No dia 18/06 foram apresentados todos os cases campeões de produtividade do CESB no Fórum Nacional de Máxima Produtividade. Confira todos os manejos aqui.

A fazenda Reunidas possui 24.000 ha de extensão, destes, 5.400 ha são destinados à produção de grãos, onde a cultura da soja ocupa uma área de 5.200 ha e também possui 11.023 ha para a criação animais. A propriedade de Alexandre Baumgart, situa-se no município de Rio Verde – GO. Na área total da lavoura a produtividade média do produtor foi de 85,7 sc/ha na safra 2018/19.

A área destinada ao concurso de máxima produtividade do CESB foi de 2,50 ha, obtendo uma produtividade de 108,74 sc/ha.



O produtor utiliza plantio direto em um sistema diversificado com rotação de culturas entre soja, milho, milho e pousio, soja e capim Tamini, soja e milho + capim Mombaça e soja com capim Mombaça. A correção do solo foi realizada após a cultura do milho, após a colheita em 2016, com aplicação de 10 t/ha calcário, incorporados com grade à 25 cm de profundidade. Em 2017 foram aplicadas 2 t/ha de gesso e em 2018 2,5 t/ha de composto orgânico + Fosfato (1,94%).

Nessa lavoura, a média de produtividade de 2014 até 2019 aumentou de 39,49 para 85,7, onde a gleba do desafio se destaca ainda mais nesse cenário de acréscimo na produção.

A cultivar utilizada foi 74I77 RSF IPRO, grupo de maturação 7,2 e hábito de crescimento indeterminado, de ciclo precoce, com 94% de germinação e 90% de vigor, e com peso de mil sementes (PMS) médio de 176g, sendo que na área do desafio o PMS obtido de 196,1 g.

A semeadura ocorreu em 27/10/2018, dentro do período considerado preferencial no zoneamento agrícola. A população de plantas obtida foi de 313.333 plantas/ha com 16,3 plantas/ metro e espaçamento entrelinhas 50 cm, semeados a uma velocidade de operação de 5km/h.

A média de vagens por planta foi de 42 e 3,6 vagens por nó, com uma média de 13 nós por planta, onde a inserção da primeira vagem estava aos 12 cm de altura e 61,9% dessas vagens possuíam três grãos, 31% dois grãos, 4,8% quatro grãos e 2,3% com somente um grão.

A resistência à penetração do solo é ideal até os 20 cm de profundidade e aceitável a partir desse valor, o que permitiu um crescimento radicular sem impedimento físico.

A adubação foi realizada com 84 kg/ha de Potássio em pré-semeadura e MAP no momento da semeadura (24,2 kg/ha de N e 114,4 kg/ha de P2O5), não sendo utilizada adubação em cobertura. Além disso, antes da semeadura também foi distribuído composto orgânico bovino na composição de N (1,87%) P (1,94%) K (0,8%). Em R1 foram aportados os micronutrientes Manganês, Magnésio e Molibdênio, além do uso de Nitrogênio Ácidos Húmicos e Fúlvicos.

O tratamento fitossanitário da área campeã, foi determinado conforme mostra a Figura 1.

Figura 1 – Tratamento Fitossanitário – Campeão CESB 18/19 – Região Centro-Oeste.

Para os campeões, Alexandre Baumgart e o consultor João Pedro da Silva Queiroz, o que fez a diferença na produtividade foi fazer o básico bem feito, além do clima que favoreceu, um bom posicionamento genético e agregando gramíneas no sistema.

Figura 2 – Custo de produção e análise econômica – Campeão CESB 18/19 – Região Centro-Oeste.

Acesse o case campeão completo aqui.

Fonte: Informações retiradas do CASE CAMPEÃO 18/19 – CENTRO OESTE – CAT. SEQUEIRO

Elaboração: Andréia Procedi – Equipe Mais Soja.

*As publicações técnicas do CESB, “cases campeões”, tratam-se apenas de constatações técnicas e não devem ser consideradas, sob qualquer hipótese, como recomendações de manejo.

Nenhum comentário

Deixar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.