico no custo de produção da soja, obtendo-se altas produtividades, com densidades de semeadura abaixo das faixas recomendadas. No entanto, as modificações morfofisiológicas provocadas pela redução da densidade podem afetar o potencial fisiológico das sementes produzidas.

O objetivo foi avaliar se a redução da densidade de semeadura altera o potencial fisiológico das sementes produzidas, em duas cultivares de soja de crescimento indeterminado. As cultivares foram semeadas em parcelas de 50 m2, sob delineamento de blocos casualizados, em esquema fatorial 2 x 5, com cinco repetições, sendo duas cultivares (BRS 1010 IPRO e NS 5959 IPRO) e cinco densidades de semeadura (100, 80, 60, 40 e 20% da densidade recomendada para a cultivar).

As plantas foram colhidas e trilhadas manualmente. Foram realizados os seguintes testes: germinação, primeira contagem da germinação, comprimento e massa seca de plântulas, condutividade elétrica e envelhecimento acelerado. Os dados foram submetidos à análise de variância e as médias das cultivares foram comparadas pelo teste F. Para as densidades de semeadura realizou-se análise de regressão.

A porcentagem e a velocidade de germinação foram pouco influenciadas pela densidade de semeadura. A redução da densidade também apresentou pouca influência sobre o comprimento sem alterar a massa seca de plântulas. A redução da densidade proporcionou aumento da condutividade elétrica.

A deterioração pelo envelhecimento acelerado foi mais acentuada nas sementes de 20% e 100% da densidade recomendada.

Tais resultados demonstram que a redução da densidade de semeadura para até 40% da faixa recomendada, não proporciona alterações significativas no potencial fisiológico das sementes produzidas.

Palavras-chave: Glycine max (L.) Merril, vigor, população de plantas, arranjo de plantas

Informações dos autores:

Universidade Estadual de Londrina.

Disponível em: Anais do  XX Congresso Brasileiro de Sementes, Foz do Iguaçu, PR, Brasil, 2017.

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA