O objetivo deste estudo foi avaliar a influência alelopática de extratos aquosos de guanxuma sobre o comprimento e a matéria seca da radícula de plântulas de soja. 

Autores: Anderson Marcel Gibbert1; Hiago Canavessi2; Silvio Douglas Ferreira3; Vitor Gustavo Kuhn4; Jaqueline de Araújo Barbosa5; Neumárcio Vilanova da Costa6

Trabalho publicado nos Anais do evento e divulgado com a autorização dos autores.

INTRODUÇÃO

As plantas daninhas estão entre os principais fatores limitantes de produção da cultura da soja (Glycine max L.). Estas plantas não competem com a cultura somente por recursos como luz, água, espaço e nutrientes, mas também podem afetar o seu crescimento e desenvolvimento com a liberação de compostos aleloquímicos no ambiente de cultivo, chegando até a gerar perdas relevantes na produção (Inderjit, 2006; Gomes Jr. & Christoffoleti, 2008; Farooq et al., 2011).

Tais substâncias são oriundas do metabolismo secundário das plantas e podem agir de maneiras diferentes sobre a cultura, pois variam de acordo com a espécie e das condições ambientais. (Ferreira & Aquila, 2000).

Dessa maneira, o objetivo deste estudo foi avaliar a influência alelopática de extratos aquosos de guanxuma sobre o comprimento e a matéria seca da radícula de plântulas de soja.

MATERIAL E MÉTODOS

O experimento foi realizado no Laboratório de Fisiologia Vegetal da Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Campus de Marechal Cândido Rondon/PR, durante o período de 26 de janeiro de 2018 a 03 de fevereiro de 2018.

Os extratos aquosos de guanxuma (Sida rhombifolia L.) foram obtidos através da trituração da parte aérea [material fresco (MF)] destas plantas com auxílio de um liquidificador, acrescentando-se água destilada até alcançar as concentrações de 0; 25; 50; 100 e 200 g MF L-1, sendo 0 g MF L-1 a testemunha com somente água destilada. Os extratos foram filtrados em papel filtro e ficaram em repouso por 24 horas. Foram posicionadas 2 folhas de papel germitest autoclavadas (121°C± 2°C/20 min) por gerbox e acrescentados 10 mL de extrato. Após isso, procedeu-se a disposição de 25 sementes de soja do cultivar TMG 7262 RR por gerbox e dispostas em BOD, onde foram mantidas à temperatura de 25 °C ± 2°C, e com fotoperíodo 24 horas de luz. O delineamento experimental utilizado foi inteiramente casualizado, com quatro repetições, sendo cada gerbox uma parcela (Brasil, 2009).

Ao final do 8º dia de desenvolvimento das plântulas em BOD, avaliou-se o comprimento da radícula (cm) e determinou-se a matéria seca da radícula (g planta-1), em que selecionou-se 4 plantas de cada gerbox.

Os dados obtidos foram submetidos à análise de regressão utilizando o programa estatístico SigmaPlot 12.0

RESULTADOS E DISCUSSÃO

Os extratos aquosos de guanxuma (S. rhombifolia) reduziram significativamente o comprimento da radícula de plântulas de soja (Figura 1), tendo comportamento quadrático decrescente conforme aumentou-se a concentração dos extratos, sendo que a maior concentração (200 g L-1) gerou a maior redução, 55,72% em relação à testemunha.

Figura 1 – Comprimento da radícula de plântulas de soja submetidas a diferentes concentrações de extratos de guanxuma. Marechal Cândido Rondon/PR, 2018. *Significativo a 5%.

A matéria seca da radícula de plantas de soja apresentou comportamento linear decrescente à medida que elevou-se as concentrações dos extratos de guanxuma (Figura 2). Com a utilização da concentração de 200 g L-1 ocorreu a maior redução na matéria seca da radícula, 62,5% em relação à testemunha, sendo que a mesma redução ocorreu para concentração de 200 g L-1.

Figura 2 – Matéria seca da radícula de plântulas de soja submetidas a diferentes concentrações de extratos de guanxuma. Marechal Cândido Rondon/PR, 2018. **Significativo a 1%.

A influência dos extratos sobre o sistema radicular de plântulas é justificada pelo fato do sistema radicular estar acelerado nesta fase de desenvolvimento. Além disso, ocorre a maior suscetibilidade desta estrutura ao estresse ambiental e, também, devido à radícula estar em contato direto com os metabólitos secundários dos extratos que foram colocados no papel germitest. Todos esses fatores contribuem com a maior absorção desses compostos pela radícula, gerando este efeito significativo (Barbosa et al., 2008; Sartor et al., 2009).

