Zinco: um micronutriente limitante para o milho

2962

Autor: Hernan Rene SAINZ ROZAS

A produção agrícola reduziu a disponibilidade de zinco nos solos da região dos Pampas, na Argentina, um nutriente essencial para o crescimento e a reprodução do milho. Um uso racional da fertilização com zinco precisa de um diagnóstico correto, da aplicação de tecnologias apropriadas de fertilização e um manejo do solo que aumente a disponibilidade desse mineral.

O zinco (Zn) é um micronutriente essencial para o crescimento e reprodução de plantas, pois participa de inúmeros processos metabólicos (síntese de proteínas, carboidratos, hormônios, entre outros), sendo o milho é uma das culturas extensivas mais suscetíveis à deficiência de Zn.

O sintoma de deficiência aparece como uma clorose interna na lâmina das folhas mais jovens, uma vez que é relativamente imóvel dentro da planta. A deficiência subclínica ou marginal de Zn reduz o rendimento das culturas sem o aparecimento de sintomas visíveis. Portanto, a análise do solo na pré-semeadura pode ser útil para prever precocemente se as culturas vão ser bem supridas com este micronutriente.

Quais ferramentas existem para diagnosticar a disponibilidade de zinco?

Um diagnóstico com os métodos apropriados para o manejo racional da adubação com Zn pode evitar perdas de produtividade, problemas de toxicidade e contaminação do solo. Para começar, você deve quantificar o nutriente das mesmas frações do solo das plantas, e deve ser rápido, simples e econômico.

A metodologia deve ser capaz de determinar a deficiência ou suficiência de Zn em uma ampla gama de condições edáficas. Para tanto, é necessário dispor de um amplo banco de dados, abrangendo vários anos e tipos de solos (de diferentes ambientes), onde o nível de nutrientes extraíveis no solo esteja relacionado à resposta da cultura de campo.

Para preencher essa lacuna de informações locais e internacionais, Barbieri et al (2017) realizaram uma rede de 64 ensaios de campo distribuídos nas regiões pampeana e extra-pampeana. Através deste trabalho, um método de diagnóstico para a disponibilidade de Zn com base na análise do solo foi calibrado. A dose de Zn variou entre 0,6 e 0,7 kg ha-1 e foi aplicada na forma foliar no estádio de seis ou sete folhas expandidas.

O modelo de ajuste utilizado permitiu estabelecer um intervalo crítico que define três zonas de probabilidade de resposta à aplicação de Zn.

Por razões operacionais e econômicas, muitos laboratórios de análise de solo tendem a quantificar a disponibilidade de mais de um nutriente de cada vez (fósforo, bases e micronutrientes). Para isso, é necessário o uso de um extrator multi-nutriente como o Melich-3, que possui a capacidade de extrair simultaneamente P, Ca, Mg, K e micronutrientes (Fe, Mn, Cu e Zn).

No entanto, não houve informações internacionais e locais sobre o desempenho deste extrator para prever a deficiência ou suficiência de Zn para o cultivo de milho.

Para resolver esta situação, em 34 dos 64 locais / anos utilizados no estudo anterior, o Zn foi determinado por extração com Melich-3. Esses sítios apresentaram teores de Zn-DTPA de 0,47 a 1,37 mg kg-1 e Zn-Melich-3 de 1,09 a 2,42 mg kg-1.

Foi determinada uma elevada razão entre o Zn-DTPA e o Zn-Melich-3, mas a solução Melich-3 extraiu duas vezes ou mais Zn do que a solução DTPA (Zn-Melich-3 = 1,24 * Zn-DTPA + 0,77 R2 = 0,86). No entanto, o desempenho do DTPA como preditor do RR de controle e / ou da resposta à fertilização foi ligeiramente superior ao do Melich-3 (76,5% vs 73,5% dos locais corretamente diagnosticados, respectivamente).

O modelo de ajuste utilizado permitiu estabelecer um intervalo crítico que definiu três zonas de probabilidade de resposta à aplicação de Zn, com valores que mudaram de acordo com a metodologia diagnóstica utilizada.

Estes resultados constituem um avanço de conhecimento no diagnóstico da disponibilidade de Zn, tanto local como internacionalmente, uma vez que não houve limiares e / ou faixas críticas calibradas no campo, menos ainda para diferentes soluções de extração de Zn. Esta informação permitirá evitar a perda de rendimento e qualidade, também evitar a aplicação desnecessária do nutriente e contribuir para a sustentabilidade econômica.

Tecnologias de fertilização de zinco

Uma vez que o diagnóstico determine a necessidade de aplicar Zn, é essencial alcançar uma alta eficiência no uso de fertilizantes, tanto na dose, no momento da aplicação como na fonte utilizada. A dose aplicada influenciará a concentração de Zn no grão e no balanço de Zn no solo.

