O trabalho teve como objetivo avaliar as características de crescimento e desenvolvimento de plantas de língua-de-vaca em ambiente não competitivo.

Autores:  Wilian Jochem1, Jaqueline Schmitt1, Helena Zanatta Corrêa1, Regina Pasinatto Visentin1, Renan Haramoto1, Naiara Guerra1.

Trabalho publicado nos Anais do evento e divulgado com a autorização dos autores.

INTRODUÇÃO

A língua-de-vaca é uma planta daninha perene, que infesta principalmente pastagens, e lavouras anuais e perenes na região sul do Brasil. Por ser uma planta perene, o controle se torna mais difícil devido ao rebrote.

O trabalho teve como objetivo avaliar as características de crescimento e desenvolvimento de plantas de língua-de-vaca em ambiente não competitivo.

MATERIAL E MÉTODOS

O experimento foi conduzido em casa de vegetação na Universidade Federal de Santa Catarina, Campus de Curitibanos, após as sementes terem germinado foram transplantadas para vasos de 11 litros com Cambissolo Háplico.



Foram realizadas análises destrutivas a cada 30 dias até o fim do ciclo. As plantas eram coletadas separando a parte aérea do sistema radicular e da inflorescência, cada parte da planta foi levada à estufa de secagem para posterior determinação da matéria seca.

 

RESULTADOS

Figura 1:Germinação das plantas em gerbox (A). Transplantio para os vasos (B). Desenvolvimento das plantas (C).

CONCLUSÃO 

O número médio de sementes produzidas por planta foi de 3406 sementes. O controle da língua-de-vaca deve ser feito antes da planta perenizar, facilitando o mesmo, reduzindo a interferência e impedindo que a planta produza sementes.

Informações dos autores:  

1Universidade Federal de Santa Catarina, Curitibanos, SC.

Disponível em: Anais do XXXI Congresso Brasileiro da Ciência das Plantas Daninhas 2018. Rio de Janeiro- RJ.

Nenhum comentário

Deixar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.