O Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços divulgou o volume exportado de milho no Brasil durante o mês de out/18, ficando em 3,2 milhões de toneladas. A quantidade traz atenção pela queda do ritmo em 6,5% quando comparado ao do mês anterior e 36,3% menor em relação ao que foi visto no mesmo período do ano passado. Tal redução vem de encontro com a extensão da janela de exportação de soja nesse ano-agrícola, aliado ao custo com a tabela do frete rodoviário implementado no país desde jun/18.

Além disso, a menor perspectiva de produção do cereal brasileiro neste ano-agrícola também vem sendo um fator limitante para o escoamento do cereal, enquanto que,
na safra passada o país se destacou com um recorde de produção em grande parte dos estados produtores.

Assim, os embarques do milho brasileiro na safra 17/18 já acumulam 10,7 milhões de toneladas, o que corresponde a 41,9% da perspectiva apontada pela Conab em seu relatório.

Sobre o preço:

O preço do cereal em MT encerrou mais uma semana em queda, com variação negativa
de 2,54% e cotação média de R$ 19,14/sc ainda devido, sobretudo, à redução das cotações na CME-Group e na demanda interna.

• Em virtude das condições favoráveis à colheita norte-americana, as cotações na CMEGroup para dez/18 e jul/19 fecharam a semana com queda de 0,54% e 0,38%, respectivamente.

• As cotações do dólar voltaram a subir nesta última semana, fechando com alta de 0,37%
e média de R$ 3,71/US$.

• Dado o recuo das cotações do cereal na CME-Group, a paridade de exportação (jul/19)
apresentou baixa de 2,30% e cotação média de R$ 18,57/sc.



A semeadura de soja em MT para a safra 18/19 está a todo vapor, já alcançando 88,9% do total da área estimada. Tal valor é recorde de adiantamento no Estado, o que chama atenção quanto aos seus reflexos na safra de milho. A fim de verificar isso, o gráfico abaixo traz a estimativa dos avanços da semeadura da oleaginosa até a sua finalização feito com base na perspectiva de ciclo das sementes utilizadas nesta safra (precoce, normal e
tardia).

Com essa previsão, o Imea estima que pode haver 100% das áreas disponíveis para a semeadura de milho já na primeira semana de fev/19, algo jamais observado em
MT, caso não haja interferências climáticas e operacionais nos trabalhos de campo. No entanto, cabe salientar a possibilidade de ocorrência do fenômeno El Niño nesse
período, o que pode reduzir os níveis de chuvas no Brasil durante a sua manifestação, trazendo atenção aos possíveis impactos na safra do cereal.

Fonte: Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária

Texto originalmente publicado em:
Boletim semanal
Autor: IMEA

Nenhum comentário

Deixar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.