Assim como os humanos, as plantas também são privadas de oxigênio quando mergulhadas em água. O efeito dessa deficiência, no caso dos vegetais, é o crescimento prejudicado, o amarelamento das folhas e, consequentemente, sua morte. Recentemente, porém, cientistas identificaram genes de plantas tolerantes à falta de oxigênio, permitindo que elas permaneçam saudáveis mesmo embaixo d’água.

Quando as plantas não têm oxigênio, genes especiais sinalizam perigo fazendo com que elas ativem outros genes que possam “resolver o problema”. Um desse trechos de DNA é conhecido como PLD, que expressa uma enzima chamada fosfolipase D, que permite que a planta sobreviva submersa. Até então, o papel desse gene nos sistemas de sinalização de deficiência de oxigênio das plantas era desconhecido.



A descoberta de um grupo de pesquisadores da Universidade de Estolcomo (Suécia), contou com a colaboração da Universidade Sueca de Ciências Agrárias, da Universidade de Copenhague (Dinamarca) e foi publicado na revista Physiologia Plantarum.

Como foi feita essa descoberta?

Para testar o efeito do gene, a equipe de pesquisa submeteu plantas com e sem o gene potencialmente protetor a uma inundação simulada. Ao verificar o comportamento dos vegetais, as folhas daquelas que não tinham o gene ficaram amarelas e morreram. Por outro lado, as plantas com o PLD em seu DNA sobreviveram. Isso sugere que esse gene desempenha papel importante na manutenção das plantas em boas condições em baixo d’água.

O próximo passo será investigar como as plantas reagiriam à falta de oxigênio se o PLD fosse “superexpressado”. A expectativa é que, nesse caso, as plantas se adaptem ainda melhor ao ambiente sub-aquático.


 SAIBA MAIS:

Chave para plantas tolerantes à seca pode estar nas folhas


Plantas tolerantes à falta de oxigênio poderão contribuir com a agricultura

As mudanças climáticas ameaçam a agricultura de diversas maneiras. Elas podem, por exemplo, causar inundações onde antes esse fenômeno era raro ou não era observado. Para ajudar a lidar com esse desafio, uma das frentes de estudos da biotecnologia, é a indenficação de genes que permitam às plantas algum nível de tolerância à falta de oxigênio. Isso permitiria a elas sobreviver em caso de submersão.

Estudos dessa natureza contribuem cada vez mais para o melhoramento genético de plantas, principalmente por meio de técnicas de engenharia genética. Eles têm como objetivo desenvolver plantas mais adaptadas às diferentes condições climáticas, contribuindo assim para manter ou aumentar a produção de alimentos no mundo.

Fonte: Physiologia Plantarum, Redação CIB, janeiro de 2019.


Conheça e se inscreva no desafio da máxima produtividade do Comitê Estratégico Soja Brasil. Confira o manejo dos campeões.

Texto originalmente publicado em:
CIB
Autor: Physiologia Plantarum, Redação CIB

Nenhum comentário

Deixar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.