As plantas daninhas do gênero Conyza são conhecidas por infestar lavouras agrícolas, causando significativas perdas produtivas. Conforme destacado por Barroso et al. (2021), dependendo da densidade populacional de buva (Conyza spp.), perdas de produtividade de até 80% podem ser observadas em soja.

Além da elevada habilidade competitiva, de modo geral, as espécies de buva apresentam rápido crescimento e desenvolvimento, o que aliado aos casos de resistência de algumas espécies a herbicidas, dificulta ainda mais o controle eficiente dessa planta daninha.

Três espécies do gênero Conyza (uma com duas variedades) se destacam por infestar lavouras agrícolas, sendo elas a C. bonariensis var angustifólia e C. bonariensis var bonariensis; C. sumatrensis e C. canadensis. Além de auxiliar no posicionamento de herbicidas frente aos casos de resistência, a identificação das espécies de buva é importante para definir estratégias de manejo.

Barroso et al. (2021), destacam que as perdas produtivas em função da matocompetição exercida pela buva, podem variar também em função da espécie da daninhas. Uma planta m-2 de C. bonariensis gera redução 20% no rendimento de grãos de soja, ao passo que, para C. sumatrensis, essa mesma redução na produtividade ocorre quando a infestação é de quatro plantas m-2 (Barroso et al., 2021).

Para auxiliar na identificação das espécies infestantes de Conyza, Olivella et al. (2016) apresentam algumas das principais diferencias entre as espécies de Conyza. Conforme destacado pelos autores, a C. canadensis apresenta intensa ramificação em cima da haste, embora as ramas não ultrapassem o ápice, as margens das folhas são finamente denticuladas; já a C. sumatrensis apresenta folhas com lâmina oblanceolada, com margens inteiras ou serrilhadas, enquanto as superiores são progressivamente menores, inteiras ou com 1-4 dentes em cada margem (Figura 1).

Figura 1. C. sumatrensis. Desenho de sucessão foliar desde a base até o ápice.

Fonte: Olivella et al. (2016)

Com relação das variedades de Conyza bonariensis, a C. bonariensis var bonariensis apresenta as folhas inferiores ovaladas, com margem serrilhada ou lobada, mas de tamanho variável, já as folhas superiores são lineares com margem inteira. Ambas as folhas são intensamente pilosas em ambas faces e a primeira folha na plântula se caracteriza por apresentar uma forma mais redonda. A C. bonariensis var angustifólia se destaca por ser densamente folhosa, com caule pouco ramificado e todas as folhas estreitamente lineares (Olivella et al.,2016).


Quadro 1. Principais diferenças entre espécies de Conyza.

Fonte: Olivella et al. (2016)

Veja mais: Buva em soja – confira os casos de resistência aos herbicidas


Referências:

BARROSO, A. A. M. et al. CONTROLE DE ESPÉCIES RESISTENTES AO GLIFOSATO. Matologia: estudos sobre plantas daninhas, 2021. Disponível em: < https://b578feeb-308f-4d9a-b48a-05125a3bf347.filesusr.com/ugd/1a54d2_6bdc1f90aa6b47f6bb787706b381084e.pdf?index=true >, acesso em: 01/06/2022.

OLIVELLA, J. et al. ASPECTOS BOTÂNICOS, ECOFISIOLÓGICOS E DIFERENCIAÇÃO DE ESPÉCIES DO GÊNERO Conyza. HRAC-BR, Associação Brasileira de Ação à Resistência de Plantas Daninhas aos Herbicidas, 2016. Disponível em: < https://drive.google.com/file/d/1wp69eAFjo_OHb7R97qDIsGXDc4J785JO/view >, acesso em: 01/06/2022.

Acompanhe nosso site, siga nossas mídias sociais (SiteFacebookInstagramLinkedinCanal no YouTube)

Nenhum comentário

Deixar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.