O Instituto Nacional de Sementes (INASE) está muito próximo de colocar em prática o registro de variedades de soja e seu controle de comércio via marcadores de DNA. Em dezembro do ano passado, o INASE publicou o seu Despacho 228/2018 que estabeleceu 56 SNP (Single Nucleotide Polymorphism) para uso na identificação de todas as variedades de soja registradas no instituto.

Na semana passada, o eFarmNewsAr encontrou Raimundo Lavignolle, presidente do INASE, para saber como este método revolucionário – a Argentina será o primeiro país do mundo a usar marcadores moleculares para identificar variedades de soja públicas e privadas – está sendo implementado.

O responsável explicou que o Instituto completa a identificação de todas as variedades registradas, incluindo as registradas em 2017 e 2018. Isso envolve cerca de mil variedades.

Além disso, o INASE publicou a ordem que estabelece os requisitos que os laboratórios devem cumprir para executar os testes de DNA. Lavignolle estima que cerca de dez laboratórios serão habilitados, a maioria deles de mercados de troca de grãos, como Buenos Aires ou Rosario.

Nas próximas semanas, outras ordens estabelecerão os protocolos para usar o método de identificação de DNA e, finalmente, a INASE publicará em seu site os perfis de DNA de cada uma das variedades registradas.

A identificação de DNA da soja é o programa mais avançado, mas o INASE também está trabalhando com variedades de trigo e algodão para identificar através de marcadores moleculares.



Como dissemos em no último artigo  Um passo gigantesco: a Argentina usa marcadores moleculares para identificar as variedades de soja, até agora os agricultores devem declarar que variedades estão usando para a produção agrícola e como conseguiram a semente, ou seja, se compraram aos revendedores ou se é semente salva.

Estima-se que 20% da semente de soja plantada a cada ano foi comprada para os revendedores como sementes certificadas, enquanto 60% são de sementes guardadas. O comércio ilegal seria de 7% e os restantes 13% seriam sementes guardadas ilegais.

Suspeita-se que os agricultores tendam a declarar variedades antigas para evitar qualquer conflito relacionado com os pedidos de DPI. Apesar das empresas de criação estabelecerem um sistema de royalties para recuperar os direitos de propriedade intelectual das sementes salvas, como a legislação atual não fornece esse conceito, o sistema funciona como um sistema voluntário.

Mas agora, o sistema de identificação de variedades via DNA fornecerá ao INASE uma ferramenta poderosa para determinar se o que o agricultor declara é o que o agricultor planta. Lavignolle espera que esses controles comecem a operar na próxima campanha de 2019/20.

Isso poderia ajudar a melhorar o comércio legal, enquanto o Congresso discute uma reforma da atual Lei de Criadores de Plantas, que modifica o conceito de semente salvo grátis para um oneroso.

“Enquanto isso, tanto os agricultores quanto os criadores poderão usar os marcadores de DNA para verificar a identidade da semente, se considerarem necessário; e os laboratórios poderão prestar serviços a terceiros, dando mais garantias aos usuários ”, acrescenta Lavignolle.

Tradução: Equipe Mais Soja

Fonte: eFarmNewsAr

Texto originalmente publicado em:
eFarmNewsAr 
Autor: eFarmNewsAr 

Nenhum comentário

Deixar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.