Programas de aplicação de fungicida com volumes de calda e espectros de gota fixos e variáveis

O objetivo deste trabalho foi verificar qual o efeito da utilização de programas de aplicação de fungicida, com volumes de calda e espectros de gota fixos e variáveis, no controle químico da ferrugem-asiática em cultivares de soja de distintos portes.

Autores:   A. CHECHI1; R. ROEHRIG1; E. ZUCHELLI1; C.C. DEUNER1; C.A. FORCELINI1; W. BOLLER2

Trabalho disponível nos Anais do Evento e publicado com o consentimento dos autores.

Resumo

Há tendência da utilização de volumes reduzidos de calda na aplicação de fungicidas para o controle de doenças na soja, visando aumentar a capacidade operacional dos implementos utilizados no processo.

O objetivo deste trabalho foi verificar qual o efeito da utilização de programas de aplicação de fungicida, com volumes de calda e espectros de gota fixos e variáveis, no controle químico da ferrugem-asiática em cultivares de soja de distintos portes.

O experimento foi realizado no campo experimental da Universidade de Passo Fundo, na safra 2016/2017, em delineamento em blocos casualizados, com quatro repetições. As cultivares utilizadas foram BMX Lança (porte médio) e BMX Garra (porte alto). Foram testados volumes de calda (70, 110 e 150 L ha-1) e espectros de gota (fino e médio) em programas de aplicação fixos e variáveis durante o desenvolvimento da cultura.

Foram realizadas três aplicações com os fungicidas compostos por trifloxistrobina + protioconazol (60 + 70 g.i.a. ha-1) + mancozebe (1125 g.i.a. ha-1), aos 44, 65 e 85 dias após a semeadura.

Foram avaliadas a severidade da ferrugem-asiática-da-soja, o índice de área foliar e o rendimento de sementes. Os dados foram analisados por Anova (p<0,05) e comparação de médias pelo teste Skott-Knott (p<0,05).

A severidade da doença variou entre 66 e 70% para as testemunhas. A utilização de volumes de calda crescentes e fixos de 110 e 150 L ha-1 e espectro de gotas fino apresentaram os menores valores de severidade para a cultivar BMX Lança.

A cultivar BMX Garra obteve seus melhores resultados com a utilização do volume fixo de calda de 150 L ha-1 e espectro de gotas fino, justamente por apresentar maior IAF no momento das aplicações. A escolha do volume de calda e espectro de gota em programas de aplicação do fungicida fixos e variáveis deve levar em conta o estádio de desenvolvimento e o índice de área foliar da cultivar de soja utilizada.

Palavras-chave: Índice de área foliar; Mancozebe; Phakopsora pachyrhizi; Trifloxistrobina+protioconazol

Informações do autores:     

1Lab. de Fitopatologia/UPF;

2Lab. de Tecnologia de Aplicação de Defensivos Agrícolas/UPF, Passo Fundo.

Disponível em: Anais do  II Workshop Brasileiro de Ferrugem da Soja Uberlândia – MG, Brasil.

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.