A ação alelopática de plantas daninhas sobre as culturas de interesse varia em relação às espécies presentes na área, sistema de produção e condições edafoclimáticas (Khan et al., 2009).


Confira nossa galeria de cursos TOTALMENTE ONLINE! Agregue conhecimento, faça já!


Castro et al. (1984), comprovaram a influência de plantas daninhas sobre a cultura do arroz (Oryza sativa), em que avaliaram as plantas daninhas Cynodon dactylon, Cyperus rotundus e Sorghum halepense e observaram a redução da parte aérea e da radícula de plântulas desta cultura.

Em estudos mais recentes, Marinov-Serafimov (2010) avaliou o efeito alelopático de algumas espécies de plantas daninhas na germinação e desenvolvimento inicial de culturas leguminosas, e obtiveram resultados de inibição na germinação de 28,8% a 81,5%.

CONCLUSÃO

Conclui-se que os extratos aquosos de guanxuma possuem influência alelopática sobre a germinação da cultura da soja, afetando negativamente o comprimento e a matéria seca da radícula das plântulas.

REFERÊNCIAS

Barbosa, E. G.; Pivello, V. R. & Meirelles, S. T. Allelophathic evidence in Brachiaria decumbens and its potential to invade the Brazilian cerrados. Brazilian Archives of biology and Technology, v. 51, p. 825831, 2008.

Brasil (2009) Ministério da Agricultura e Reforma Agrária. Regras para análises de sementes. Brasília, SNDA/DNDV/CLAV. 398p.

Castro, P. R. C; Rodrigues, J. D.; Maimoni-Rodella, R. C. S; Rabelo, J. C.; Veiga, R. F. A; Lima, G. P. P.; Jureidini, P; & Denadai, I. A. M. Ação alelopática de alguns extratos de plantas daninhas na germinação do arroz (Oryza sativaI L. cv. IAC – 165). Anais da E.S.A. “Luiz de Queiroz”, v. XLI, p. 369-381, 1984.

Farooq, M.; Jabran, K.; Cheema, Z. A.; Wahid, A.; Siddique, K. H. M. The role of allelopathy in agricultural pest management. Pest Management Science, v. 67, n. 5, p. 493-506, 2011.

Ferreira, A. G.; Áquila, M. E. A. Alelopatia: uma área emergente da ecofisiologia. Revista Brasileira Fisiologia Vegetal, v. 12, p. 175-204, 2000.

Gomes Jr., F. G.; Christoffoleti, P. J. Biologia e manejo de plantas daninhas em áreas de plantio direto. Planta Daninha, v. 26, p.789-98, 2008.

INDERJIT. Experimental complexities in evaluating the allelopathic activities in laboratory bioassays: A case study. Soil Biology & Biochemistry, v. 38, p. 256-262, 2006.

Khanh, T. D.; Cong, L. C.; Xuan, T. D.; Uezato, Y.; Deba, F.; Toyama, T. & Tawata, S. Allelopathic plants: 20. Hairy Beggarticks (Bidens pilosa L.). Allelopathy Journal, v. 24, n. 2, p. 243-254, 2009.

Marinov-Serafimov, P. Determination of allelopathic effect of some invasive weed species on germination and initial development of grain legume crops. Pestic. Phytomed. (Belgrade), v. 25, n. 3, p. 251-259, 2010.

Sartor, L. R.; Adami, P. F.; Chini, N. Martin, T. N.; Marchese, J. A. & Soares, A. B. Alelopatia de acículas de Pinus taeda na germinação e no desenvolvimento de plântulas de Avena strigosa. Ciência Rural, v. 39, p. 1653-1659, 2009.

Informações dos autores:  

1Acadêmico do curso de Agronomia, Universidade Estadual do Oeste do Paraná (UNIOESTE), Marechal Cândido Rondon/PR;

2Acadêmico do curso de Agronomia, Universidade Estadual do Oeste do Paraná (UNIOESTE), Marechal Cândido Rondon/PR;

3Doutorando em Agronomia/PPGA, Universidade Estadual do Oeste do Paraná (UNIOESTE), Marechal Cândido Rondon/PR.

4Mestrando em Agronomia/PPGA, Universidade Estadual do Oeste do Paraná (UNIOESTE), Marechal Cândido Rondon/PR.

5Doutoranda em Agronomia/PPGA, Universidade Estadual do Oeste do Paraná (UNIOESTE), Marechal Cândido Rondon/PR.

6Docente/Orientador, Universidade Estadual do Oeste do Paraná (UNIOESTE), Marechal Cândido Rondon/PR. Email: Neumarcio.Costa@unioeste.br

Disponível em: Anais do I Congresso Online para aumento da produtividade de soja 2018. Santa Maria, RS.

Nenhum comentário

Deixar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.