InícioDestaqueEfeito residual do potássio no sistema de cultivo soja-milho safrinha

Efeito residual do potássio no sistema de cultivo soja-milho safrinha

O milho de segunda safra (pós soja) ou “safrinha” é importante na agricultura Brasileira, para tal a adubação deve ser pensada no sistema lavoura em sua totalidade não somente para cultura do momento, levando em conta o efeito residual da adubação depositada.

Contribuinte para a produção de grãos de forma quantitativa e qualitativa,  e como sendo um nutriente importante na formação do grão, o potássio (K) é um nutriente extremamente importante para produção e rendimento da cultura do milho.



Neste sentido os pesquisadores Edilson Cavalli e Anderson Lange (IAC e IFMT, respectivamente) estudaram o efeito de doses de potássio na cultura da soja e seu efeito residual influenciado pelo consórcio com braquiária, nos cultivos sucessivos, no sistema soja-milho safrinha. O trabalho foi publicado na Revista Cultura Agronômica, Ilha Solteira, v.27, n.2, p.310-326, 2018. Disponível para acesso aqui.

O trabalho consistiu em:

  • Semeadura e adubação da soja, safra 2013/14, e os tratamentos nesta ocasião foram doses de K2O (0, 40, 80, 160 e 320 kg ha¹) na forma de KCl;
  • Após a colheita da soja, safra 2013-14, as parcelas foram subdivididas, semeando-se a lanço a braquiária (Urochloa ruzizienses) na metade das parcelas e após este procedimento, semeou-se o milho, gerando o consórcio;
  • A semeadura do milho, safra 2013/14, foi realizada sobre os restos culturais da soja e o hibrido utilizado foi o DKB 390 VT PRO 2;
  • Semeadura da soja, safra 2014/15, sobre os restos culturais do milho, visando avaliar o efeito residual da adubação potássica e do aproveitamento do K presente na palhada do milho e da braquiária. A cultivar utilizada foi a TMG 132, adubada com 108 kg ha¹ de P2O5 na forma de superfosfato simples, a lanço em pré-semeadura;
  • Semeadura do milho, safra 2014/15, no dia 2 de fevereiro de 2015, sobre os restos culturais da soja, hibrido utilizado foi o DKB 245 RR.

Veja também: Pragas Iniciais Milho Safrinha


O trabalho apresenta os seguintes resultados:

  • Não teve efeito das doses de K na soja, contudo se tem efeito residual no milho plantado em sequência. Veja Tabela abaixo:

  • A soja não responde a aplicação de potássio em sistemas com teor de K no solo adequado.
  • Sob estresse hídrico, mesmo com teores altos de K no solo, o milho responde ao aumento de potássio no solo. Já sob condições climáticas adequadas, com chuvas bem distribuídas não se observa resposta.

Manejo recomendado pelos autores: “Um manejo a ser adotado seria fazer a adubação com potássio mais pesada no milho, cultura mais sujeita a passar por veranicos, e a soja se beneficiaria do K presente na palha do mesmo”.


Veja também as dicas de manejo sobre Milho safrinha pelo Prof Marcelo da UFSM

https://www.facebook.com/maissoja/videos/vl.298311804350572/483101748883531/?type=1

Equipe Mais Soja
Equipe Mais Soja
A equipe editorial do portal Mais Soja é formada por profissionais do Agronegócio que se dedicam diariamente a buscar as melhores informações e em gerar conteúdo técnico profissional de qualidade.
Artigos relacionados

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Populares