Teores de água e níveis de compactação sobre as propriedades físicas de um Nitossolo Vermelho

0
2046

O objetivo deste trabalho foi avaliar diferentes teores de água e diferentes níveis de compactação e seus efeitos sob os parâmetros físicos do solo.

Trabalho disponível nos Anais do Evento e publicado com o consentimento dos autores.
Trabalho disponível nos Anais do Evento e publicado com o consentimento dos autores.

Autores: Marcos Longaretti, David Peres da Rosa, César Augusto Cansian, Nicael Tedesco dos Santos, Artur Zancan

Palavras-chave: porosidade total; densidade do solo; estrutura do solo.

A degradação da estrutura física do solo decorrente da compactação tem provocado efeitos negativos em suas propriedades físicas, químicas e biológicas, com prejuízos ao desenvolvimento das plantas e, consequentemente, à produção de alimentos.

O processo de compactação resulta no aumento da densidade do solo, diminuições da porosidade total, do tamanho e da continuidade dos poros, sendo que em excesso pode limitar a adsorção e/ou absorção de nutrientes, reduzir drasticamente a infiltração e redistribuição de água (SMUCKER; ERICKSON, 1989) resultando em decréscimo da produção, bem como, no aumento da erosão e da potência mecânica necessária para o manejar o solo.

O tráfego de máquinas e implementos agrícolas nas atividades de cultivo tem sido enfatizada como a principal fonte da compactação, nesse contexto, fatores relacionados com pneus estreitos ou uso de elevada pressão de inflação e, alta carga por eixo, potencializam a compactação no solo (HAKANSSON, 1990). Esse fenômeno é agravado quando as operações são efetuadas com um conteúdo de água elevado, inadequado para as atividades agrícolas. O objetivo deste trabalho foi avaliar diferentes teores de água e diferentes níveis de compactação e seus efeitos sob os parâmetros físicos do solo.

O experimento foi implantado em novembro de 2015, na área experimental do Instituto Federal de Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul – Campus Sertão, sobre um solo classificado como NITOSSOLO VERMELHO (EMBRAPA, 2006). O solo passou por gradagem e subsolagem no primeiro semestre de 2015, para homogenizar as camadas quanto a estrutura física e química, bem como, para ser feito um acompanhamento da evolução do sistema de manejo do plantio direto (SPD).

Os tratamentos no campo estão distribuídos em blocos ao acaso em esquema tri-fatorial (4 blocos), sendo que o fator 1 teor de água no momento da compactação e fator 2 nível de tráfego e fator 3 será posição de coleta das informações. As condições de água foram muito úmido (MU) e capacidade de campo (CC), os nível de tráfego foram 2 (NT2), 4 (NT4) e 8 (NT8) passadas de um trator mais pulverizador (5,6 Mg) e as posições são linha (L) e entre linha (EL), para verificar ação dos mecanismos sulcadores na semeadura. A campo, o experimento possui parcelas de 8,0 x 21,0 m, sendo que entre as parcelas e entre blocos 1,0 m. A cultura implantada foi a soja (Glycine max L.).

As propriedades físicas para qualificar os níveis de tráfego e os efeitos da água no momento do tráfego foram à porosidade total e a densidade do solo. A porosidade e a densidade do solo foram avaliadas para verificar há presença de camadas compactadas. Amostras foram coletadas em cilindros de aço inoxidável (5,0 x 5,0 cm) e processadas em mesa de tensão a base de areia, que está no Núcleo de Estudos de Solos e Máquinas Agrícola do IFRS campus Sertão, seguindo a metodologia proposta pela Embrapa (1997). As amostras foram extraídas na floração da cultura, sendo realizado coletas em três camadas: 0,02-0,07 m, 0,07-0,12 m, 0,12-0,17 m, tais camadas foram escolhida após uma avaliação de resistência mecânica do solo à penetração em todas as parcelas, buscando analisar as variações ao longo de todo o perfil. Foram realizados um ponto de coleta por parcela, sendo coletada duas amostras por camada.

