Redução de deriva de glifosato com adjuvantes a base de óleo essencial de laranja

8098

Esta pesquisa teve por objetivo determinar o potencial risco de deriva de glifosato sem e com os adjuvantes a base de óleo essencial de laranja.

Autores: LAIS M. B. PRECIPITO1, GUSTAVO DARIO1, EDER D. MORAES2, ANTONIO A. TAVARES3, JOÃO V. OLIVEIRA3, MARCO A. GANDOLFO4, RONE B. OLIVEIRA4

Trabalho disponível nos Anais do Evento e publicado com o consentimento dos autores.

RESUMO

A pulverização de herbicidas pode ocasionar deriva e algumas intervenções, como escolha da ponta de pulverização e adição de adjuvante, podem ajudar a reduzir este potencial problema. Esta pesquisa teve por objetivo determinar o potencial risco de deriva do glifosato sem e com os adjuvantes a base de óleo essencial de laranja.

O experimento foi conduzido em delineamento inteiramente casualizado com três tratamentos e quatro repetições. A variável analisada foi a deriva, coletada em túnel de vento na distância de 5, 10 e 15 metros da ponta de pulverização e 0,3; 0,5; 0,70; 0,9 e 1,1 metros de altura. Soluções em água do herbicida glifosato (Roundup Original®, 2,5 L ha-1) com e sem os adjuvantes OR121B® (0,25%, v v-1 ) e OR11A® (0,15%, v v-1) foram aplicadas com a ponta de pulverização XR11002 ®(310 kPa).

A redução máxima de deriva do glifosato foi de 38% a 5 metros de distância para ambos os adjuvantes adicionados e mínima de 19% a 15 metros de distância com o adjuvante OR121B®. O presente estudo demonstra a redução da deriva em condições pré-determinadas quando se faz uso dos adjuvantes a base de óleo essencial de laranja.

PALAVRAS–CHAVE: tecnologia de aplicação, túnel de vento, surfactante.

DRIFT REDUCTION OF GLYPHOSATE WITH ADJUVANT BASE OF ORANGE ESSENTIAL OIL

ABSTRACT

The pesticide spraying can cause the drift and some care can help to reduce this potential problem like choose the most adequate nozzle spray and adjuvant. The aim of this research was to determine the drift risk potential from glyphosate with and without adjuvant base of orange essential oil. The experiment was a completely randomized design with four replicates. The drift it was collected in a wind tunnel, at a distance of 5, 10 and 15 meters from the spray booms and 0.3; 0.5; 0.70; 0.9 and 1.1 meters high from the floor of wind tunnel. Water solutions of the herbicide glyphosate (Roundup Original®, 2.5 L / ha) with and without the adjuvants OR121B (0.25%, v / v) and OR11A (0.15%, v / v) were applied with spray nozzles Teejet XR11002 (310 kPa). The maximum reduction of glyphosate drift was 38% at 5 meters distance for both adjuvants added and minimum of 19% at 15 meters distance with adjuvant OR121B. This study demonstrates the drift reduction in previously determined conditions when the adjuvant base of orange essential oil is used.

KEYWORDS: application technology, wind tunnel, surfactant.

INTRODUÇÃO

No Brasil o registro e classificação dos adjuvantes ainda são muito simples não contemplando a complexidade de funções dos adjuvantes e, portanto, a seleção correta da classe de adjuvantes pode reduzir significativamente o potencial de risco de deriva nas pulverizações (Oliveira et al., 2011).

Existe o conhecimento de que os adjuvantes podem ter um efeito significativo sobre o tamanho de gotas em pulverizações agrícolas (Butler Ellis et al., 1997). Os adjuvantes denominados omo redutores de deriva têm sido desenvolvidos para modificar o espectro de gotas, mas muito outros adjuvantes, utilizados para melhorar a dinâmica da gota sobre o alvo, também influenciam o tamanho das gotas (Butler Ellis; Tuck, 1999).

Com o intuito de auxiliar na correta aplicação de produtos fitossanitários, algumas tecnologias têm sido pesquisadas e incorporadas às aplicações agrícolas, dentre elas tem se ressaltado o uso de adjuvantes agrícolas (Sasaki et al., 2015).

Portanto, esta pesquisa teve por objetivo determinar o potencial risco de deriva de glifosato sem e com os adjuvantes a base de óleo essencial de laranja.

Continua após a publicidade…


Quer melhorar a qualidade das suas aplicações? Confira nosso novo curso: Adjuvantes Agrícolas. Por R$ 79,90 você confere este curso, de 20 horas, com certificado. Quer saber mais, clique aqui.________________________________________________________________________

A agricultura não para, e seu aprendizado?

