O presente trabalho teve por objetivo avaliar em uma área irrigada por pivô central e com sistema plantio direto implantado, o efeito da reaplicação de calcário e/ou gesso nas características agronômicas e produtividade da cultura da soja.

Autores: LAZARINI, E.1; BOSSOLANI, J.W.1; SANTOS, F.L.1; RODRIGUES, I.S.1; PARRA, L.F.1; MENEGHETTE, H.E.A.1

Trabalho publicado nos Anais do evento e divulgado com a autorização dos autores.

A aplicação de calcário no sistema de plantio direto, é realizada em superfície, com isso espera-se uma ação muito mais lenta e restrita as camadas superficiais do solo, por apresentar baixa solubilidade em água. A reação do calcário, entretanto, é geralmente limitada ao local de sua aplicação no solo. A calagem não tem um efeito rápido na redução da acidez do subsolo, que depende da lixiviação de sais através do perfil do solo (Caires et al., 2003). Em geral, o tempo médio de reação dos corretivos na camada de solo de 0 a 20 cm de profundidade, varia de dois a três anos, dependendo de como são aplicados e dos atributos químicos do solo, como textura e conteúdo de matéria orgânica, entre outros (Barbosa Filho et al., 2005).

Visando potencializar os efeitos do calcário aplicados superficialmente, tem sido utilizado o gesso como produto complementar ao calcário, produto que apresenta uma alta mobilidade no perfil, enriquecendo de nutrientes as camadas subsuperficiais e reduzindo a saturação por Al+3 em profundidade.

Com isso, o presente trabalho teve por objetivo avaliar em uma área irrigada por pivô central e com sistema plantio direto implantado, o efeito da reaplicação de calcário e/ou gesso nas características agronômicas e produtividade da cultura da soja.

O experimento está sendo desenvolvido desde o ano de 2011 em Latossolo Vermelho distrófico de textura argilosa, no qual se apresenta em delineamento em blocos ao acaso, em esquema de parcelas subdivididas com quatro repetições. As avaliações foram realizadas na cultura da soja cultivada sobre efeito residual da reaplicação de calcário e/ou gesso no ano de 2014. Para as parcelas foram utilizadas quatro doses de calcário (0; 2000; 4000 e 6000 kg ha-1) e quatro doses de gesso (0; 1500; 3000 e 4500 kg ha-1) distribuídas simultaneamente ao acaso nas subparcelas. As aplicações foram em superfície manualmente em cada parcela, realizadas 5 meses antes da instalação da cultura da soja. Utilizou-se a variedade BMX Potência RR com 17,2 sementes m-1 de sulco e espaçamento de 0,45 m. A semeadura foi realizada no dia 15 de novembro de 2015. Utilizou-se 250 kg ha-1 do formulado 00-20-20. A colheita se deu no dia 16 de março de 2016, cerca de 123 dias após a semeadura.

As médias foram submetidas à análise de variância individual ANOVA pelo teste F (p ≤ 0,05), e quando houve diferença significativa, as médias foram comparadas pela análise de regressão polinomial (p ≤ 0,05). A análise foi realizada utilizando o software AGROESTAT®.

Verifica-se que não houve influência significativa de nenhum dos tratamentos para população final de plantas e altura de inserção da primeira vagem (Tabela 1). A germinação e estabelecimento das plantas de soja em campo, independente do tratamento empregado, foram semelhantes, porém, inferiores ao recomendado para o material empregado (300.000 plantas ha-1, porém, segundo Sediyama et al. (2015), a média geral dentre os genótipos varia entre 200.000 e 350.000 plantas ha-1, sendo que nesta faixa, é possível obter-se produtividades satisfatórias sem que haja grades alterações de rendimento. A altura de plantas de soja foi influenciada significativamente pelo efeito residual das doses de gesso (Figura 1A). As médias ajustaram-se a uma equação quadrática, obtendo dose de máxima eficiência técnica (DMET) de 2017 kg ha-1 de gesso e altura máxima de 105,4 cm.

O gesso atua sobre dois fatores que impedem ou dificultam o desenvolvimento radicular das plantas: o excesso de alumínio e a deficiência de cálcio (RAIJ et al., 2011). O gesso atuando nestes dois fatores, principalmente em profundidade, que é característica marcante do gesso devido sua maior solubilidade, garante maior desenvolvimento radicular e, consequentemente maior aproveitamento de água e nutrientes.

