O extenso período seco que iniciou no inverno e se estende ao longo de outubro, fez com  que se tornasse impossível atingir  a marca de 21,5 M Tn de trigo, que haviam sido projetadas.

Quase 2 sacos já são estimados a menos que os 54 sc/ha projetados.O clima também afetou o nível plantado, ajustando a área de plantio para 6,70 M ha, cerca de 170 mil ha menos do que o estimado há um mês.

As perdas de talhões que foram ignorados devido à falta de água e ao efeito de baixas temperaturas, no todo ou em parte, já somam 208 mil ha. O resultado disso tudo ajusta a estimativa de trigo da Argentina para 20,0 Mt no ciclo 2019/20.

Na maior parte de país às baixas temperaturas e à falta de água se aprofundam com uma perda de rendimento de 30 a 40%. Espera-se que uma média provincial produza menos de 60 sacos, quando no ano passado ultrapassou 64 sc / ha.



A região de Córdoba também não passa por um bom ano: dificilmente aumentaria com uma marca provincial de 47,6 sacos. Os campos de trigo do sul de Santa Fe sofrem com a falta de água, mas as estimativas mostram uma situação melhor. A província alcançaria 55 sc/ha de média

A semeadura do milho rende à incerteza, cai para 6,9 M ha.

A projeção do volume comercial de milho cai de 50 Mt para 47,5 Mt. A área de plantio de milho prometeu ser a mais importante de todos os tempos. Esperava-se um aumento de 3% em relação a 2018/2019, mas após o ajuste, 2019/20 será 1,4% menor.

A intenção vai de 7,25 a 6,9 M ha. A falta de água aumentou a incerteza que veio ao redor do cereal. A semeadura está atrasada em 3 pontos em comparação com as últimas 5 safras. O progresso do trabalho de semeadura abrange 1,45 milhão de ha, 21% da nova intenção de 6,9 ​​M ha.

Poucos dias após o início do plantio, a soja aumenta a aposta e vai para 18 M ha.

A intenção de plantar soja na safra 2019/2020 já soma cerca de 350 mil ha a mais que vem das áreas onde não se conseguiu semear o milho. Agora, com 18,0 M de intenções, a soja poderia produzir mais de 51 Mt de soja.

Sem chuvas significativas no horizonte e sob ameaça de um novo pulso frio, oDr. José Luis Aiello comenta que “embora seja esperado que uma nova frente de tempestade seja apresentada nos dias 11 e 12 de outubro, ela não teria as condições necessárias para reverter a situação”. o pulso seco A falta de água continuaria no oeste do país, também alerta para o possível aparecimento de outro pulso frio.

Trigo 2019/2020

Para o trigo, foram feitos ajustes na superfície implantada em comparação com a estimativa anterior. A província de Buenos Aires, por falta de água, renunciou ao plantio de
170 mil ha. Assim, com 6,70 milhões de hectares, o cultivo de trigo consolida um aumento interanual na área de 3,7%.

Nesta primeira estimativa nacional de trigo feita nas condições da colheita é considerada uma área colhida de 6,50 M ha e um rendimento nacional de 52 sc/ ha. Dessa forma, são estimadas 20 milhões de toneladas de trigo para o atual ciclo de produção na Argentina.

As chuvas continuam sem deixar água no oeste e no centro sul da região dos Pampas. A falta de água é exacerbada no momento em que a área passa por seus estágios mais críticos. A necessidade de chuvas fortes em larga escala é urgente para completar os grãos e reverter a queda de produtividade que vem corroborando a semana.

As baixas temperaturas agravam os danos causados ​​pelo estresse hídrico e há uma nova ameaça de pulso frio. Existem grandes áreas afetadas com danos aos níveis de rendimento que variam de 10 a 40%. Já existem cerca de 350 mil ha, considerados em más condições, dos quais se estima que 200 mil não serão colhidos.

Milho 2019/2020

O plantio mostra um avanço lento, progresso limitado à disponibilidade de umidade em cada área. Nacionalmente, 21%, cerca de 1,45 M ha, foram cobertos, quando quase 1,7 M ha já foram implantados. São necessárias chuvas de mais de 35 a 40 mm para generalizar as tarefas de implementação.

Embora um aumento de 3,5% na área ano-a-ano tenha sido estimado há um mês, espera-se uma retração na área de 1,4%. Uma nova passagem da área para a soja não é descartada se o tempo seco continuar. Portanto, pode haver novos ajustes nos próximos meses que afetem o nível final de plantio.

Se os 6,9 M ha de plantio de milho fossem confirmados, ele estaria na frente de uma base colhida de 5,9 M ha. Isso permite projetar uma safra de milho com um volume próximo a 47,5 M Tn.

Fonte: Adaptado de Bolsa de Comércio de Rosário

Texto originalmente publicado em:
BCR
Autor: BCR

Nenhum comentário

Deixar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.