A agricultura moderna trouxe grandes avanços para a humanidade, um exemplo é o consumo maior de proteínas. Este avanço foi devido ao uso de sementes com maior potencial genético, pelo uso mais eficiente de áreas, pela expansão de áreas agrícolas, pelo entendimento das necessidades nutricionais das plantas e pelo controle eficiente das pragas.

No aspecto fitossanitário, os avanços foram percebidos pelo uso de variedades com mais resistência, tolerância a herbicidas e resistência aos insetos e ao uso de novos ingredientes ativos eficientes com novos modos de ação e com menor toxicidade ao ser humano.

Com os avanços tecnológicos alcançados e com a intensidade da agricultura moderna, diferentes problemas surgem, principalmente em relação ao uso inadequado das ferramentas usadas e, como consequência, as tecnologias começam a ser ameaçadas e podem diminuir o seu período de eficácia (saiba mais, assistindo: A Gestão Responsável de Produtos e as Boas Práticas de Manejo).

Consequências do uso inadequado 

Entre as consequências mais comuns está a resistência das pragas, devido ao uso excessivo de determinadas tecnologias, o que inviabiliza a continuidade do uso delas.

Essas tecnologias apresentam pontos positivos, como a facilidade de manuseio, operacionalidade e versatilidade. Entretanto, é necessário atenção com relação à deficiência na deposição, ocasionando em doses menores no dossel das plantas, o que acarreta na diminuição das doses no dossel inferior (sub-doses), dificultando o controle em função do hábito das pragas (Imagem 1).

Importante saber

Os esforços adicionais para levar ao agricultor brasileiro informações técnicas envolvendo a prática do manejo de resistência a inseticidas, chamar a atenção para o problema, formar opinião sobre as práticas e mobilizar a opinião no campo é fundamental para o agronegócio estender a viabilidade e a eficácia das tecnologias disponíveis visando o controle das pragas nas lavouras.

De acordo com especialistas, centenas de casos de resistência adquirida por populações de insetos aos inseticidas estão sendo estudados dentro e fora do Brasil.

A causa para esse fenômeno, que reduz a produtividade no campo e aumenta a preocupação com o manejo de pragas, é a adoção contínua de práticas impróprias na aplicação dos inseticidas, incluindo o uso frequente e repetido de ingredientes ativos com o mesmo modo de ação.



Causas da resistência 

Hoje, as principais causas da resistência aos inseticidas estão relacionadas ao emprego de produtos, por exemplo:

  1. Doses acima ou abaixo das recomendadas por fabricantes;
  2. Mistura indevida de ingredientes ativos em propriedades agrícolas;
  3. Alterações repentinas;
  4. Ausência de critérios no uso de programas de tratamento fitossanitário.

Outro ponto importante é a tecnologia de aplicação, o que pode acarretar nas sub-doses em determinadas partes do dossel das plantas (Imagem 2).

Aplicações e manejo

Além disto, deve-se levar em consideração o comportamento dos insetos-praga ao longo do dia, com intuito de programar a aplicação de inseticidas nos horários em que os insetos estão mais expostos, geralmente, nas horas mais amenas do dia.

Desta forma, são necessárias estratégias gerais de recomendação de práticas de Manejo de Resistência de Insetos a Inseticidas, tais como:

  1. Monitoramento e identificação correta das espécies (Imagem 3 ) e dos estágios presentes das pragas;
  2. Entendimento do hábito das pragas nos diferentes estágios de desenvolvimento da cultura;
  3. Uso dos níveis de controle recomendados pela pesquisa;
  4. Aplicação nos estágios mais suscetíveis das pragas (Imagem 4);
  5. Uso adequado de doses de acordo com a recomendação do fabricante;
  6. Adequada tecnologia de aplicação para obter boa cobertura das plantas para evitar sub-doses;
  7. Rotação de diferentes grupos químicos na mesma geração (quando possível) e entre gerações das pragas; IRAC – Classificação do Modo de Ação de Inseticidas;
  8. Produtos utilizados na rotação entre gerações eficientes;
  9. Associação de outras práticas de controle como resistência de plantas a insetos e controle biológico.

Dúvidas sobre as consequências do uso inadequado de inseticidas? Como você faz uso de inseticidas na sua propriedade? Compartilhe conosco a sua experiência e não deixe de tirar suas dúvidas e nos mandar seu comentário sobre a publicação.

Autor:

Cindy Corrêa Chaves – Engenheira Agrônoma, mestre em Fitossanidade. Agrônoma de Produto – Proteção de cultivos.

Fonte: Agronegócio em foco

Texto originalmente publicado em:
Agronegócio em foco
Autor: Agronegócio em foco

Nenhum comentário

Deixar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.