Desempenho e produtividade da cultura da soja mediante a aplicação de biorreguladores

0
2208

O objetivo deste trabalho foi avaliar o desempenho da cultura da soja após receber a aplicação de biorreguladores em dois estádios de desenvolvimento.

Autores: SCHERB, C.T.1; ALVARENGA, W.B.1; BISNETA; M.V.2; MENDES, R.R.2; RAIMONDI, R.T.2

Trabalho publicado nos Anais do evento e divulgado com a autorização dos autores.

Introdução

A utilização de biorreguladores na cultura da soja vem sendo cada vez mais frequente devido aos benefícios de alguns produtos para o crescimento das plantas. Os biorreguladores podem influenciar positivamente os componentes de produtividade, dependendo de fatores como a dose, condições ambientais, modalidades e estádio de aplicação (BERTOLIN et al., 2010; ALBRECHT et al., 2011).

Os hormônios vegetais são moléculas existentes nas plantas em quantidades muito baixas e a alteração na concentração pode mediar uma ampla gama de processos metabólicos relacionados a produtividade (CROZIER et al., 2000). No entanto, as informações sobre os métodos de aplicação e o estádio ideal para a plantas receberem determinados biorreguladores ainda são recentes e carecem de mais estudos para a cultura da soja.

O objetivo deste trabalho foi avaliar o desempenho da cultura da soja após receber a aplicação de biorreguladores em dois estádios de desenvolvimento.

Material e Métodos

Um experimento foi conduzido a campo, na Fazenda Capão da Onça (Fescon – UEPG), localizada no município de Ponta Grossa (PR), durante a safra 2016/2017. A cultivar NS 6209 foi semeada no dia 07/12 de 2016, com espaçamento entre linhas de 0,5 m, depositando 13 sementes por metro linear no sulco de semeadura.

Após a emergência, o arranjo populacional obtido foi de 250 mil plantas ha-1. O solo da área é de textura média com 65,4 % de Areia Total e 34 % de Argila e 0,6 % de Silte. As unidades experimentais foram constituídas por seis linhas de semeadura com seis metros de comprimento, totalizando uma área de 18 m².

Para as avaliações, utilizou-se quatro linhas centrais e os quatro metros centrais das parcelas, resultando em área útil de 8 m².

Os tratamentos foram aplicações foliares de biorreguladores comercializados no mercado:

Testemunha sem aplicação, Stimulate, Progibb, Kelpak e Biozime TF, sendo todos os produtos aplicados apenas uma vez (estádio R1/R2) ou duas vezes (estádio R1/R2 e R4/ R5) durante o ciclo da cultura da soja. Os detalhes dos tratamentos estão descritos na Tabela 1. O delineamento experimental foi o de blocos ao acaso, com quatro repetições.

Tabela 1. Descrição dos tratamentos e altura média de plantas de soja após a aplicação de biorreguladores. Ponta Grossa (PR), 2017.

Os tratamentos foram aplicados com equipamento de pulverização costal, a base de pressão constante de CO2 equipado com uma barra com seis pontas de pulverização modelo TTJ60 110.02, espaçados 0,5 m entre si.

A pressão e a velocidade de aplicação foram ajustadas de modo à obter um volume de calda de 150 L ha-1. A aplicação A (R1/R2) ocorreu no dia 28/01/2017 e a aplicação B ocorreu no dia 12/02/2017. Ambas as aplicações foram realizadas no momento em que a UR estava acima de 60%, a temperatura de ar abaixo de 28ºC e na ausência de rajadas de vento.

Foram realizadas avaliações de altura de plantas aos 7 dias após a aplicação A (DAA-A) e 7 dias após a aplicação B (DAA-B), bem como no momento da colheita. Também foram avaliados o número de vagem por planta, número de grãos por vagem e massa de mil grãos e a produtividade de grãos ao final do experimento. Para as avaliações, dez plantas foram amostradas na área útil das parcelas. As variáveis respostas foram comparadas pelo teste T-student, a 5% de probabilidade. O pacote estatístico utilizado para as análises foi o SISVAR.

Resultados e Discussão

Aos 7 DAA-A, a avaliação de altura de plantas apresentou poucas diferenças. Foi possível observar que os tratamentos com aplicação de Progibb (maiores que 50 cm) resultaram em alturas superiores ao tratamento com a aplicação de Stimulate (44,3 cm) (Tabela 1).

