O Imea divulgou o custo de produção de algodão em MT para a safra 19/20, apontando um
crescimento nos valores no mês de março. Neste sentido o custo variável cresceu 1,36%, se comparado ao mês passado, e 4,17% em relação à safra anterior, sendo estimado em R$ 8.753.33/ha.

Esse cenário de custos mais altos se dá devido à alta da moeda norte-americana, que influenciou, principalmente, os insumos cotados em dólar, como é o caso de fertilizantes, defensivos agrícolas e sementes de algodão.

Por sua vez, o custo operacional aumentou 1,31%, ficando previsto em R$ 8.944,45/ha. Sendo assim, para que o cotonicultor consiga cobrir seu custo da safra 19/20, é preciso que negocie sua pluma a um preço médio mensal de R$ 76,52/@.

Tendo em vista a maior necessidade do algodão na utilização de insumos em relação as outras culturas, é necessário que o produtor fique atento à variação do dólar, dado que grande parte dos insumos são cotado pela moeda.

Confira os principais destaques do boletim:

• O preço Imea – MT fechou a semana com desvalorização de 0,74%, ficando cotado a uma média semanal de R$ 89,87/@.

• Com a alta do dólar na semana, as paridades de exportações, para os contratos de jul/19 e dez/19, finalizaram a semana com valorização de 0,81% e 1,02%, ficando cotadas a R$ 100,34/@ e R$ 101,43/@, respectivamente.



• Em meio as incertezas ainda sobre o andamento da reforma da previdência, a moeda norte-americana fechou em alta na semana, ficando cotada a R$ 3,91/US$ e exibindo acréscimo de 1,32%.

• Os subprodutos de algodão matogrossenses encerraram nesta semana, apresentando recuo de 6,47%, 6,60% e 0,19%, para o caroço, a torta e o óleo, respectivamente.

O PESO DO ALGODÃO:

O Imea divulgou a segunda estimativa do Valor Bruto da Produção (VBP) para o algodão matogrossense referente a março de 2019. Segundo o relatório, a nova perspectiva aponta uma alta de 41,74% em relação à estimativa do ano passado de R$ 8,46 bilhões, assim, a nova previsão para o ano é de R$ 11,98 bilhões.

Neste sentido, o algodão em Mato Grosso vem ganhando espaço na agricultura, se tornando em 2019 o segundo segmento economicamente mais importante para o Estado, ficando somente atrás da soja e à frente do milho.

Essa boa evolução do algodão ao passar dos anos se dá, principalmente, pelo aumento da área, refletindo assim na maior produção no Estado, aliado ao preço negociado visto até o momento.

Porém, mesmo com o sentimento otimista, ainda é muito cedo para definir um cenário para o VBP, uma vez que a volatilidade nos preços daqui para a frente poderá influenciar na consolidação dos dados em MT. Para saber mais acesse aqui.

Fonte: IMEA

Texto originalmente publicado em:
Imea
Autor: IMEA

Nenhum comentário

Deixar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.