Luis Henrique Penkcowski & Evandro H. G. Maschietto

O setor de herbologia alerta que identificou plantas de Amaranthus hybridus (caruru) com suspeitas de resistência ao herbicida glyphosate e inibidores de ALS, na região de Campos Gerias, na safra agrícola 2018/2019.

O agricultor relatou aos pesquisadores que estava com dificuldade em controlar plantas de caruru na cultura da soja, com tecnologia Roundup Ready. A equipe da Fundação ABC foi até o local e realizou um trabalho com o herbicida Zapp QI (glyphosate) nas doses de 0, 1, 2, 4, 8, 12 e 32 L/ha do produto comercial, com 4 repetições. Após as avaliações, foi constatado ausência de controle das plantas de caruru, mesmo nas maiores doses do herbicida glyphosate.



Amostras de planta foram coletadas e encaminhadas para diferentes institutos e laboratórios do país e a mesma foi identificada como sendo da espécie Amaranthus hybridus. De acordo com Kurt Gottfried Kissmann, pesquisador e autor de livros na área de plantas daninhas, esta espécie não é um híbrido, mas sim uma planta que apresenta características isoladas de outras espécies de caruru e é encontrada no continente americano, do Canadá até a Argentina. No Brasil, é praticamente encontrado em todos os estados.

Amaranthus palmeri é uma planta anual, monóica, herbácea com caule ereto, apresentando grande variabilidade de cores, existindo desde o verde até o vermelho-púrpura. As folhas são simples lanceoladas, dispostas de forma helicoidal. inflorescências com flores masculinas e femininas com maturação ocorrendo entre plantas de 20 cm a 2 m de altura. É capaz de produzir até 200 mil sementes e a dispersão é feita através da semente, pela abertura espontânea dos frutos, podendo ser principalmente disseminadas por ventos, insumos, esterco animal, pássaros e mamíferos.

Na Argentina, já existem casos de A. hybridus com resistência a glyphosate desde 2013 e atualmente há plantas desta espécie apresentando resistência múltipla a herbicidas inibidores de EPSPS, ALS e Auxinas. Com isso, a aplicação de glyphosate na pós-emergência da soja ou do milho RR não resulta em controle eficaz e é necessário utilizar outros herbicidas na pré-emergência e pós-emergência da cultura, o que encarece o custo de controle.

A preocupação é que o caruru tem grande capacidade de interferência nas culturas anuais do milho e da soja, podendo reduzir o rendimento em até 80%, além de inviabilizar a colheita mecânica. Outra informação de destaque é que as plantas possuem hibridação natural e, portanto, pode ocorrer transferência da resistência à herbicidas de A. hybridus para outras espécies de caruru.

Estudos estão sendo realizados em casa de vegetação e no campo para compreender melhor a respeito da biologia e manejo do Amaranthus hybridus com suspeita de resistência ao herbicida glyphosate e inibidores ALS.

IMPORTANTE: Se você encontrar plantas de caruru suspeitas de resistência ao herbicida glyphosate entre em contato imediatamente com a Fundação ABC.

Imagens de plantas Amaranthus hybridus encontradas na região dos Campos Gerais – PR. Fotos: Evandro H. G. Maschietto.

Fonte: Informativo técnico nº 65, Fundação ABC.

Autores: Luis Henrique Penkcowski & Evandro H. G. Maschietto

Nenhum comentário

Deixar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.