Já sabemos que o herbicida atrazine é muito utilizado no milho, entretanto, nem sempre usamos a dose cheia.

Isso acontece porque um dos principais focos do uso deste herbicida, além do controle de plantas daninhas de folhas largas, é o controle de soja tiguera.

Foto: A.J.P. Albrecht.

É nesse momento que podemos estar deixando de utilizar uma importante ferramenta para o controle de uma das principais plantas daninhas da soja: a buva!

Foto: A.J.P. Albrecht.

No cultivo do milho de segunda safra, estudos mostram que a dose de 1.500 g i.a./ha já é suficiente para o controle eficaz de soja tiguera.

Entretanto, a dose de 2.000 g i.a./ha controlou a buva em pré e pós-emergência inicial, enquanto que a dose de 1.000 g i.a./ha proporcionou o controle de no máximo 42%.

A dose de atrazine varia de 1.500 a 3.250 g i.a./ha de acordo com a textura do solo.

Fonte: bula.

A dose máxima recomendada pode ter pequenas alterações de acordo com o produto comercial.

A atrazine é um herbicida altamente seletivo para a cultura do milho, até a dose recomendada.

Por isso, a importância da utilização de atrazine na dose máxima recomendada, pois permitirá o controle da buva, reduzindo a infestação no final do cultivo do milho, entressafra e consequentemente, no cultivo da soja no verão.

Agora que vimos a importância do uso da dose cheia de atrazine no milho, vamos ver algumas características deste herbicida.

O herbicida atrazine é indicado para controle de plantas daninhas em milho, sorgo e cana-de-açúcar.

Semeadura com área ainda com buva remanescente

Possui ação sistêmica, de pré e pós-emergência precoce, e pertence ao Grupo Químico Triazina.

Conclusão

O herbicida atrazine é uma importante ferramenta para o manejo da buva.

A dose cheia durante o milho de segunda safra ajudará a reduzir a infestação durante a entressafra e no cultivo de soja no verão.



Gostou do texto? Tem mais dicas sobre o tema? Adoraria ver o seu comentário abaixo!

Sobre a Autora: Ana Ligia Girardeli, Sou Engenheira Agrônoma formada na UFSCar. Mestra em Agricultura e Ambiente (UFSCar) e Doutora em Fitotecnia (USP/ESALQ). Atualmente, estou cursando MBA em Agronegócios.

 

5 Comentários

Deixar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.