MATERIAL E MÉTODOS

O delineamento foi inteiramente casualizado com três tratamentos e quatro repetições. Os ensaios foram conduzidos a partir de uma calda de aplicação contendo o herbicida glifosato (sal de Isopropilamina) com os adjuvantes a base de óleo essencial de laranja. As concentrações dos adjuvantes foram: OR121B (0,25%, v/v) e (OR11A 0,15%, v/v). A dose do herbicida Roundup Original® (2,5 L ha-1) foi calculada para fornecer uma taxa de aplicação de 100 L ha-1 e misturado minutos antes das pulverizações.

As aplicações das caldas foram realizadas por um sistema de pulverização com princípio de funcionamento (controle de pressão, circuito hidráulico, retorno) similar a um sistema de pulverização das máquinas agrícolas utilizadas em campo. Foram preparados 18 litros de calda para cada tratamento acrescentando a calda o marcador Azul Brilhante (FD&C®) na concentração de 6 g L-1.

As condições de umidade do ar, temperatura e velocidade do vento foram registradas em todos os momentos de pulverização com sensores instalados dentro do túnel de vento com precisão de 5% e 1,5º C, respectivamente e os depósitos dos produtos coletados em diferentes distâncias horizontais e verticais dentro do túnel de vento visando avaliar o risco de deriva proporcionado pelas caldas. As aplicações foram realizadas nos períodos de menor amplitude possível para que as condições climáticas não tenham variações elevadas entre os tratamentos (Quadro 1).

QUADRO 1. Temperatura e umidade relativa do ar ambiente durante os ensaios.

A velocidade do vento foi de 2,0 m s-1 aferida por anemômetro. A deriva foi quantificada pela análise do marcador Azul Brilhante coletado em fios de nylon de 2 mm no interior do túnel de vento nadistância de 15 metros em relação  a barra de pulverização e 0,3; 0,5; 0,7; 0,9 e 1,1 m em relação ao piso do túnel de vento.

Após as pulverizações os fios correspondentes a cada amostra foram colocados dentro de tubos de PVC de 0,50 m de comprimento e adicionado 25 mL de água destilada para lavagem por meio de agitação manual por tempo constante para cada amostra e em seguida armazenado em potes plásticos identificados para cada tratamento.

As soluções provenientes das amostras foram analisadas em espectrofotômetro para quantificar os valores de absorbância na faixa espectral de 630 nm e, posteriormente, determinar a quantidade de marcador em cada amostra. Os dados foram processados e expressos em volume capturado por área (μL cm-2).

Os dados foram analisados pela estatística descritiva para analisar as medidas de tendência central e de dispersão e verificação de presença de “outliers”. Uma análise fatorial foi realizada para avaliar os tipos de calda, distância horizontal e vertical de coleta. Verificado a interação tripla entre os fatores, os dados foram interpolados pelo modelo matemático da mínima curvatura e construído os mapas de dispersão das gotas dentro do túnel de vento.

RESULTADOS E DISCUSSÃO

Na Figura 1 está apresentado a dispersão das gotas ao longo da altura e distância horizontal da ponta de pulverização dentro do túnel de vento. Os adjuvantes OR121B® e OR11A® reduziram significativamente a deriva, principalmente nos primeiros 5 e 10 metros de distância das pontas. O adjuvante OR 121B apresentou ainda maior redução no deslocamento de gotas aos 15 metros de distância do local de pulverização (ponta de pulverização).

Observa-se que quanto maior a distância em relação à barra de pulverização e maior a altura dos coletores em relação ao piso do túnel, menor foi o potencial risco de deriva. Lund (2000) e Costa (2006) relataram o mesmo comportamento em semelhantes pesquisas realizadas em túnel de vento, demonstrando que a deriva tende a ser maior nos fios coletores mais próximos do piso do túnel e da barra de pulverização.

Herbst (2001), realizando trabalhos sobre deriva em campo e em túnel de vento explicou que esse comportamento é baseado na tendência das gotas apresentarem movimento descendente devido à energia cinética e gravitacional, já que em situações controladas a inversão térmica não ocorre.

FIGURA 1. Dispersão das gotas de pulverização com a ponta XR 11002® (310 kPa) contendo o herbicida glifosato sem e com os adjuvantes OR 121B® e OR 11A® ao longo da distância da barra de pulverização e altura de coleta dentro do túnel de vento.

Na Figura 2 está apresentado a relação percentual de redução de deriva de glyphosate proporcionada pela adição dos adjuvantes. Observa-se que os adjuvantes reduziram significativamente a deriva potencial de glyphosate. A maior redução de deriva foi aos 5 metros de distância da ponta de pulverização com aproximadamente 38% de deriva para ambos os adjuvantes.

