O custo de produção da soja 19/20 em Mato Grosso referente ao mês de março/19 foi atualizado pelo Imea. De acordo com os dados, o custo variável (CV) fechou o mês em R$ 3.125,80/ha, com aumento de 0,59% ante o mês de fevereiro, e o custo operacional (CO) fechou em R$ 3.472,03/ha, um avanço mensal de 0,60%.

Os reajustes nos preços foram ocasionados, principalmente, pela elevação nos impostos e pelas altas cotações atingidas pelo dólar durante o mês de março. Os defensivos tiveram um reajuste de 0,78% e, dentre eles, os fungicidas apresentaram a maior valorização.

Analisando outros componentes importantes, a semente de soja, os macronutrientes, e os custos de arrendamento também apresentaram alta. A partir de agora, com a finalização da colheita, os produtores tendem a focar suas atenções no planejamento da próxima safra.

Confira os principais destaques do boletim:

• O Indicador Imea-MT manteve-se praticamente estável e fechou a semana com média de R$ 63,17/sc.

• Apresentando uma desvalorização de 1,27%, o contrato corrente na CME-Group encerrou a semana em US$ 8,87/bu, devido ao peso das ofertas detidas nos EUA, e melhor perspectiva de clima para o plantio.



• O dólar finalizou a semana com alta de 1,32% e cotação média de R$ 3,91/US$, devido ao adiamento da votação sobre a reforma da previdência pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ).

• As regiões norte e nordeste encerram a colheita de soja, e o estado de Mato Grosso alcançou 100%, após avanço semanal de 0,08 p.p.

GIGANTE ASIÁTICO:

Maior comprador de soja do mundo, a demanda chinesa é um importante balizador na formação do preço mundial do grão, tendo impacto decisivo no mercado. A China divulgou os dados preliminares de importação de soja em março com o total de 4,92 milhões de toneladas, alta de 10,26% comparado a fevereiro.

Apesar deste incremento, este volume é 13,12% menor que os volumes de mar/18. O mesmo acontece quando observamos o acumulado de janeiro a março, que em 2019 registrou 16,76 milhões de toneladas, uma redução de 14,33% em relação a 2018, com 19,56 milhões de toneladas.

Caso o país asiático mantenha este comportamento de importações menores nos próximos meses, poderá ser confirmado uma menor demanda chinesa por soja. Isto, aliado aos altos estoques norte americanos, e também a uma maior oferta na América do Sul, são fatores que podem pressionar as cotações da soja.

Fonte: IMEA

Texto originalmente publicado em:
Imea
Autor: IMEA

Nenhum comentário

Deixar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.