O “encarquilhamento” de plantas de soja vem ganhando espaço, safra após safra em algumas regiões de cultivo, sendo observado principalmente em manchas e/ou reboleiras nas lavouras, durante o período vegetativo da cultura. Embora com causa ainda indeterminada, alguns fatores podem estar relacionados a ocorrência desse fenômeno.

Dentre as hipóteses levantadas, se tem trabalhado com o desequilíbrio nutricional, o ataque de determinadas pragas e a fitotoxidade causada por alguns herbicidas. Além disso, em algumas situações se tem observado maior suscetibilidade de algumas cultivares, demonstrando que a genética também pode estar relacionada.

Figura 1. A- planta de soja em início do desenvolvimento com folhas encarquilhadas/ enrugadas; B – planta de soja com maior severidade de encarquilhamento de folhas.

Adaptado: Marcelo Gripa Madalosso – Madalosso Pesquisas

Relacionado ao desequilíbrio nutricional, umas das possíveis causas desse fenômeno pode ser a toxidade por manganês (Mn). O Mn é considerado um nutriente envolvido em reações redox, sendo requerido para a atividade de algumas desidrogenases, descarboxilases, quinases, oxidases e peroxidases; envolvidos com outras enzimas ativadas por cátions e na evolução fotossintética de O2 (Taiz et al., 2017).



A disponibilidade do Mn para as plantas difere da maioria dos nutrientes, sendo maior em níveis de pH menores, logo, solos ácidos tendem a apresentem uma grande disponibilidade desse nutriente, sendo mais comum observar a ocorrência de toxidade de Mn do que a deficiência desse nutriente em solos ácidos.

Figura 2. Disponibilidade de nutrientes em função do pH do solo.

Embrapa (2013).

O excesso de manganês parece afetar mais diretamente a parte aérea do que as raízes. Os sintomas de toxicidade de manganês incluem uma clorose nas bordas dos folíolos seguida de necrose, com enrugamento por contração do folíolo e clorose das folhas novas (semelhante à deficiência de ferro) e desenvolvimento de pontos necróticos. Ocorrem também problemas fisiológicos específicos que são associados à toxicidade de manganês, causando o encarquilhamento dos folíolos (Borkert et al., 1994).

Figura 3. A – Toxidez de manganês em solos ácidos, de origem basáltica. O sintoma é um encarquilhamento com pontos marrons no limbo foliar; B – Toxidez de manganês (detalhe do encarquilhamento dos folíolos).

Adaptado: Borkert et al. (1994)

Conforme destacado pelo Pesquisador da CCGL, Jackson Fiorin, em conjunto a toxidade por Mn, a compactação do solo pode apresentar relação com o encarquilhamento das folhas da soja, uma vez que a compactação pode resultar na redução da macroporosidade do solo. Com a redução da macroporosidade do solo, é possível observar um decréscimo do espaço aéreo do solo, refletindo em menor disponibilidade de oxigênio na rizosfera.

Em condições de solo saturado, a baixa disponibilidade de oxigênio no solo, atrelado a elevada umidade, pode resultar em reações de redução, “que quimicamente vão solubilizar uma grande quantidade de Manganês no solo”, podendo ocasionar toxidade, resultando no encarquilhamento das folhas.

Tendo em vista os aspectos observados, práticas de manejo como a adequação dos níveis de pH do solo, assim como o manejo da compactação do solo podem contribuir significativamente para a redução do encarquilhamento da planta de soja, quando esse é ocasionado pela toxidade de Mn.


Veja mais: Qual o intervalo entre calagem e semeadura?


Confira o vídeo abaixo com as dicas do pesquisador da CCGL, Jackson Fiorin.


Inscreva-se agora no canal Rede Técnica Cooperativa – RTC clicando aqui!


Acompanhe nosso site, siga nossas mídias sociais (SiteFacebookInstagramLinkedinCanal no YouTube)

Referências:

BORKERT, C. M. et al. SEJA O DOUTOR DA SUA SOJA. Potafos, Arquivo Agronômico, n. 5, 1994. Disponível em: < https://www.npct.com.br/npctweb/npct.nsf/article/BRS-3140/$File/Seja%20Soja.pdf >, acesso em: 13/05/2022.

TAIZ, L. et al. FISIOLOGIA E DESENVOLVIMENTO VEGETAL. Porto Alegre, ed. 6, 2017.

Foto de capa: Marcelo Gripa Madalosso – Madalosso Pesquisas

 

 

Nenhum comentário

Deixar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.