O mercado de trigo iniciou 2018 com menor produção doméstica, grande volume importado e preços internos em alta, especialmente no Paraná e em São Paulo, de acordo com informações do Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada), da Esalq/USP. Esse cenário atraiu produtores e, com isso, a área em 2018 cresceu, mas o clima desfavorável prejudicou a qualidade do cereal desta temporada.

Para a colheita em 2018, a estimativa inicial da Conab (Companhia Nacional de Abastecimento), divulgada em março/18, previa produção de 4,66 milhões de toneladas, que acabou sendo reajustada meses depois para 5,53 milhões de toneladas. Já na estimativa divulgada em dezembro, a Companhia indicou a oferta interna um pouco menor, de 5,4 milhões de toneladas.

Vale lembrar que, entre agosto/17 e julho/18 (safra 2017/18), houve redução na área de semeio, devido à menor atratividade da cultura, queda de produtividade e oferta interna reduzida. Assim, a produção nacional colhida em 2017 foi a mais baixa desde 2012, ainda de acordo com dados da Conab, sendo necessário manter elevada as importações, que alcançaram 6,39 milhões de toneladas no período. Somando os estoques inicias da safra 2017/2018, a produção e as importações, a disponibilidade interna ficou em 13,18 milhões de toneladas, enquanto o consumo recuou 4,6%, a 10,9 milhões de toneladas. Nem mesmo o menor uso do trigo foi suficiente para conter a queda nos estoques finais da temporada 2017/18 e, consequentemente, iniciais da 2018/19.

No primeiro semestre de 2018, período de entressafra argentina, a forte alta do dólar encareceu as importações de trigo e sustentou os preços no Brasil. Em junho/18, as cotações estaduais atingiram os maiores patamares nominais da série do Cepea, iniciada em janeiro de 2004. Em termos reais, as médias mensais foram as maiores desde outubro/13 para os estados do Paraná, Rio Grande do Sul e São Paulo. Em Santa Catarina, os preços foram, em junho, os maiores desde maio de 2014, em termos reais.

Já no segundo semestre, a oferta interna e os bons estoques das indústrias fizeram com que os preços caíssem, movimento que persistiu até outubro. De outubro a dezembro, compradores, preocupados com a possibilidade de novas altas nas cotações no início de 2019, estiveram ativos, sustentando os valores, principalmente no último mês do ano.

No balanço anual, os preços do trigo no mercado de balcão (ao produtor) no Rio Grande do Sul e no Paraná subiram 31,8% e 34,7%, respectivamente. No mercado de lotes (negociação entre empresas), as altas no Rio Grande do Sul, Paraná e em São Paulo foram de 35,1%, 24,4% e 29,9%, na mesma ordem.



Apesar de a paridade de importação ter se mantido elevada em boa parte do ano, a oferta restrita do grão brasileiro de boa qualidade manteve as aquisições aquecidas. De agosto/17 a julho/18 (ano-safra 2017/18), as compras de trigo somaram 6,39 milhões de toneladas, de acordo com a Secex – do volume total adquirido, praticamente 90% tiveram como origem a Argentina. Em 2018, de janeiro a dezembro, foram importadas 6,82 milhões de toneladas.

DERIVADOS – Para os derivados de trigo, o ritmo de negócios foi lento em 2018. Empresas realizaram compras aos poucos, devido às incertezas quanto à qualidade da matéria-prima e às dificuldades de repasse dos custos aos produtos finais.

No entanto, os valores das farinhas registraram expressivas altas. No primeiro semestre, a valorização esteve relacionada à menor oferta de trigo, elevando o custo dos derivados. Para o segundo semestre, agentes reduziram as cotações dos produtos em alguns segmentos, com o intuito de manter a atratividade e a liquidez das comercializações.

De acordo com o IBGE, na parcial de 2018 (até novembro), o esmagamento de trigo diminuiu 4% e, no acumulado dos últimos 12 meses, 4,4%. Vale considerar que, em 2017, o processamento de trigo teve redução de 5,4%, ainda segundo o Instituto.

De modo geral, o preço para aquisição das farinhas ficou, em média, duas vezes maior que o do grão. Entre 28 de dezembro de 2017 e 28 de dezembro de 2018, a cotação média da farinha para massas frescas subiu 28,01%; para pré-mistura, 26,63%; integral, 26,14%; panificação, 26,31%; bolacha salgada, 6,65%; massas em geral, 30,88%; e bolacha doce, 9,72%.

No mercado de farelo de trigo (ensacado e a granel), as cotações registraram movimentos distintos no decorrer do ano. Nos primeiros meses de 2018, mesmo com a demanda aquecida, moinhos cederam aos pedidos de compradores para preços menores. A partir da segunda metade do ano, os valores dos farelos apresentaram altas expressivas, devido ao baixo volume de moagem e às altas cotações de milho em algumas praças. De 28 de dezembro de 2017 a 28 de dezembro de 2018, os preços do ensacado se elevaram 24,67% e os do a granel, 21,66%.

INTERNACIONAL – Os preços nas bolsas norte-americanas encerraram o ano registrando fortes elevações. Esse cenário se deve à menor oferta mundial, aos estoques domésticos em baixa e às maiores exportações norte-americanas. No acumulado de 2018 (de 28 de dezembro de 2017 a 28 de dezembro de 2018), o primeiro vencimento do trigo Soft Red Winter negociado na CME Group avançou 19,8%, e na Bolsa de Kansas, os futuros do trigo Hard Winter se valorizaram 16,1%.

Na Argentina, apesar da produção recorde, os preços atingiram patamares elevados. Segundo a Bolsa de Cereales, as exportações devem ser expressivas, com vendas antecipadas. Os preços FOB no porto de Buenos Aires subiram 31,6% no ano.

Mundialmente, a produção somou 763,06 milhões de toneladas de trigo na safra 2017/18, 1% acima de 2016/17. O consumo foi de 744,16 milhões de toneladas, contribuindo para elevação dos estoques, que passaram a ter relação com o consumo na ordem de 35,5%, contra 34,2%, segundo dados do USDA divulgados em dezembro/18.

Fonte: CEPEA

Texto originalmente publicado em:
CEPEA
Autor: CEPEA

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.