Volumes de calda no controle de lepidópteros na soja

0
6127

O presente trabalho objetiva investigar as injúrias foliares ocasionadas por lepidópteros-praga da soja em plantas submetidas a altas taxas de aplicação de Clorantraniliprole

Autores:   LENIO C. M. CAMARGO1, DANILO B. GARCIA2, ORCIAL C. BORTOLOTTO3, BEATRIZ L. COMIN4, OTAVIO J. G. ABI-SAAB5

Trabalho disponível nos Anais do Evento e publicado com o consentimento dos autores.

RESUMO

Avaliou-se as injúrias ocasionadas por lepidópteros-praga em soja submetida a altas taxas de aplicação de Clorantraniliprole (20% SC). A pesquisa foi realizada durante safra de soja 2014/2015, em Capão Bonito, SP. Para isso, o estudo foi estabelecido em delineamento experimental de blocos aleatorizado em esquema fatorial 4 [volumes de calda: 112, 224, 448 e 672 L.ha-1] x 3 [alturas no dossel: (terços superior, médio e inferior)]. As aplicações de inseticida foram realizadas antes (estádio V8) e após (estádio R5.1) o fechamento das entrelinhas da soja. Folhas de soja foram coletadas e, em laboratório, ofertadas para as lagartas de Chrysodeixis includens e Helicoverpa armigera, permitindo-se o consumo por até sete dias. A maior cobertura foliar foi observada no terço superior do dossel, independente da taxa de aplicação e do estádio fenológico da cultura, refletindo em menores injúrias.

Durante a fase vegetativa não se observou influência da taxa de aplicação sobre as injúrias, no entanto, na fase reprodutiva o volume a partir de 224 L.ha-1 foi o mais adequado (assemelhando-se a 448 e 672 L.ha- 1). O uso de altas taxas de aplicação (acima de 224 L.ha-1) não reduzem as injúrias ocasionadas por lepidópteros-praga da soja.

PALAVRAS-CHAVE: tecnologia de aplicação, pragas da soja, diamidas.

Continua após a publicidade…


SÓ + HOJE: Você que ainda não se atualizou em 2017, aproveite o fim de ano Mais Soja e faça já seu curso por APENAS R$ 50,00. De 27/12 a 31/12, clique aqui e garante o teu._______________________________________________________________________

SPRAY VOLUME IN LEPIDOPTERAN CONTROL ON SOYBEAN

ABSTRACT 

 Was evaluated leaf injuries caused by lepidopteran pests in soybean subjected to high Clorantraniliprole vollume rates (20% SC). The survey was conducted during 2014/2015 soybean crop in Capão Bonito, São Paulo. For this, the study was established in experimental design of randomized blocks in a factorial 4 [application rates (112, 224, 448 and 672 L.ha-1)] x 3 [heights in the canopy (upper third, middle third and lower third parts)]. Insecticide applications were performed before (V8 stadium) and after (R5.1 stadium) the closing of the soybean lines. Subsequently, the leaves were offered for Chrysodeixis includens and Helicoverpa armigera (Lepidoptera: Noctuidae) larvae during seven days. In general, the higher leaf coverage by insecticide was observed in the upper third of the canopy, regardless of the application rates and the phenological stage of the crop, resulting lower leaf injuries. During the vegetative stadium is not observed influence of application rate of insecticide on leaf damage, however, in the reproductive stadium the volume of 224 L.ha-1 was the most suitable (resembling 448 and 672 L.ha-1).

This study shows that application rates above of 224 L.ha-1 did not reduce leaf injuries caused by lepidopteran pest soybean.

KEYWORDS: application tecnology, soybean pests, diamides.

INTRODUÇÃO

O controle de insetos-praga na soja tem sido basicamente com aplicação de inseticidas (PANIZZI A.R.., 2006; BUENO et al., 2010); no entanto, o hábito das pragas no baixeiro das plantas (HERZOG, 1980 e DUFFIELD; CHAPPLE, 2001) pode dificultar o seu contato com o produto.

Na cultura da soja, as principais espécies de lagartas são a Anticarsia gemmatalis (Lepidoptera: Eribidae) e Chrysodeixis includens (Lepidoptera: Noctuidae) (BUENO et al., 2010). Contudo, recentemente foi registrado no Brasil a ocorrência de Helicoverpa armigera (Lepidoptera: Noctuidae) (CZEPAK et al., 2013), tendo como característica elevada capacidade de ocasionar danos na cultura, em razão de alimentar-se não somente da estrutura foliar mas também das vagens de soja.

Uma alternativa para melhorar a eficiência do controle químico dessas pragas poderia ser a adoção de altas taxas de aplicação, visando melhor cobertura foliar no dossel da planta. Desse modo, o presente trabalho objetiva investigar as injúrias foliares ocasionadas por lepidópteros-praga da soja em plantas submetidas a altas taxas de aplicação de Clorantraniliprole.

