Influência do herbicida glyphosate na acidificação de calda de pulverização

0
5352

O objetivo deste trabalho foi avaliar a influência do glyphosate na redução do pH de diferentes herbicidas.

Autores:  LUCIANO DEL BEM JUNIOR1, JONAS L. FERRARI2, TIAGO GAZOLA2, VITOR M. ANUNCIATO2, LEANDRO BIANCHI4, CAIO A. CARBONARI5; CARLOS G. RAETANO5

Trabalho disponível nos Anais do Evento e publicado com o consentimento dos autores.

RESUMO

Mistura de produtos em caldas é uma prática comum entre agricultores a fim de otimizar a operação no campo. Essa mistura, comumente utilizada de diferentes herbicidas na mesma calda pode ser empregada na dessecação de diferentes culturas, ou no manejo da área infestada. Porém, poucos são os estudos sobre as características físico-químicas dessas caldas.

Sabe-se, até o momento, que pH´s baixos favorecem a penetração de grande parte dos herbicidas nas folhas das plantas. Assim, este trabalho teve como objetivo estudar o comportamento do pH de oito herbicidas com e sem a adição de glyphosate. O estudo foi conduzido em delineamento inteiramente casualizado, com quatro repetições. Utilizou-se o teste de Tukey, a 5 % de probabilidade. As misturas com o herbicida glyphosate foram as que apresentaram maior acidificação das caldas, com valores próximos a 4,5. Os herbicidas Gesaprin (atrazina), Gamit (clomazine) e Gramoxone (paraquate) foram os que sofreram maior redução desses valores quando em mistura com glyphosate.

PALAVRAS-CHAVE: Agroquímicos, pH, tecnologia de aplicação.

ABSTRACT

Mixing products in syrups is a common practice among farmers in order to optimize field operation. This commonly used mixture of different herbicides in the same syrup can be used in the desiccation of different crops or in the management of the infested area. However, there are few studies on the physico-chemical characteristics of the e syrups. It is known, so far, that low pH’s favor the penetration of a large part of the herbicide  in the leaves of the plants. Thus, the objective of this work was to study the pH behavior of eight herbicides with and without the addition of glyphosate  The study was conducted in a completely randomized design, with four replications. The Tukey’s test was used at 5% probability. The mixtures with glyphosate herbicide showed the highest acidification of the syrup, with values close to 4.5. The herbicides Gesaprin (atrazine), Gamit (clomazine) and Gramoxone (paraquate) were those that suffered the greatest reduction of these values when mixed with glyphosate.KEY WORDS: Agroc

hemicals, pH, application technology.

INTRODUÇÃO

O uso do herbicida glifosato na dessecação é amplamente adotado pelos agricultores (RODRIGUES; ALMEIDA, 2005). Este sal de glicina é utilizado para o controle não seletivo de plantas infestante em diversas culturas (TIMOSSI et al., 2006).

Em sua composição uma das características do glyphosate (ácido fraco) é reduzir o pH da água utilizada na calda favorecendo a absorção do produto com maior facilidade pelas plantas, pois as moléculas encontram-se na forma não dissociada e assim tornado seu uso mais eficiente (SANCHOTENE et al., 2007).

Além disso, estudos comprovam que a utilização de produtos para a redução do pH das caldas de pulverização de herbicidas auxilia a passagem das moléculas na cutícula, fazendo com que o herbicida penetre facilmente na epiderme da folha (PITELLI, 1985). O agricultor pode utilizar determinados adjuvantes redutores de pH, além da utilização de sulfato de amônio ou uréia na calda de pulverização (SOUZA et al., 2014).

Esses produtos são utilizados a fim de se obter máxima eficiência em função dos custos e na redução de doses de herbicidas, uma vez que em pH ácido as moléculas são facilmente penetradas na planta (GREEN; CAHILL, 2003).

Desta forma, o objetivo deste trabalho foi avaliar a influência do glyphosate na redução do pH de diferentes herbicidas.

MATERIAL E MÉTODOS

 O experimento foi conduzido no Laboratório de Tecnologia de Aplicação de Defensivos Agrícolas no Departamento de Proteção Vegetal da FCA/UNESP, Campus de Botucatu/SP. O estudo avaliou o pH dos seguintes herbicidas: Verdict (haloxifope p-metílico), glyphosate (Sal isopropilamina de N-(phosphonomethyl) glicine), Select (clethodim), DMA (2,4-D, Sal dimetilamina), Sanson (nicossulfuron), Gesaprin (atrazina), Gamit (clomazine) e Gramoxone (paraquate) e as respectivas misturas com glyphosate, conforme tabela 1.

Os tratamentos foram acondicionados em Beckers de 100 ml e o equipamento utilizado nas análises foi um peagâmetro de bancada da marca Digimed®, modelo DM-20. As avaliações foram realizadas logo após o preparo das caldas e as misturas mantidas a temperatura ambiente.

As leituras ocorreram após a calibração do peagâmetro na avaliação de 0 hora, com as respectivas soluções de poder tampão. Após este procedimento, as soluções de cada tratamento foram medidas pelo equipamento e os Beckers eram vedados com plástico filme para evitar evaporação da água e assim consequente influência na análise. Os resultados foram submetidos à análise de ANOVA, as médias foram comparadas pelo teste de Tukey a 5 % de probabilidade pelo programa estatístico Assistat®.

TABELA 1: Tratamentos utilizados no presente estudo.

