O objetivo deste trabalho é avaliar o desemprenho de cinco cultivares de soja em função da variação de distribuição de sementes na linha de semeadura.

Autores: ROY, J.M.T1; MADALASSO, T.1; FAVERO, F.1

Trabalho publicado nos Anais do evento e divulgado com a autorização dos autores.

A produtividade da cultura da soja é definida pela interação entre a planta, ambiente de produção e o manejo utilizado. Dentre as práticas de manejo a escolha do cultivar, época de semeadura e densidade de plantas, são fatores que influenciam diretamente no rendimento de grãos da soja.

As mudanças morfofisiológicas na arquitetura de plantas de soja e mudanças de manejos ocorridas nos últimos anos em seu cultivo, propiciaram o desenvolvimento de novas tecnologias e alternativas que visam o aumento de produtividade da cultura. Dentre as mudanças de manejo no processo de semeadura, uma delas está relacionada a forma de distribuição de sementes na linha de semeadura.

O manejo tradicional se configura pela distribuição das sementes de forma equidistante na linha de semeadura e de forma solteira, com o auxílio de discos de semente de 45 a 90 furos. Uma forma alternativa na distribuição de sementes é a da forma de “covas” também denominado de plantio agrupado, também de forma equidistantes, porém com a deposição de quatro sementes por cova na linha de semeadura, o processo é realizado com disco de sementes com 12 furos, que permitem a passagem de quatro sementes que posteriormente são depositadas no sulco de semeadura.

A hipótese deste trabalho é verificar se métodos alternativos de distribuição de sementes na linha de semeadura de forma equidistante e em “covas”, proporcionam incrementos em produtividades na cultura da soja. O objetivo deste trabalho é avaliar o desemprenho de cinco cultivares de soja em função da variação de distribuição de sementes na linha de semeadura.

O experimento foi conduzido no Centro de Pesquisa Agrícola (CPA) da COPACOL, em Cafelândia, PR. com altitude de 595 m. O solo da área é caracterizado como Latossolo Vermelho distroférrico de textura argilosa (Embrapa, 2006).

O delineamento experimental foi em blocos casualizados com 4 repetições, em esquema fatorial 5 x 2. O primeiro fator analisado foram cinco cultivares (Msoy 5947 IPRO, Msoy 6410 IPRO, BS 2606 IPRO, BMX Garra IPRO e NA 5909 RR) e o segundo fator foi o disco de sementes (normal com 90 furos e agrupado com 12 furos). A taxa de semeadura utilizada foi de 11,6 sementes/metro, com linhas espaçadas em 0,5 m entre si.


Quanto você perde com falhas na semeadura? Quer saber mais, faça nosso curso!


As unidades experimentais continham 14 m de comprimento e 2,5 m de largura, totalizando 35 m². A semeadura foi realizada no dia 11/10/2017, com a adubação de 350 kg/ha do formulado 04-24-16 N, P2O5, K2O, respectivamente. O manejo da cultura foi de acordo com as recomendações oficias para a região (EMBRAPA 2014).

As variáveis analisadas foram população final de plantas e rendimento de grãos. A população final de plantas foi determinada pela contagem de plantas de soja emergidas em duas linhas centrais da unidade experimental e em 8 metros de comprimento. O rendimento de grãos foi determinado pela colheita das três linhas centrais da unidade experimental com colhedora de parcelas e após determinado a massa de grãos colhidas, sendo então extrapolados os dados para kg/ha e corrigido a umidade de grãos para 13%.

Os dados foram submetidos ao teste F da análise de variância e as médias quando significativas agrupadas pelo teste de Scott-Knott a 5% de probabilidade de erro.

Houve interação para rendimento de grãos entre os cultivares e o tipo de disco de sementes utilizados (tabela 1). Os cultivares Msoy 6410 IPRO e BMX Garra IPRO apresentaram maior rendimento de grãos com a utilização do disco de semeadura agrupada. Para os demais cultivares Msoy 5947 IPRO, BS 2606 IPRO e NA 5909 RG, não houveram diferenças significativas em produtividade independente da variação de disco de sementes utilizados. Na média dos cinco cultivares avaliados, não houveram diferenças significativas pela variação do disco de sementes utilizando durante a semeadura do experimento.

Tabela 1. Rendimento de grãos de soja em função da variação de cultivares de soja e disco de distribuição de semente. Cafelândia, PR 2018.

Dentre os cinco cultivares avaliados, o cultivar Msoy 5947 IPRO apresentou o maior rendimento de grãos na média das duas formas de distribuição de sementes utilizadas na semeadura do experimento. Já o cultivar NA 5909 RG apresentou o menor rendimento de grãos do experimento, independente do disco de sementes utilizado na semeadura do ensaio.

A soja apresenta uma alta capacidade compensatória e de plasticidade permitindo que alterações no arranjo de plantas na linha de semeadura não reduzam a sua produtividade e dependendo do cultivar propicie incrementos significativos em seu rendimento de grãos, podendo se tornar uma prática de manejo de baixo investimento e com retorno em produtividade e lucratividade consequentemente.

Para população de plantas (tabela 2), também houve interação entre os fatores analisados, o cultivar Msoy 5947 IPRO apresentou maior população final de plantas com a utilização do disco tradicional de distribuição de sementes de 90 furos. O cultivar BMX Garra IPRO, apresentou maior população de plantas com a utilização do disco de distribuição de sementes de forma agrupada. Para os demais cultivares (NA 5909 RG, Msoy 6410 IPRO e BS 2606 IPRO, não houveram diferenças indepente do disco de sementes utilizado no momento da semeadura do experimento. Os cultivares Msoy 6410 IPRO, BS 2606 IPRO e Msoy 5947 IPRO, foram os cultivares que tiveram a maior população final de plantas na média das diasuas formas de distribuição de sementes utilizada.

Tabela 2. População final de plantas em função da variação de cultivares de soja e disco de distribuição de semente. Cafelândia, PR 2018.

A velocidade de semeadura foi de 5 km/h durante a instalação do experimento, o cultivar Msoy 5947 IPRO apresentou menor população com a distribuição de forma de agrupada, já o cultivar BMX Garra IPRO teve sua menor população com a distribuição normal de semeadura, o que evidencia que em baixas velocidades de semeadura, a variação na forma de distribuição não afeta negativamente a população final de plantas.

A distribuição de sementes de forma agrupada não diminui o rendimento de grãos. Para os cultivares Msoy 6410 IPRO e BMX Garra IPRO, a semeadura agrupada apresenta maior rendimento de grãos. Na média dos cultivares avaliados, a população final de plantas não é afetada pela variação na distribuição espacial de sementes na linha de semeadura.

Referências

EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA. Tecnologia de Produção de Soja – Região Central do Brasil 2014. Londrina – PR, 2013. 263p.

EMBRAPA – Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Sistema brasileiro de classificação de solos. 2.ed. Brasília: Embrapa-SPI; Rio de Janeiro: Embrapa Solos, 2006. 306p.

Informações dos autores  

1Centro de Pesquisa Agrícola – CPA Copacol, Cafelândia, PR.

Disponível em: Anais do VIII Congresso Brasileiro de Soja. Goiânia – GO, Brasil.

Nenhum comentário

Deixar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.