Em vídeo divulgado no canal no Youtube pelo pesquisador Marcelo Gripa Madalosso é abordado sobre a ferrugem asiática da soja e seus principais hospedeiros, ou seja, as plantas em que o fungo consegue completar o seu ciclo, produzindo esporos e permanecendo nas lavouras.


Veja também: Soja Guaxa – ponte verde para patógenos


O pesquisador destacou no vídeo que, além da soja, que é um dos hospedeiros preferenciais da ferrugem, também tem-se cerca de outras 35 espécies de 18 gêneros na família Fabaceae que também podem ser hospedeiros de Phakopsora pachyrhizi.

Dentro desse gênero, algumas espécies são bem conhecidas, como a soja perene (Glycine soja), que pode ser encontrada na beira de matos, ou utilizada em áreas para pastejo; o feijão-de-corda ou feijão caupi (Vigna unguiculata) e o kudzu (Pueraria lobata), que não é muito encontrado no sul do país, mas está presente em algumas áreas, preferencialmente no Paraguai.

Madalosso ressalta que até então, somente esses casos eram conhecidos como hospedeiros da ferrugem, porém, em pesquisas realizadas recentemente, já se tem o relato de outras famílias de plantas que também acabam sendo hospedeiras desse fungo, como a família Convolvulaceae e a Euphorbiaceae ,cujos representantes são a corda-de-viola (Ipomoea nil) e o leiteiro (Euphorbia heterophylla).

Segundo o pesquisador, essa informação é extremamente relevante para entender um pouco mais sobre o fungo causador da ferrugem asiática e como se dá a sobrevivência desse fungo, que por ser biotrófico, deveria ser extinto à medida que não há a presença de hospedeiros vivos.

Como já sabemos que não é somente a soja que é capaz de perpetuar o fungo e que existem outros hospedeiros também favoráveis, essas espécies também devem receber maior atenção na hora do manejo e prevenção contra esse fungo tão devastador na cultura da soja atualmente.

Confira o vídeo abaixo.


Inscreva-se no canal do pesquisador Marcelo Gripa Madalosso Aqui




Elaboração: Engenheira Agrônoma Andréia Procedi – Equipe Mais Soja.

Nenhum comentário

Deixar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.