RESULTADOS E DISCUSSÃO

Os resultados demonstram forte influência da adição do glyphosate à mistura com os demais herbicidas, havendo diferença significativa entre os valores (tabela 2). Trabalhos recentes mostram que alguns herbicidas têm sua eficiência elevada na planta com a redução do pH da água a valores próximos a 4,0.

A máxima absorção e eficiência de herbicidas com caráter de ácido fraco ocorre em pH em que 50% das moléculas encontram-se dissociadas (pKa) (McCORMICK, 1990). Além disso, em pH mais baixo, a taxa de hidrólise é retardada, mantendo a folha úmida por um maior tempo, pois a superfície das folhas tem um pH neutro, havendo uma interação com o pH da calda.

Desta forma, Stougaard (1997) relata que a adição dos redutores de pH à calda de aplicação tem o intuito de melhorar a eficiência das pulverizações foliares de herbicidas, reduzir o impacto das interferências ambientais e permitir uma penetração cuticular mais eficiente.

Dentre os herbicidas testados, o Gesaprin (atrazina), Gamit (clomazine) e Gramoxone (paraquate) foram os que sofreram maior redução desses valores quando em mistura com glyphosate. Estudos com água alcalina ou com a presença de alguns compostos utilizados em nutrientes foliares na calda podem diminuir a eficiência dos herbicidas, especialmente de dessecantes à base de glyphosate, de alguns herbicidas inibidores da enzima aceto lactato sintetase (ALS) e de inibidores da enzima acetil coenzima A carboxilase (ACCAse) (MERVOSH; BALKE, 1991).

Segundo Azevedo (2001), os produtos são formulados para tolerar alguma variabilidade no pH das caldas. Valores extremos, no entanto, podem alterar a estabilidade física. Dessa forma, é importante consultar o fabricante para verificar a faixa de pH ideal para cada agrotóxico.

TABELA 2. Valores do pH dos respectivos tratamentos, com e sem a adição do herbicida glyphosate.

CONCLUSÕES

Pode-se inferir que a adição do herbicida glyphosate alterou significativamente os valores de pH dos respectivos herbicidas testados, com maior variação para Gesaprin, Gamit e Gramoxone.

AGRADECIMENTOS:

Os autores agradecem à Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) pela concessão da bolsa de estudos.

REFERÊNCIAS

AZEVEDO, L. A. S. Fungicidas sistêmicos: teoria e prática. São Paulo: 2001. 230 p.

GREEN, J.M.; CAHILL, W.R. Enhancing the biological activity of nicosulfuron with pH adjusters. Weed Technology, v.17, p.338-345, 2003.

McCORMICK, R.W. Effects of CO2, N2, air and nitrogen salts on spray solution pH. Weed Technology, Champaign, v.4, n.4, p.910-912, 1990.

MERVOSH, T. L.; BALKE, N. E. Effects of calcium, magnesium, and phosphate on glyphosate absorption by cultured plant cells. Weed Science, Champaign, v. 39, n. 3, p. 347- 353, 1991.

PITELLI, R. A. Interferência das plantas daninhas em culturas agrícolas. Inf. Agropec., n.11, 1985.

RODRIGUES, B.N.; ALMEIDA, F.S. Guia de herbicidas. 5.ed. Londrina, 2005. 592p.

SANCHOTENE, D. M.; DORNELLESS. H. B.; DEBORTOLI, M. P.; CAPITANIO, JR.;

MEZZOMO, R. F.; GONÇALVES, R. A. Influência de sais e do pH da água na eficiência de

imazethapyr + imazapic no controle de arroz-vermelho. Planta Daninha, v.25, p.415-419, 2007.

SOUZA, F. D.; ISHIDA, W. Y. F.; MEDICE, R. Adição de redutores de pH e doses de glyphosate na dessecação de plantas daninhas. 8 p. 2014.

STOUGAARD, R. M. Adjuvant combinations with quizalofop for wild oat (Avena fatua) control in pepermit (Mentha piperita). Weed Technology, v.11, p.45-50, 1997.

SUMNER, P. E. Reducing spray drift. Georgia: University of Georgia, 1997, 11p.

TIMOSSI, P.C.; DURIGAN, J.C.; LEITE, G.J. Eficácia de glyphosate em plantas de cobertura. Planta Daninha, v.24, p.475-480, 2006.

WOLF, R. E. Strategies to reduce spray drift. Kansas: Kansas State University, 2000. 4p.

Informações do autores:     

1 Engº Agrônomo, mestrando no Programa de Pós-Graduação em Agronomia: Proteção de Plantas, Depto. de Proteção Vegetal, Faculdade de Ciências Agronômicas/UNESP, Botucatu/SP – Brasil;

2 Engº Agrônomo, mestrando no Programa de Pós Graduação em Agronomia: Proteção de Plantas, Depto. de Proteção Vegetal,FCA/UNESP, Botucatu/SP;

3 Engº Agrônomo, doutorando no Programa de Pós Graduação em Agronomia: Agricultura, Depto. de Produção Vegetal,FCA/UNESP, Botucatu/SP;

4 Engº Agrônomo, mestrando no Programa de Pós Graduação em Agronomia: Agricultura, Depto. de Produção Vegetal,FCA/UNESP, Botucatu/SP;

5 Engº Agrônomo, Prof. Adjunto, Depto. de Proteção Vegetal, FCA/UNESP, Botucatu/SP

Disponível em: Anais do VIII Simpósio Internacional de Tecnologia de Aplicação – SINTAG, Campinas  – SP, Brasil.

Nenhum comentário

Deixar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.