Para uma aplicação correta, foi necessário dispor de informações que combinassem: Dose, fonte, tempo e forma de aplicação mais correta, para que os rendimentos fossem maximizados, a qualidade dos grãos fosse melhorada ou o solo fosse enriquecido, entre outros.

Para responder a esses objetivos, Martínez Cuesta et al. estabeleceram cinco experimentos durante as campanhas 2014/15 (n = 3) e 2015/16 (n = 2), no sudeste de San Luis (Tilisarao), Sur Santa Fé (Oliveros), Centro Norte de Buenos Aires (Pergamino) e Sudeste Buenos Aires (Balcarce) do RP. Os tratamentos foram:

  • T1 = controle sem aplicação de Zn;
  • T2 = 0,3 kg ha-1 de Zn aplicado à semente (Teprosyn®, óxido de Zn, 600 g l-1);
  • T3 = 0,7 kg ha-1 aplicado Zn foliar (Zintrac®, óxido de Zn, 700 g l-1) em V6-V7;
  • T4 = 2,1 kg ha-1 de Zn aplicado em bandas ao solo (sulfato de Zn).

Em 4 dos 5 experimentos, foi determinada uma resposta à aplicação de Zn (resposta média = 890 kg ha-1). As deficiências de Zn poderiam ser corrigidas aplicando-as às sementes, folhagem ou solo (Figura 5). A aplicação da dose mais alta no solo seria apropriada quando o Zn-DTPA for inferior a 0,9 mg kg-1, provavelmente porque em condições de deficiência severa de Zn a cultura necessita de maior disponibilidade em estágios iniciais do ciclo.

A aplicação foliar seria mais apropriada para aliviar as deficiências de Zn quando o Zn-DTPA se estiver próximo ou dentro da faixa crítica (0,9-1,3 mg kg-1), como procedimento de emergência, dependendo do estado de cultivo e condições climáticas.

O tratamento para produzir o balanço de Zn mais positivo, através da dose com quantidades elevadas, foi conveniente para a reconstrução do nutriente. No entanto, esta estratégia é mais eficaz em solos com baixa capacidade de ligação a Zn (pH inferior a 7 e baixo teor de CaCO3). Os resultados deste estudo constituem um avanço do efeito de diferentes tecnologias de fertilização com Zn no rendimento e balanço de nutrientes, embora mais pesquisas sejam necessárias.

Práticas de direção que melhoram a disponibilidade de zinco

A disponibilidade de Zn não depende apenas do conteúdo total do solo e, portanto, do balanço entre adição e perdas, mas da proporção do total encontrado nas frações mais disponíveis para as plantas.

Entre eles, a fração orgânica solúvel do Zn está diretamente associada à sua disponibilidade para as culturas. Por sua vez, a fração orgânica solúvel está relacionada às frações mais ativas da matéria orgânica do solo, que dependem do balanço entre adição e perda de carbono.

Seqüências de cultivo que incluem uma maior proporção de gramíneas contribuem para melhorar o balanço de carbono do solo. Neste contexto, a inclusão de CC em plantas de soja de alta freqüência é uma ferramenta adequada tanto para melhorar o balanço C, como para gerar cobertura do solo e, desta forma, reduzir o risco de erosão hídrica ou eólica. No entanto, até agora, o efeito do CC na disponibilidade de micronutrientes, particularmente Zn, não era conhecido.

Beltrán et al. (2016) realizaram três experimentos de longo prazo no INTA Oliveros (Santa Fé), INTA Balcarce e INTA General Villegas (Buenos Aires). Os tratamentos foram: soja-soja (SS), soja-cobertura de soja (S-CC-S), milho-soja-trigo / soja (MST / S) e milho-soja-trigo-soja (M-CC-ST / S). A cultura de cobertura usada foi trigo.

Após seis anos, um aumento no C orgânico particulado foi determinado, principalmente no tratamento S-CC-S, associado a um balanço C mais positivo. Por sua vez, a fração particulada fina foi a que melhor se relacionou com o Zn extraível na profundidade de 0-20 cm.

Estes resultados sugerem que mudanças nas frações de MO instáveis podem modificar a disponibilidade de Zn pela redistribuição das frações de Zn do solo. Portanto, é fundamental não apenas melhorar o balanço de Zn por meio da fertilização, mas também aumentar, por meio do manejo, a fração lábil ou ativa de MO, para que esse nutriente permaneça na fração disponível para as culturas.

Fonte: Adaptado de Inta Argentina

Tradução: Equipe Mais Soja

Texto originalmente publicado em:
INTA Argentina
Autor: Inta

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.