Foram entregues, nessa quinta-feira (22), as obras de ampliação do canal de acesso ao Porto de Paranaguá, que ampliaram em mais de 60% a capacidade de movimentação de carga geral. Isso consolida Paranaguá como o maior porto graneleiro da América Latina e o segundo maior porto do Brasil. Cada navio graneleiro poderá embarcar até 10,5 mil toneladas a mais, aumentando a capacidade de movimentação mensal de grãos para 315 mil toneladas.

Ao todo, foram dragados 14,2 milhões de metros cúbicos de sedimentos. A empresa responsável pela obra foi a DTA Engenharia, vencedora da licitação no valor de R$ 394 milhões. O início das obras foi autorizado em fevereiro do ano passado.​



Com a obra, o Canal da Galheta passa a ter 16 metros de profundidade, um a mais do que a profundidade atual. Já a bacia de evolução do Canal ganhou dois metros, passando de 12 para 14 metros. As áreas intermediárias, localizadas entre o Canal da Galheta e a bacia de evolução, agora passam a ter 14 e 15 metros de profundidade.

Também foram inauguradas obras de expansão do novo cais de atracação de navios da empresa TCP (Terminal de Contêineres de Paranaguá). As obras receberam investimento de, aproximadamente, R$ 115 milhões. O cais passará dos atuais 879 metros para 1.099 metros de extensão e de 40,75 para 50 metros de largura.

A expansão dará ao terminal a possibilidade de operar, simultaneamente, três dos maiores navios de contêineres do mundo. As obras fazem parte do acordo de renovação antecipada do contrato de arrendamento do Terminal por mais 25 anos, a partir de 2024, assinado em abril de 2016 junto ao governo federal.

A transação envolvendo a TCP é uma das maiores já realizadas no setor de terminais de contêineres na América Latina e o primeiro investimento da China Merchants Port Holding (CMPort), que adquiriu 90% do Terminal de Contêineres de Paranaguá.

Fonte: Confederação Nacional dos Transportes

Texto originalmente publicado em:
Confederação Nacional dos Transportes
Autor: CNT

Nenhum comentário

Deixar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.