Em relação à altura de inserção da primeira vagem, a mesma não foi influenciada pelo efeito residual das aplicações de calcário e/ou gesso, apresentando uma média 15 cm de altura. O efeito residual dos insumos utilizados em 2014, em específico o calcário, proporcionou efeitos significativos para os fatores reprodutivos da cultura da soja (Tabela 1).

Tabela 1. Valores de F e médias encontradas para população final de plantas (POP), altura de plantas (AP), altura de inserção da primeira vagem (AIV), número de vagens por planta (NVP), massa de 100 grãos (M100G) e produtividade de grãos (PROD) de soja em função dos tratamentos. Selvíria – MS, Brasil, 2015/16.

Quanto ao número de vagens por plantas, verificou-se que houve ajuste significativo das doses de calcário, enquadrando-se em uma equação linear crescente, obtendo o valor máximo de 63,5 vagens por planta, na maior dose do corretivo (Figura 1B). Para massa de cem grãos e produtividade de grãos, o calcário também influenciou de maneira isolada e significativa. As médias de massa de cem grãos ajustaram-se a uma equação quadrática, apresentando DMET de 4073 kg ha-1 de calcário, com um valor máximo de 13,65 g (Figura 1C). A produtividade de grãos aumentou linearmente mediante acréscimo nas doses de calcário, apresentando produtividade máxima de 3945 kg ha-1 (Figura 1D).

Figura 1. Altura de plantas (A) em função do residual de doses de gesso e número de vagens por planta (B), massa de cem grãos (C) e produtividade de grãos de soja (D) em função do residual de doses de calcário reaplicadas ao solo em 2014. Selvíria – MS, Brasil, 2015/16.

 


Quer saber mais sobre o tema? Confira.


Após dois anos de aplicação do calcário, o efeito residual do mesmo sobre pH, indisponibilidade de elementos tóxicos (Al+3 e Mn+2) e fornecimento de nutrientes (macro e micro) foram essenciais para melhor desempenho reprodutivo da cultura, principalmente nas maiores doses. Este fato pode estar associado a maior durabilidade dos efeitos benéficos do corretivo ao solo quando aplicados em altas dosagens. Em ambiente tropical (altas temperaturas e pluviosidade durante o verão e, também a irrigação suplementar via pivô) pode haver uma maior reatividade do mesmo, justificando maiores doses. A alta pressão exercida por cultivos sucessivos pode acarretar um esgotamento dos efeitos destes insumos mais rapidamente.

A aplicação superficial de doses mais altas de calcário, principalmente, pode ser uma alternativa viável para cultivos em longo prazo, sem que haja a necessidade de recorrer a novas aplicações em curto período de tempo. Em regiões tropicais, o intemperismo químico associado à decomposição da matéria orgânica e uso intensivo do solo são fatores que influenciam nesta maior necessidade (CAIRES et al., 2003).

Desta forma, conclui-se que o residual da reaplicação em superfície de até 6,0 t ha-1 de calcário proporciona maior produtividade na cultura da soja dois anos após e não há efeito da reaplicação de gesso isoladamente ou interação entre estes.

Referências

BARBOSA FILHO, M.P.; FAGERIA,N.K.; ZIMMERMANN,F.J.P. Atributos de fertilidade do solo e produtividade do feijoeiro e da soja influenciados pela calagem em superfície e incorporada. Ciência e Agrotecnologia, Lavras, v. 29, n. 3, p. 507-514, 2005.

CAIRES, E.F.; BLUM, J.; BARTH, G.; GARBUIO, F.J.; KUSMAN, M.T. Alterações químicas do solo e resposta da soja ao calcário e gesso aplicados na implantação do sistema de plantio direto. Revista Brasileira de Ciência do Solo, v. 27, n. 1, p. 275286, 2003.

RAIJ, B.V. Fertilidade do solo e manejo de nutrientes. Piracicaba, SP: IPNI, 2011. 420p.

SEDIYAMA, T.; SILVA, F.; BORÉM, A. Soja: do plantio à colheita. Viçosa: UFV, 2015.

Informações dos autores:  

1Universidade Estadual Paulista – Unesp, Campus de Ilha Solteira, Av. Brasil 56, Ilha Solteira – S.

Disponível em: Anais do VIII Congresso Brasileiro de Soja. Goiânia – GO, Brasil.

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.