O presente estudo teve como objetivo descrever a variabilidade e as relações espaciais das propriedades físicas ligadas a estrutura de Neossolos cultivados com soja, sob cultivo mínimo, numa catena do pampa.

Autores:  Lucas Nascimento Brum1; Julio César Wincher Soares2; Camila dos Santos Ferreira1; Daniel Nunes Krum1; Jessica Santi Boff1; Higor Machado de Freitas1; Pedro Maurício Santos dos Santos1

Trabalho publicado nos Anais do evento e divulgado com a autorização dos autores.

INTRODUÇÃO

A relação entre os elementos minerais e orgânicos promove a organização e o acomodamento das partículas no solo, resultando na sua estrutura. Solos com boa estrutura, possuem valores adequados de porosidade, com boa aeração, infiltração e retenção de água, beneficiando a elongação radicular e o desenvolvimento das culturas.

O monitoramento espacial da estrutura do solo visa analisar as propriedades físicas com a mesma, afim de avaliar e elevar a fertilidade física. Assim, para o estudo da variabilidade espacial das propriedades físicas é utilizada a geoestatística, que se define como a parte da estatística que desenvolve e aplica modelos para representar fenômenos naturais, na qual as propriedades variam de acordo com a localização espacial dos pontos de medição (Meirelles et al., 2007).

O presente estudo teve como objetivo descrever a variabilidade e as relações espaciais das propriedades físicas ligadas a estrutura de Neossolos cultivados com soja, sob cultivo mínimo, numa catena do pampa.

 

MATERIAL E MÉTODOS

O trabalho foi realizado na Fazenda Escola da Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões, Campus de Santiago, com coordenas centrais UTM 705.589 E e 6.769.112 S (SIRGAS2000, zona 21 S).

Conforme o Sistema Brasileiro de Classificação de Solos (EMBRAPA, 2013), na catena em estudo, desenvolvem-se Neossolos Litólicos Distróficos e Neossolos Regolíticos Distróficos, com grande contribuição da fração silte para a composição textural franco-siltosa (silte 560 g kg-1, areia 240 g kg-1, argila 200 g kg-1).

Foram realizadas prospecções por meio de 52 pontos de uma malha, com intervalos regulares de 15 m, na profundidade de 0,0 – 0,2 m, numa área de 1,17 ha. Para locação dos pontos foi empregado um receptor GNSS (Global navigation Satellite System) Leica modelo Viva GS15, com dupla frequência (L1/L2) e disponibilidade de Real Time Kinematic (RTK).

Durante as prospecções foram coletadas amostras indeformadas para a determinação da densidade do solo (DS), da porosidade total (PT), da macroporosidade (MACRO) e da microporosidade (MICRO); as análises laboratoriais foram realizadas conforme Donagema (2011).

A variabilidade do solo foi avaliada pela análise estatística descritiva. A normalidade dos dados foi testada pelo teste de Kolmogorov-Smirnov, ao nível de 99% de significância. Já o coeficiente de variação (CV) foi classificado segundo Warrick & Nielsen (1980), que considera variabilidade baixa (CV < 12%); média (12%< CV >60%) e alta (CV > 60%).

Foram realizados os ajustes dos modelos de semivariogramas aos dados, sendo definidos os seguintes parâmetros: efeito pepita, patamar e alcance. Posteriormente, o grau de dependência espacial (IDE) foi classificado conforme Cambardella et al. (1994). Em seguida, os mapas das diferentes propriedades físicas do solo foram gerados utilizando o interpolador de krigagem ordinária do ArcGIS® 10.5.1.

RESULTADOS E DISCUSSÃO

Os dados das propriedades avaliadas apresentam distribuição normal, com baixa dispersão, exceto para a MACRO, que apresentou dispersão média (TABELA 1).

Tabela 1 – Análises estatísticas descritivas das propriedades físicas ligadas a estrutura de Neossolos cultivados com soja, sob cultivo mínimo, numa catena do pampa.

Conforme a tabela 1, a DS apresentou valor médio de 1,31 g cm-³, sendo este valor satisfatório para o desenvolvimento radicular da maioria das culturas, uma vez que, os solos estudados apresentam textura média, com densidade crítica proposta por Reinert et al. (2001) de 1,55 g cm-³.