Os resultados após as aplicações no estádio R4/R5 (7 DAA-B) não foram muito discrepantes em relação aos resultados apenas com as aplicações em R1/R2. Verificou-se que o tratamento que apresentou maior altura foi com a utilização de Progibb em duas aplicações, tanto em R1/R2, quanto em R4/R5, em que as plantas apresentaram altura média de 85,06 O mesmo ocorreu na avaliação de altura de plantas na pré-colheita da cultura, uma vez que este biorregulador teve altura superior a alguns outros produtos, tais como Kelpak e Stimulate (Tabela 1).

Com relação as variáveis resposta dos componentes de produtividade, estes estão apresentados na Figura 1. Não houve diferenças significativas entre os tratamentos para as variáveis número de vagens por planta e massa de mil grãos. Para os dados de número de grãos por vagem, o produto Biozime TS aplicado em dois estádios da cultura (R1/R2 + R4/R4) foi superior ao tratamento com o produto Kelpak aplicado apenas em R1/R2.

Figura 1. Média de número de vagens por planta, número de grãos por vagem, massa de mil grãos e produtividade da cultura da soja após a aplicação de biorreguladores. Ponta Grossa (PR), 2017.

Ao observar os dados de produtividade da cultura da soja, notou-se que o produto Progibb aplicado em duas etapas foi superior ao tratamento com Stimulate e Kelpak aplicado apenas em um estádio de desenvolvimento da cultura, obtendo produtividade de 70,2 sacas ha-1 contra 59,5 e 61 sacas ha-1, respectivamente (Figura 1). Apesar dos resultados de massa de mil grãos não forem estatisticamente significativos, esta variável pode ter contribuído para a maior produtividade do tratamento 5 (Progibb aplicado em dois estádios).

Alguns Biorreguladores podem apresentar desempenho insatisfatório caso aplicado em doses acima da recomendada, visto que pode ocorrer um desequilíbrio hormonal nas plantas, prejudicando os componentes produtivos (ALBRECHT et al., 2011). Isto pode atestar o fato de que, por vezes, os tratamentos sem a aplicação de produtos não foram diferentes de tratamentos que receberam biorreguladores até mesmo duas vezes durante o ciclo da cultura. Estes produtos são essenciais para que haja maior acúmulo de biomassa e portanto, maior capacidade de aproveitamento dos recursos do meio pelas plantas cultivadas (VIEIRA e CASTRO, 2001). É possível que ao existirem condições adversas para o crescimento das plantas, fato não ocorrido neste experimento, os biorreguladores apresentem resultados ainda mais satisfatórios.

Conclusão

A altura das plantas de soja foi maior no tratamento com Progibb aplicado em R1/R2 e R4/R5 em relação ao tratamento contendo Kelpak aplicado em R1/R2 + R4/R4 e Stimulate aplicado em R1/R2. A produtividade da cultura da soja foi maior no tratamento contendo Progibb em relação aos tratamentos com Stimulate (R1/R2 + R4/R5) e Kelpak (R1/R2).

Referências

ALBRECHT, L.P.; BRACCINI, A.L.; SCAPIM, C.A.; ÁVILA, M.R.; ALBRECHT, A.P.; RICCI, T.T. Manejo de biorregulador nos componentes de produção e desempenho das plantas de soja. Bioscience Journal, v.27, n.6, p.867-876, 2011.

BERTOLIN, D.C.; SÁ, M.E.; ARF, O.; FURLANI JÚNIOR, E.; COLOMBO, A.D.; CARVALHO, F.L.B.M. Aumento na produtividade de soja com a aplicação de bioestimulantes. Bragantia, v.69, n.2, p.339-347, 2010.

CROZIER, A.; KAMIYA, Y.; BISHOP, G.; YOKOTA, T. Biosynthesis of hormones and elicitor molecules. In: BUCHANAN, B.B.; GRISSEN, W.; JONES, R.L. (Ed.) Biochemistry and molecular biology of plants. Maryland: American Society of Plant Physiologists, 2000. p. 850-894.

VIEIRA, E.R.; CASTRO, P.R.C. Efeito de bioestimulante na germinação de sementes, vigor de plântulas, crescimento radicular e produtividade de soja. Revista Brasileira de Sementes, v.23, n.2, p.222-228, 2001.

Informações dos autores:

1Nufarm Indústria Química e Farmacêutica S/A;

2Universida de Estadual de Maringá.

Disponível em: Anais da XXXVI Reunião de Pesquisa de Soja. LONDRINA – SC, Brasil.

Nenhum comentário

Deixar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.