Os preços do trigo e de seus derivados oscilaram com maior intensidade ao longo de 2020, mas, no geral, se mantiveram elevados frente a anos anteriores. No caso da matéria-prima, os valores iniciaram o ano em alta, movimento que teve início em outubro de 2019 e que foi influenciado pelo dólar valorizado, por dificuldades na importação e, mais recentemente, pela firme demanda interna.

Já no fim de 2020, a intensificação dos trabalhos de campo e a finalização da colheita pressionaram as cotações do cereal no mercado interno. No entanto, na média do ano, as cotações domésticas estiveram acima das verificadas em 2019, em termos nominais.

No mercado de derivados, apesar da covid-19, o abastecimento de farinhas e farelos permaneceu estável, e a demanda, aquecida. Destaca-se que as massas destinadas a macarrão estiveram entre os itens mais procurados pelos consumidores finais durante a pandemia.

Dessa forma, as cotações das farinhas e dos farelos permaneceram em alta em 2020, influenciadas também pelo significativo aumento no preço do trigo em grão e, consequentemente, pelo repasse desses valores aos derivados, já que os moinhos operaram com margens apertadas.

Fonte: Cepea –  www.cepea.esalq.usp.br

Texto originalmente publicado em:
Cepea
Autor: Cepea/Esalq

Nenhum comentário

Deixar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.