Em vídeo divulgado no canal do Youtube Professores Alfredo & Leandro Albrecht, Alfredo, professor da UFPR e um dos supervisores do grupo Supra Pesquisa, mostra uma lavoura de soja localizada no oeste do estado do Paraná que apresenta um cenário muito parecido com o que ocorreu no ano passado, que foi a presença de buva verde no meio da soja dessecada, antes da colheita.


Veja também: Dessecação da soja para colheita! Quando e por que fazer?


Um dos grandes desafios no manejo integrado de plantas daninhas, assim como no manejo do sistema, é evitar a “ponte verde”. A ponte verde, por assim dizer, é um termo que sintetiza a ideia de conexão entre cultivos de um problema fitossanitário.

No caso de espécies como a buva, sobreviventes à dessecação de Paraquat ou Diquat (comum especialmente no Oeste do Paraná), a mesma pode servir ao banco de sementes, rebrotar e mato interferir na cultura posterior (milho) e ainda proporcionar aos percevejos (e outras pragas) que se perpetuam no sistema com o auxílio dessa espécie.

Esse cenário só torna mais complexo o trabalho com o sistema produtivo, e apela para uma postura proativa e de boas práticas agrícolas.

Como destacado pelo pesquisador, se essas plantas de buva não fossem resistentes ao Paraquat, teriam sido controladas com a aplicação, porém, o fato de não serem suscetíveis acaba prejudicando todo o sistema de produção, exigindo novas alternativas de controle.

Esse cenário dramático e problemático para os produtores rurais infelizmente é uma realidade em muitas lavouras de soja no nosso país, e em virtude disso que a pesquisa e trabalhos que busquem a solução para o produtor rural são de estrema importância.

Confira o vídeo abaixo.


Inscreva-se agora no canal dos Professores Alfredo & Leandro Albrecht, aqui.



Elaboração: Engenheira Agrônoma Andréia Procedi – Equipe Mais Soja.

Nenhum comentário

Deixar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.