MATERIAL E MÉTODOS

Para o estudo, foi utilizada a variedade de soja Nidera (NA5909 RG) semeada em 10/12/2014, com 280.000 plantas por hectare no momento da aplicação. Todas as parcelas receberam o mesmo tratamento para o controle de plantas daninhas, doenças e pragas.

O experimento foi delineado em blocos ao acaso e em esquema fatorial 4 [ taxas de aplicação (112, 224, 448 e 672 L.ha-1)] x 3 [alturas no dossel (terços superior, médio e inferior)], com quatro repetições. Para avaliar a capacidade de penetração do inseticida, o estudo foi realizado antes e após o fechamento das entrelinhas da soja (V8 e R5.1, respectivamente).

Foi utilizado o inseticida Clorantraniliprole (20% SC), grupo químico das diamidas, na dose de 50 mL ha-1. A aplicação do inseticida foi realizada com um pulverizador autopropelido (Jacto), modelo Uniport 3030, com barra de pulverização de 28 m. As pontas de pulverização utilizadas foram XR 110.04 espaçadas de 0,50 m, reguladas na pressão de 275,79 kPa (gotas médias).

Durante a pulverização, a barra esteve posicionada 0,50 m acima do dossel da soja. A área de cada repetição (parcela) foi de 280m(14m x 20m), no entanto, a área útil foi representada por 54m2 (6m x 9m). A velocidade média de deslocamento do pulverizador foi de 16 km h-1, proporcionando taxa de 112 L.ha-1. Para simular a taxa de 224 L.ha-1, foram realizadas duas aplicações de inseticida na parcela. Assim como, para 448 L.ha-1 e 672 L.ha-1, foram realizadas quatro e seis aplicações, respectivamente.

Nesses casos, foram mantidas as mesmas regulagens e calibração, somente a dose do inseticida foi diluída proporcionalmente. As aplicações foram realizadas de manhã, iniciando as 09:20, com duração máxima de 1:30 h.

Os dados climáticos durante as aplicações, nos estádios fenológicos V8 e R5.1 (respectivamente) foram de: 26 e 27°C (temperatura), 63 e 61% (UR), 5 e 4 km.h-1 (velocidade do vento), e nebulosidade de 33%. Para avaliar a cobertura foliar do inseticida, foi instalada uma haste de PVC no centro de cada parcela da área experimental, onde foram posicionados papéis hidrossensiveis (76 x 26 mm).

Os papéis foram colocados com a face superior para cima, em três alturas para simular os estratos: inferior (0,2m) médio (0,5m) e superior (0,8m). Os suportes foram alocados junto às plantas de soja, no centro da parcela. Posteriormente às aplicações, os cartões de papel hidrossensível foram coletados e armazenados em plástico filme de PVC para evitar a contaminação pela umidade relativa do ar.

A caracterização da cobertura foi realizada com uso de um scanner, onde procedeu-se a digitalização dos papeis hidrossensíveis (resolução espacial de 600 dpi não interpolados, com cores em 24 bits) e as imagens foram posteriormente processadas com o uso do programa Conta-Gotas, específico para essa finalidade. No intervalo de um dia após a aplicação (1 DAA) dos inseticidas, foram coletadas quatro repetições de quatro folíolos de soja (n = 16 folíolos tratamento-1), e o material foi acondicionado em bandejas plásticas com células individuais (5,5 x 3,5 cm) para cada folíolo.

Os folíolos foram forrados com papel absorvente previamente umedecido, sendo realizada infestação artificial de lepidópteros-praga da soja. Para avaliar os tratamentos, foram observadas as injúrias foliares das lagartas de duas importantes espécies da soja: H. armigera e C. includens. A avaliação do dano das lagartas foram realizadas aos 7 DAI (dias após a infestação).

No estádio R5.1 não se avaliou as injúrias no terço inferior devido à senescência. Todos os dados foram inicialmente submetidos aos testes de normalidade de Lilliefors e Bartlett e a homogeneidade das variâncias, para verificar se atendiam aos pressupostos da estatística paramétrica.

A partir disso, realizou-se a análise de variância (ANOVA) e de acordo com a significância foi realizada análise de regressão polinomial e as médias dos tratamentos comparadas por teste de Tukey. A diferença foi considerada significativa quando p≤0,05.

RESULTADOS E DISCUSSÃO

O terço superior da planta de soja apresentou maior cobertura foliar de inseticida, seguido pelo terços médio e inferior, independente da taxa de aplicação e do estádio fenológico da cultura (Tabela 1).

TABELA 1. Estimativa de cobertura foliar (%) de Clorantraniliprole (20%SC) com uso de papéis hidrossensíveis em diferentes estratos e em dois estádios fenológicos da soja. Capão Bonito/SP, 2015.

Em razão de ter sido observado consumo foliar semelhante entre as taxas de aplicação na fase vegetativa, é possível inferir que antes do fechamento da entrelinha da cultura o inseticida teve menor obstrução foliar, permitindo uma melhor penetração no dossel das plantas (Tabelas 2 e 3).

