Parte relevante da assistência técnica para a produção de grãos no Brasil é formada por cooperativas. Esse sistema representa 64% dos produtores rurais, principalmente médios e pequenos, e metade da produção agropecuária do País.

Essa combinação entre assistência técnica forte e acesso a grande número de produtores é perfeita para ações efetivas de transferência de tecnologia. Em 2015 a Embrapa Trigo estabeleceu acordo de cooperação com a Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB) para capacitar os departamentos técnicos de suas afiliadas em cereais de inverno além de temas transversais.

A iniciativa é destaque do Balanço Social 2018, estudo divulgado anualmente pela Empresa que aponta o seu retorno social para a sociedade, que também revela que para cada real aplicado na Embrapa no ano passado, foram devolvidos R$ 12,16 para a sociedade.

A novidade será anunciada no próximo dia 24, na solenidade dos 46 anos da estatal agropecuária, que registrou também um lucro social de R$ 43,52 bilhões em 2018. Esse valor foi obtido a partir da análise do impacto econômico de 165 soluções tecnológicas e de cerca de 220 cultivares desenvolvidas pela Empresa.

O programa de capacitação envolveu 184 horas de curso divididas em módulos temáticos, com a participação de 37 cooperativas que representam 1.885 profissionais dos Estados do RS, SC, PR, MS, SP e MG.

O faturamento conjunto dessas cooperativas é de R$ 56,5 bilhões, com 212.000 produtores associados respondendo por mais de 60% do trigo produzido no Brasil. Foram obtidos resultados de propriedades que dobraram a produtividade de trigo, a partir dos conhecimentos aplicados. O curso foi considerado bom por 36% e excelente por 64% dos profissionais participantes das capacitações.



Conhecimento para quem precisa

Durante longo tempo, a atuação da Embrapa Trigo com as cooperativas brasileiras esteve limitada, predominantemente, a resolver problemas pontuais e de curto prazo. Assim, uma ampla gama de conteúdos tecnológicos, exceto cultivares, ou era desconhecida ou com adoção bastante limitada pela carência de modelos que os alavancassem junto ao sistema cooperativista.

Atualmente, há um conflito estabelecido entre os interesses da agricultura de produtos e a agricultura de processos mas ambas são complementares. O uso de práticas isoladas vinculadas ao negócio agrícola, principalmente na área de insumos (fertilizantes, agroquímicos, máquinas, sementes e outros) disputa o discurso tecnológico junto aos técnicos e agricultores das cooperativas com o enfoque de sistemas produtivos, gerados e transferidos pela Embrapa e que fazem funcionar melhor as práticas isoladas.

Capacitar as áreas técnicas para maior segurança nas escolhas e orientações aos produtores é um importante papel a ser cumprido pela Embrapa, pois as cooperativas têm responsabilidade pelo sucesso econômico dos associados.

Desta forma, a Embrapa estabeleceu um acordo de cooperação com a Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB), ao qual se acoplou um plano de trabalho de transferência de tecnologias iniciado em 2015, que tem sido sucessivamente renovado e melhorado voltado à capacitação dos departamentos técnicos das principais cooperativas brasileiras em cereais de inverno e temas transversais.

O plano de trabalho teve oito módulos abordando agricultura conservacionista, controle de plantas daninhas, manejo integrado de pragas e doenças, manejo de cultivos de grãos, colheita e pós-colheita, proteção de plantas, integração lavoura-pecuária-floresta e trigo tropical.

Durante os encontros, os técnicos das cooperativas participam de exposições teóricas combinadas com práticas em laboratórios, campos experimentais, visitas a propriedades rurais e agroindústrias, bem como compartilham suas experiências com produtores e profissionais de gestão dos departamentos técnicos das cooperativas. Com o avanço da cooperação, foi realizado um estudo de dinâmica e cenários para o trigo no Brasil, além de encontros com produtores líderes das cooperativas.

Segundo levantamento realizado com as cooperativas participantes, a percepção de emprego dos conteúdos das capacitações atinge atualmente 341 mil hectares, com potencial de adoção em 1,4 milhões de hectares, tendo como temas implementados até o momento: agricultura conservacionista (92,9%); controle de plantas daninhas (85,7%); manejo integrado de pragas e doenças (64,3%); manejo de cultivos de grãos (57,1%); colheita e pós-colheita (57,1%); e, proteção de plantas (57,1%). Houve propriedades que dobraram a produtividade de trigo, a partir dos conhecimentos aplicados pelos assistentes técnicos.

Nessa perspectiva, o aumento na produtividade e rentabilidade, e a redução de riscos e perdas nas lavouras são percepções claras de impactos esperados. A continuidade da parceria foi solicitada pelas cooperativas e pela OCB e foi ampliada para outras unidades da Embrapa (Embrapa Soja e Embrapa Gado do Leite), diante do nível de satisfação para a maioria dos quesitos avaliados pelos participantes.

Fonte: Embrapa

Texto originalmente publicado em:
Embrapa
Autor: Equipe da Embrapa Trigo - Wilson Fonseca e Roberto Penteado

Nenhum comentário

Deixar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.