Devido ao excesso de água, 22% do plantio é de regular para ruim. Ainda estão pendentes 40 mil hectares de soja de primeira classe que não podem ser replantados e 145 mil hectares de segundo.

Chove ao longo da semana com acumulações que podem ser em torno de 100mm

Chuvas de intensidade variável serão apresentadas durante a maior parte da zona da GEA ao longo da semana. Os núcleos de chuva mais significativos são esperados no nordeste de Buenos Aires, onde podem ultrapassar 100 mm.

“As chuvas continuarão durante a semana que começa, especialmente no centro norte da Argentina”, adverte José Luis Aiello, doutor da Cs. Tempo.

Em apenas 10 dias a precipitação média em janeiro foi excedida

A segunda semana de janeiro ainda não terminou e a General Pinto já acumulou 160,4 mm, Bellville 154,6 mm e Pergaminho 143,2 mm. Para levar em conta, nesta última semana, o leste de Córdoba teve registros próximos a 100 mm. No resto da região, eles variaram entre 20 e 60 mm.

A grande quantidade de água está jogando contra a oleaginosa

O retorno das chuvas, foi um grande alívio para os produtores, mas a pressão pluvial é agora uma grande complicação. Desde o início da campanha de soja, a região central recebeu chuvas entre 300 e mais de 700 mm.

Há cerca de 40 mil hectares de soja de primeira classe que não podem ser replantados e cerca de 145 mil hectares de soja da segunda safra aguardam que as chuvas deem tempo suficiente para terminar a semeadura.



No ano passado, para a mesma data, a semeadura da oleaginosa havia praticamente terminado. Há 22% da superfície que continua sendo classificada como regular a ruim, associada ao excesso de água, 72% dos quadros estão entre muito boas a boas condições e 7% estão em excelentes condições.

Estes últimos estão localizados nas localidades que não foram afetadas por tempestades ou naqueles setores superiores. Mas há incerteza, as previsões de chuva são renovadas e devem acumular 100 mm na próxima semana. A soja 2016/2017 também foi muito atingida pelas chuvas.

Desde outubro (2016) a região recebeu acumulações semelhantes de 300 a mais de 600 mm. Nessa campanha, o rendimento médio da oleaginosa foi de 37,8 qq/ha, mas acabaram perdendo 570 mil ha, 9,5% do total semeado pelo excesso de água.

A primeira soja é mais atrasada que na safra anterior, devido às baixas temperaturas em dezembro, mas continua avançando em seu ciclo,  70% das fotos estão em floração (entre R1 e R2), 10% inicia a formação de vagens (R3) e as mais atrasadas, ainda estão em estágios vegetativos. Enquanto no ano passado 40% das tabelas já estavam frutificando (entre R3 e R4) e o restante florescente (R1 e R2).

O aumento térmico em janeiro permite que a safra comece a fechar a entrelinha. Mesmo assim, as ervas daninhas continuam avançando, há fugas de gramíneas, galho preto e erva vermelha. Os lotes com lama e sem piso não permitem o controle.

Altos rendimentos de milho: muitos quadros podem exceder 150 qq/há

A condição muito boa a excelente predomina no início do milho, 47% do quadro da situação está em estágio de grãos leitosos e 36% em grãos pastosos. Mas você tem que estar vigilante, há bolsões de ferrugem comum e broto de trigo.

Fonte: BCR – Bolsa de Comércio de Rosário

Texto originalmente publicado em:
Bolsa de Comércio de Rosário - BCR
Autor: BCR

Nenhum comentário

Deixar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.