O FRAC entende que o combate à resistência e a manutenção da vida útil dos fungicidas para o controle da ferrugem asiática da soja, Phakopsora pachyrhizi, na cultura soja, somente será possível se mantidas boas práticas agronômicas que, dentre as diversas táticas, inclui o respeito às leis que estabelecem a data limite para semeadura ou calendarização de plantio.

Com fundamentação técnica, portanto, o FRAC se posiciona CONTRÁRIO ao cultivo extemporâneo de soja, mais especificamente após o período de calendarização no Estado do Mato Grosso, pelos seguintes motivos:

A calendarização de plantio é uma ferramenta que auxilia na regulação do período em que a cultura e patógeno estão disponíveis no campo. Considerando que o inoculo de ferrugem asiática da soja aumenta exponencialmente ao longo deste período e que quanto mais extenso for este período, maior será a exposição e pressão de seleção da resistência aos fungicidas (independentemente do modo de ação e do histórico de resistência do fungicida).

Com base no constante do programa de monitoramento realizado pelos membros do FRAC, o mesmo dispõe de dados técnico-científicos que indicam que à medida que avançamos para plantios mais tardios, maior é a adaptação e seleção da ferrugem asiática da soja aos fungicidas (populações menos sensíveis, com maior dificuldade de controle).

Estes dados reforçam o posicionamento do FRAC e comprovam que os plantios extemporâneos vão acelerar o problema da resistência, comprometer ainda mais a longevidade dos poucos modos de ação disponíveis e tornar o controle da ferrugem mais desafiador e mais dispendioso para o produtor.

No plantio extemporâneo proposto possivelmente haverá um cenário de aplicação curativa, em função da infecção antecipada (elevada quantidade de inoculo) aliada a alta probabilidade de ocorrência de condições climáticas suficientes para o desenvolvimento da ferrugem, propiciando um ambiente de alta pressão de seleção (favorável à evolução de resistência, acarretando em perdas de controle e de produtividade). O FRAC apresentou seu posicionamento quanto a este assunto em várias ocasiões, incluído comunicados disponíveis em seu website (http://www.fracbr.org).

 No plantio extemporâneo proposto possivelmente haverá um cenário de aplicação curativa, em função da infecção antecipada (elevada quantidade de inoculo) aliada a alta probabilidade de ocorrência de condições climáticas suficientes para o desenvolvimento da ferrugem, propiciando um ambiente de alta pressão de seleção (favorável à evolução de resistência, acarretando em perdas de controle e de produtividade). O FRAC apresentou seu posicionamento quanto a este assunto em várias ocasiões, incluído comunicados disponíveis em seu website (http://www.fracbr.org).

O controle químico através do uso de fungicidas é a principal ferramenta de manejo da ferrugem asiática da soja. Todavia, não deve ser utilizado de forma isolada, mas sim integrado a boas práticas agrícolas como a calendarização de plantio e orientações técnicas proferidas por órgãos especializados e pelo FRAC.

Estas recomendações são essenciais para se preservar a manutenção da eficácia dos fungicidas, tecnologia indispensável para o cultivo da soja no Brasil. Respeitosamente e em conjunto a maior parte da comunidade científica, o FRAC reforça sua posição contrária a alteração da instrução normativa conjunta SEDEC/INDEA – MT N 002/2015.

O FRAC-BR coloca-se à disposição para esclarecimentos necessários. Para maiores informações consultar www.frac-br.org

É a presente, portanto, a cumprir o seu objetivo, sobretudo técnico, nos termos dos objetivos e finalidades do FRAC-BR.

Atenciosamente, FRAC Brasil

Fonte: Comitê de Ação a Resistência a Fungicidas – FRAC Brasil

Texto originalmente publicado em:
FRAC
Autor: FRAC

1 COMENTÁRIO

  1. Senhores, falta destacar que o combate eficiente à Ferrugem Asiática da Soja deve ser através do MANEJO INTEGRADO. Até hoje deu-se muita ênfase ao controle químico, mas a resistência crescente do patogeno as diferentes moleculas destaca a necessidade de se investir com URGENCIA no MELHORAMENTO GENETICO DA SOJA VISANDO a obtenção de novas cultivares com resistência parcial ao patogenia da ferrugem.. Durante o período de VAZIO SANITARIO deve se permitir a CONTINUIDADE ATIVIDADES MELHORAMENTO. nas estufas, laboratórios e no campo. Qualquer obstáculo só serve para retardar a chegada de VARIEDADES GENETICAMENTE TOLERANTES AO MERCADO.

DEIXE UMA RESPOSTA

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.