O fechamento espacial da entrelinha representa menor penetração do produto fitossanitário, contribuindo para maiores injúrias de lepidópteros-praga. De modo similar ao presente estudo (Tabelas 2 e 3), o aumento da taxa de aplicação, de 56 para 168 L.ha-1, não resultou em maior mortalidade de Heliothis virescens (Lepidoptera: Noctuidae) (REED; SMITH, 2001), evidenciando a dificuldade do produto em atingir a praga no dossel da cultura. No entanto, para C. includens, o aumento da taxa de aplicação de inseticida de 120 e 280 L.ha-1 promoveu o incremento na mortalidade da praga (VIEGAS NETO, 2013).

TABELA 2. Injúrias foliares (%) ocasionadas por C. includens em diferentes estratos da planta de soja com diferentes taxas de aplicação de Clorantraniliprole, estádios V8 e R5.1. Capão Bonito/SP, 2015.

TABELA 3. Injúrias foliares (%) ocasionadas por H. armigera em diferentes estratos da planta de soja com diferentes taxas de aplicação de Clorantraniliprole, estádios V8 e R5.1. Capão Bonito/SP, 2015.

Apesar disso, é importante ressaltar que esses trabalhos não investigaram taxas de aplicação superiores a 300 L.ha-1, diferentemente do presente estudo. Desse modo, este trabalho investiga a influência de altas taxas de aplicação (até 672 L.ha-1), demonstrando que as taxas acima de 224 L.ha-1 não resultam em redução de injúrias de C. includens e H. armigera.

Essa observação é importante não apenas para adequar a taxa de aplicação de acordo com a sua eficiência para o controle da praga, mas também na  contribuição para evitar o uso de taxas muito elevadas, as quais podem apresentar um maior impacto ambiental em razão do maior volume com inseticida que entra em contato com o agroecossistema.

CONCLUSÃO

O uso de altas taxas de aplicação de Clorantraniliprole (20% SC) em soja não aumenta a cobertura foliar nos estratos inferiores do dossel da planta.

Durante a fase vegetativa da soja, o volume a partir de 112 L.ha-1 mostrou-se adequado, enquanto no período reprodutivo recomenda-se a taxa de aplicação a partir de 224 L.ha-1.

REFERÊNCIAS

BUENO, A. F.; BATISTELA, M. J.; MOSCARDI, F.; BUENO, R. C. O. F.; NISHUKAWA, M.; HIDALGO, G.; SILVA, L.; GARCIA, A.; CORBO, E.; SILVA, R. B. Níveis de desfolha tolerados na cultura da soja sem a ocorrência de prejuízos à produtividade. Nível de ação e o MIP – Soja. Embrapa Soja. Circular Técnica 79, 2010, 12p.

CZEPAK, C.; ALBERNAZ, K. C.; VIVAN L. M.; GUIMARÃES, H. O.; CARVALHAISET, T. Primeiro registro de ocorrência de Helicoverpa armigera (Hübner) (Lepidoptera: Noctuidae) no Brasil. Pesquisa Agropecuária Tropical, v.43, p. 110-113, 2013.

DUFFIELD, S.J.; CHAPPLE, D.G. Within-plant distribution of Helicoverpa armigera (Hübner) and Helicoverpa punctigera (Wallengren) (Lepidoptera: Noctuidae) eggs on irrigated soybean. Australian Journal of Entomology, v.40, s/n, p.151–157, 2001.

HERZOG, D.C. Sampling soybean looper in soybean. In: KOGAN, M.; HERZOG, D.C. (eds). Sampling methods in soybean entomology. Springer-Verlarc, Nova Yorke, 1980, cap. 7, p. 141-168.

VIEGAS NETO, A. L. Tecnologia de aplicação de inseticida no controle da lagarta-falsa-medideira na cultura da soja.: UFGD, 2013. 54 f.

PANIZZI, A. R. O Manejo integrado de pragas (MIP) em soja e o compromisso com o meio ambiente. In: CONGRESSO DE SOJA DEL MECOSUR. Mercosoja 2006: conferências plenárias, foros, workshops. Associación de la Cadena de Soja Argentina, p. 144-149, 2006.

REED, J.T.; SMITH, D.B. Droplet Size and spray volume effects on insecticide deposit and mortality of Heliothine (Lepidoptera: Noctuidae) larvae in cotton. Journal of Economic Entomology, v.94, n.3, p.640- 647, 2001.

Informações do autores:     

1 Eng. Agr. Doutorando em Agronomia, UEL, Londrina/PR, (15) 99182-8229, lenio_cmc@hotmail.com

2 Eng. Agr., Du Pont do Brasil S/A, Paulínia/SP.

3 Prof. Doutor, Agronomia, UNIOESTE, Guarapuava/PR.

4 Graduanda em Agronomia, UEL, Londrina/PR,.

5 Engº Agrônomo, Prof. Doutor, Agronomia, UEL, Londrina/PR

Disponível em: Anais do VIII Simpósio Internacional de Tecnologia de Aplicação – SINTAG, Campinas  – SP, Brasil.

Nenhum comentário

Deixar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.