Para a PT, o valor médio foi de 46,75%. Segundo Kiehl (1979), o solo ideal deve apresentar 50% de espaço poroso; desta maneira, pode-se afirmar que a propriedade encontra-se próxima ao ideal. Fracionando o espaço poroso, observou-se que a MICRO obteve valor médio de 38,10%, considerado como ideal para retenção de água (KIEHL, 1979; HILLEL, 1998). O restante do espaço poroso, ou seja, a MACRO, apresentou valor médio de 8,65%, que segundo Thomasson (1978) e Hillel (1998), pode ser considerado restritivo para a maioria das culturas, interferindo no desenvolvimento radicular, infiltração e percolação da água no perfil do solo e, trocas gasosas.


Confira nossa galeria de cursos TOTALMENTE ONLINE! Agregue conhecimento, faça já!


Todas as propriedades físicas ligadas a estrutura de Neossolos cultivados com soja, sob cultivo mínimo seguiram o ajuste ao modelo Stable, com valores de alcance de: 44,13; 28,84; 31,56 e 27,50 m, respectivamente (TABELA 2). Os valores indicados são superiores a equidistância da malha amostral de 15m, o que indica alta acurácia nas simulações espaciais.

Tabela 2 – Parâmetros dos modelos de semivariogramas ajustados para as propriedades físicas ligadas a estrutura de Neossolos cultivados com soja, sob cultivo mínimo, numa catena do pampa.

O valor do efeito pepita foi de 0 para todas as propriedades, assim, o erro experimental é nulo, não existe uma variação significativa para distâncias menores que a amostrada. Por fim, o grau de dependência foi classificado como forte para todas propriedades estudadas (Cambardella et al., 1994).

Avaliando os diferentes modelos digitais descritos na figura 1, observa-se que quando maior o valor da DS, menor será o de PT e MACRO, estabelecendo-se assim, relações inversas, como descrito por Reinert et al. (2001) e Reinert & Reichert (2006).

Figura 1 – Mapas da distribuição espacial da densidade do solo (DS), porosidade total (PT), microporosidade (MICRO) e macroporosidade (MACRO) de Neossolos cultivados com soja, sob cultivo mínimo, numa catena do pampa.

CONCLUSÃO

Foram observadas relações espaciais entre as diferentes propriedades físicas ligadas a estrutura de Neossolos cultivados com soja, sob cultivo mínimo; com macroporosidade restritiva para o desenvolvimento adequado da maioria das culturas agrícolas. A densidade amostral foi de grande importância para a definição das variáveis com exatidão.

REFERÊNCIAS

CAMBARDELLA, C. A. et al. Field-scale variability of soil properties in central Iowa soils. Soil Science Society of America Journal, v. 58, n. 5, p. 1501-1511, 1994.

DONAGEMMA, G. K. et al. (Org.) Manual de métodos de análise de solos. 2. ed. rev. Rio de Janeiro: Embrapa Solos, 2011. 230 p. (Documentos, 132).

EMBRAPA. Sistema brasileiro de classificação de solos. Rio de Janeiro: Embrapa Solos, 2013. 353p.

HILLEL, D. Fundamentals of soil physics. New York: Academic, 1980. 413 p.

MEIRELLES, M. S. P.; CAMARA, G.; ALMEIDA, C. M. Geomática: Modelos e aplicações ambientais. Brasilia, DF: Embrapa, 2007. 593 p.

REINERT, D. J. et al. Propriedades físicas de solos em sistema de plantio direto irrigado. In: CARLESSO, R. et al. Irrigação por aspersão no Rio Grande do Sul. Santa Maria: UFSM, 2001, 165p.

Informações dos autores:  

1Acadêmico (a) do Curso de Agronomia, Universidade Regional Integrada (URI) Campus Santiago, Santiago/RS;

2Professor Dr. do Curso de Agronomia, Universidade Regional Integrada (URI) Campus Santiago; Santiago/RS.

Disponível em: Anais do I Congresso Online para aumento da produtividade de soja 2018. Santa Maria, RS.

Nenhum comentário

Deixar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.