Os adjuvantes apresentaram diferenças na distância de 15 metros da ponta de pulverização, com menor redução para o adjuvante OR121B® (19%) e maior para o adjuvante OR11A® (34%). Adotando a ponta XR11002® técnica padrão como parâmetro de comparação é possível determinar que a utilização dos adjuvantes na calda promove um grau de redução de deriva à ponta XR, posicionando o tratamento como uma TRD “uma estrela” (valor de redução entre 26 e 50%), conforme classificação de técnicas de redução de deriva (TRD) baseada em ensaios de túnel de vento proposta por Carvalho et al. (2011).

FIGURA 2. Redução média de deriva com a adição de adjuvantes OR121B e OR11A em relação a calda com somente glyphosate e aplicados com a ponta XR11002 (310 kPa).

CONCLUSÕES

Há redução de deriva do herbicida glifosato quando se faz uso dos adjuvantes a base de óleo essencial de laranja, caracterizando-os como uma das opções de técnica potencial de redução de deriva.

AGRADECIMENTO:

A equipe do laboratório do Núcleo de Investigação de Tecnologia de Aplicação de Agroquímicos e Máquinas Agrícolas – NITEC da Universidade Estadual do Norte do Paraná – UENP – Campus Luiz Meneghel, Bandeirantes/PR.

REFERÊNCIAS

BUTLER ELLIS, M. C.; TUCK, C. R.; MILLER, P. C. H. The effect of some adjuvants on sprays produced by agricultural flat fan nozzles. Crop Protection, Guildford, v. 16, n. 1, p. 41-50 1997.

BUTLER ELLIS, M. C.; TUCK, C. R. How adjuvants influence spray formation with different hydraulic nozzles. Crop Protection, Guildford, v. 18, n. 1, p. 101-109, 1999.

CARVALHO, F. K.; CHECHETTO, R. G.; VILELA, C. M.; MOTA, A. A.; SILVA, A. C. A.; OLIVEIRA, R. B.; ANTUNIASSI, U. R. Classificação do risco de deriva para o planejamento das aplicações de produtos fitossanitários. In: SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE TECNOLOGIA DE APLICAÇÃO-SINTAG, 8, 2011, Cuiabá-MT. Anais… Cuiabá: Fundação de Estudos e pesquisas agrícolas e florestais FEPAF, 2011.

COSTA, A. G. F. Determinação da deriva da mistura 2,4-D e glyphosate com diferentes pontas de pulverização e adjuvantes. 2006. 95 . Tese (Doutorado em Agricultura) – Faculdade de Ciências Agronômicas, Universidade Estadual Paulista, Botucatu, 2006.

HERBST, A. A method to determine spray drift potential from nozzles and its link to buffer zone restrictions. ASAE Meeting presentation, Saint Joseph, n. 1, p. 1047, 2001.

LUND, I. Nozzles for drift reduction. Aspects of Applied Biology, v. 57, n. 1, p. 97-102, 2000.

OLIVEIRA, R. B.; ANTUNIASSI, U. R.; MOTA, A. A. B.; CHECHETTO, R. G.; VILELA, C. M.; SILVA, A. C. A. Potencial de diferentes grupos químicos de adjuvantes na redução de deriva em pulverizações agrícolas. In: SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE TECNOLOGIA DE APLICAÇÃOSINTAG, 8, 2011, Cuiabá-MT. Anais… Cuiabá: Fundação de Estudos e pesquisas agrícolas e florestais FEPAF, 2011.

SASAKI, R.S.; TEIXEIRA, M.M.; SANTIAGO, H.; MADUREIRA, R.P.; MACIEL, C.F.S.; FERNANDES, H.C. Adjuvantes nas propriedades físicas da calda, espectro e eficiência de eletrificação das gotas utilizando a pulverização eletrostática. Ciência Rural, Santa Maria, v.45, n.2, p.274-279, 2015.

Informações do autores:     

1Eng. agrônoma, mestrando em agronomia, Campus Luiz Meneghel, Universidade Estadual do Norte do Paraná-UENP-Bandeirantes/PR;

2Eng. agrônomo, doutorando em agronomia, Universidade Estadual de Londrina-UEL/PR, Brasil;

3Graduando em agronomia, Campus Luiz Meneghel, Universidade Estadual do Norte do Paraná-UENP-Bandeirantes/PR, Brasil;

4Eng. agrônomo, Prof. Dr. Adjunto B, Campus Luiz Meneghel, UENP-Bandeirantes/PR, Brasil.

Disponível em: Anais do VIII Simpósio Internacional de Tecnologia de Aplicação – SINTAG , Campinas – SP, Brasil.

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.