Para avaliação dos dados foi realizado a análise estatística, que constou de análise da variância pelo teste F e teste de comparação de medias através do teste de Tukey ao nível de significância de 5 %, através do software estatístico Assistat 7.7 Beta. Os dados de densidade de solo apresentaram diferença apenas na camada de 0,02-0,07 m, em que a condição de tráfego em elevado teor de água (MU) apresentou menor valor comparado com a condição de capacidade de campo (CC) no nível de tráfego NT8 na posição entre linha (EL). Na condição CC nota-se um aumento gradativo dos valores de densidade do solo conforme aumenta-se o nível do tráfego, isso explica-se devido a pressão exercida pela máquina utilizada na compactação, o que vai de acordo com o trabalho de Reinert et al. (2004) em ARGISSOLO VERMELHO-AMARELO. Na condição de água MU no nível de tráfego NT4 a densidade do solo diferiu entre os demais tanto na EL como na linha (L). Nesta camada nenhum valor demonstrou-se restritivo para o desenvolvimento das plantas, todos dados ficaram abaixo de 1,49 a 1,53 Mg m-3 (REICHERT et al., 2008).

A densidade do solo nas camadas de 0,07-0,12 m e 0,12-0,17 m não tiveram interação entre os fatores tráfego, teor de água no momento de tráfego e posição de coleta, bem como, não foi encontrado valores restritivos para o desenvolvimento das plantas segundo Reichert et al. (2008).

Na porosidade total do solo, houve interação na camada de 0,02-0,07 m entre os níveis de tráfego e a posição de coleta, apontando para menor porosidade na entrelinha no NT2, contudo esta não difere da linha. Comparando as posições, observa-se que na L no NT4 e NT8 os valores de porosidade do solo foram maiores e diferem da EL.

Na camada de 0,07-0,12 m não ocorreu efeito e nem interação dos fatores, fato que muda na camada de 0,12-0,17 m, em que há interação entre todos os fatores, sendo que na condição de CC no nível de tráfego NT4 na posição L diferiu dos demais. Entre os teores de água, a porosidade diferiu no nível de tráfego NT2 posição EL, e no NT4 posição L, sendo que os valores para MU foram menores que CC, demonstrando ação da compactação na troca de espaços porosos por sólidos tais resultados coincidem com trabalhos de Pinto Filho et al. (2009).

O nível de tráfego interfere no aumento do processo de compactação, sendo que quanto maior a intensidade de tráfego do trator, maior a densidade do solo. Na condição de tráfego com 4 passadas e com elevado teor de água do solo a porosidade total tende a diminuir. A posição não interferiu no teor de compactação.

Referências

DE OLIVEIRA PINTO FILHO, J. L.; DANTAS, V. B.; PEREIRA, J. O. Suscetibilidade de compactação do solo em diferentes teores de umidade e matéria orgânica. Revista Verde de Agroecologia e Desenvolvimento Sustentável, v. 4, n. 2, p. 76-84, 2009.

EMBRAPA. Sistema Brasileiro de Classificação de Solos. Brasília: EMBRAPA, 412 p, 2006.
HAKANSSON, I. Soil compaction control: objectives, possibilities and prospects. Soil Technol., 3:231-239, 1990.

REICHERT, J. M.; SUZUKI, L. E. A. S.; REINERT, D. J. Compactação do solo em sistemas agropecuários e florestais: Identificação, efeitos, limites críticos e mitigação. Viçosa: Sociedade Brasileira de Ciência do Solo, 5: 49-134, 2008.

REINERT D. J., STRECK C. A.; REICHERT, J. M.; KAISER, D. R. Modificações em propriedades físicas com a compactação do solo causada pelo tráfego induzido de um trator em plantio direto. Ciência Rural, v. 34, n. 3, 2004.

SMUCKER, A.J.M.; ERICKSON, A.E. Tillage and compactive modifications of gaseous flow and soil aeration. In: Larson, W.E.; Blake, G.R.; Allmaras, R.R.; Voorhees, W.B.; Gupta, S.C. (eds.). Mechanics related process in structured agricultural soils. NATO applied sciences. Amesterdam: Kluwer Academic Publishers, v.172, p.205-221, 1989.

Informações dos autores:

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul – Campus Sertão, Bolsista, Sertão – RS

Nesma – Grupo de Estudos em Solos e Máquinas Agrícolas.

Disponível em: Anais XX Reunião Brasileira de Manejo e Conservação do Solo – RBMCSA. Foz do Iguaçu, PR. 2016.

Nenhum comentário

Deixar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.