Produtores do RS colhem o trigo com umidade acima do ideal para diminuir riscos de perdas pelas chuvas

263

Houve avanço significativo na colheita, embora os produtores tenham optado por colher a cultura com umidade acima do ideal para diminuir as perdas provocadas pelas chuvas. Nesse cenário a colheita alcança 40% do total semeado, tendo ainda 48% de lavouras maduras. Há relatos de produtores que, para acelerar o processo, colheram a cultura com umidade próxima a 20%.

No momento é grande a variação na produtividade obtida, assim como na qualidade, demonstrando que os efeitos das geadas e das chuvas foram muito irregulares. Com o avanço da colheita e a continuidade da umidade excessiva, a qualidade do produto está cada vez mais baixa, e várias lavouras não atingem o padrão mínimo exigido para comercialização visando ao consumo humano. Devido à má-formação dos grãos, o produto obtido apresenta elevado percentual de impurezas. As lavouras colhidas no final de setembro e nos primeiros dias de outubro apontaram para uma produtividade que variou de 40 a 60 sacas por hectare, com uma qualidade considerada boa de trigo tipo Pão, com pH em torno de 78 a 80.

Entretanto, as lavouras colhidas na última semana, depois das intensas chuvas, tiveram redução na qualidade do grão, com pH abaixo de 68 e germinação do grão na espiga, assim como redução na produtividade que, em alguns casos, alcança somente 15 sacas por hectare.No momento é prematura qualquer inferência sobre o tamanho da safra que será colhida.

O que é certo é que se repete, este ano, a mesma frustração de colheita registrada na safra passada, o que poderá se refletir em uma provável redução da área para a próxima safra de 2016.

Fonte: EMATER/RS

ноутбук асус купить киевблагоустройство территории детского садаЗарядные устройства Для телефонов и планшетовsingapore escotsвсе харьковские учебные заведения

Texto originalmente publicado em:
EMATER/RS
Autor: Elaboração: Gerência de Planejamento – GPL Núcleo de Informações e Analises – NIA

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA